A vocação suicida da elite. Por Eleonora de Lucena

escracho

A natureza colonial de nossa elite, antes de significar a adesão à metrópole, implica a renúncia à ideia de ter um destino próprio. Ela  não se vê e não se quer como parte – privilegiada que seja – de uma nação, para o que é necessário compreender pertencer a um povo.

Num rabisco sociológico, não tem sentimentos de pertença – de ligação natural, de mesmo heterogênea, fazer parte de uma coletividade nacional. O prior, ainda seguindo este esboço, é que esta elite serve como referência para um grupo imensamente grande- e ponha imensamente num país com o grau de urbanização e o tamanho do Brasil – que a elas imita, porque a ele quer e crê pertencer.

Duro, mas preciso, o artigo da jornalista Eleonora de Lucena, na Folha de hoje, é um retrato agudo do comportamento desta elite, que não é apenas suicida, porque mata, ou tenta matar ao longo da história, a vocação do Brasil para ser uma das grandes – e certamente a de mais “biodiversidade” humana – nações deste planeta.

Escracho

Eleonora de Lucena*, na Folha

A elite brasileira está dando um tiro no pé. Embarca na canoa do retrocesso social, dá as mãos a grupos fossilizados de oligarquias regionais, submete-se a interesses externos, abandona qualquer esboço de projeto para o país.
Não é a primeira vez. No século 19, ficou atolada na escravidão, adiando avanços. No século 20, tentou uma contrarrevolução, em 1932, para deter Getúlio Vargas. Derrotada, percebeu mais tarde que havia ganho com as políticas nacionais que impulsionaram a industrialização.

Mesmo assim, articulou golpes. Embalada pela Guerra Fria, aliou-se a estrangeiros, parcelas de militares e a uma classe média mergulhada no obscurantismo. Curtiu o desenvolvimentismo dos militares. Depois, quando o modelo ruiu, entendeu que democracia e inclusão social geram lucros.

Em vários momentos, conseguiu vislumbrar as vantagens de atuar num país com dinamismo e mercado interno vigoroso. Roberto Simonsen foi o expoente de uma era em que a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) não se apequenava.

Os últimos anos de crescimento e ascensão social mostraram ser possível ganhar quando os pobres entram em cena e o país flerta com o desenvolvimento. Foram tempos de grande rentabilidade. A política de juros altos, excrescência mundial, manteve as benesses do rentismo.

Quando, em 2012, foi feito um ensaio tímido para mexer nisso, houve gritaria. O grupo dos beneficiários da bolsa juros partiu para o ataque. O Planalto recuou e se rendeu à lógica do mercado financeiro.

Foi a senha para os defensores do neoliberalismo, aqui e lá fora, reorganizarem forças para preparar a reocupação do território. Encontraram a esquerda dividida, acomodada e na defensiva por causa dos escândalos. Apesar disso, a direita perdeu de novo no voto.

Conseguiu, todavia, atrair o centro, catalisando o medo que a recessão espalhou pela sociedade. Quando a maré virou, pelos erros do governo e pela persistência de oito anos da crise capitalista, os empresários pularam do barco governista, que os acolhera com subsídios, incentivos, desonerações. Os que poderiam ficar foram alvos da sanha curitibana. Acuada, nenhuma voz burguesa defendeu o governo.

O impeachment trouxe a galope e sem filtro a velha pauta ultraconservadora e entreguista, perseguida nos anos FHC e derrotada nas últimas quatro eleições. Privatizações, cortes profundos em educação e saúde, desmanche de conquistas trabalhistas, ataque a direitos.

O objetivo é elevar a extração de mais valia, esmagar os pobres, derrubar empresas nacionais, extinguir ideias de independência. Em suma, transferir riqueza da sociedade para poucos, numa regressão fulminante. Previdência, Petrobras, SUS, tudo é implodido com a conversa de que não há dinheiro. Para os juros, contudo, sempre há.

Com instituições esfarrapadas, o Brasil está à beira do abismo. O empresariado parece não perceber que a destruição do país é prejudicial a ele mesmo. Sem líderes, deixa-se levar pela miragem da lógica mundial financista e imediatista, que detesta a democracia.

Amargando uma derrota histórica, a esquerda precisa se reinventar, superar divisões, construir um projeto nacional e encontrar liderança à altura do momento.

A novidade vem da energia das ruas, das ocupações, dos gritos de “Fora, Temer!”. Não vai ser um passeio a retirada de direitos e de perspectiva de futuro. Milhões saborearam um naco de vida melhor. Nem a “teologia da prosperidade” talvez segure o rojão. A velha luta de classes está escrachada nas esquinas.

*Eleonora de Lucena é repórter especial da Folha e foi  Editora-executiva do jornal de 2000 a 2010

Comentários no Facebook

37 Respostas

  1. Renato Arthur disse:

    O que transparece é que a esquerda terá que se reinventar, voltar as raízes. Em relação aos partidos de direita que não ganhavam eleições nas últimas quatro que participaram, estes após esse golpe e as mazelas que se seguiram, provavelmente serão extintos assim como foram os dinossauros, sua idéias e concepções não cabem em um país como o Brasil. Jamais entenderam como Nação jamais estiram o nosso povo, a oligarquia seguiu o que lhe foi ensinado nesses 500 anos de opressão. O risco é de não termos mais eleições para escolha do Presidente da República pois eles sabem que são inviáveis.

    • Messias Franca de Macedo disse:

      … Caso o LIBANÊS (A)moral usurpador decorativo consiga consumar o golpe, este mesmo infeliz irá implantar o parlamentarismo no país!
      E já a partir das eleições de 2018!
      E por que Diabos o povo continua debruçado na janela?

  2. Suely disse:

    Zarknov melhorando para quem?
    Só se for pra você e os empresários, não vi melhoras nenhuma para o povo, o dólar caiu! Verdade, a bolsa subiu! Verdade! A cesta básica subiu! Verdade os planos de saúde subiu! Verdade, o pãozinho subiu! Verdade, a CPMF vai voltar? Verdade, as privatizações vão voltar! Verdade. A dívida com o FMI vai voltar verdade. A aposentadoria vai aumentar por mais tempo de trabalho! Verdade, agora os benefícios aos trabalhadores, esses vão aumentar? Mentira. Como você ver O Brasil melhorou…. Sim as custas do povo, porque é aquela máxima. O povo é apenas um detalhe.

  3. flavio marques da cunha disse:

    A nossa elite foi muito bem caracterizada pela autora, Darcy Ribeira já dizia que temos a pior elite do mundo. Mas o que causa espécie é o apoio obtuso e ignorante da classe média, essa sim, como diz Chauí, uma aberração em todos os sentidos, pois na sua vã utopia de chegar à riqueza, comporta-se como uma vaca que ajuda o dono a levá-la ao matadouro. E de uma burrice constrangedora.

  4. Messias Franca de Macedo disse:

    “Bom-diamente”, ‘FOOOOORA temer’!

    • Zanilda Macêdo disse:

      Primeiramente Fora temer o Usurpador!!

      • Messias Franca de Macedo disse:

        … Usurpador, monstro moral, depravado, cínico, absolutamente (A)moral, Constitucionalista da merda do “supremo” gilMAU, sem coração, sem caráter algum… E sem pescoço decorativo!
        “Uma calamidade pública”, segundo o egrégio e impávido jornalista Paulo Nogueira, lá do blogue ‘sujo’ ‘Diário do Centro do Mundo’ (DCM).

  5. Messias Franca de Macedo disse:

    ATENÇÃO PARCELA [MAJORITÁRIA] DO BEM DA NAÇÃO BRASILEIRA

    Vamos organizar manifestações PACÍFICAS na porta da mansão (!) de cada senador(a) supostamente indeciso(a)!
    Esqueçamos aqueles/as [supostos(as)] senadores(as)!
    Nestas manifestações cívicas e democráticas seriam realizadas programações culturais (recital de poemas, leitura de cordéis, sarau musical, ensaios circenses…), debates…
    E desde o início destes eventos, solicitando-se a presença do senador(a) para uma conversa.
    Expor ao parlamentar as nossas demandas no caso específico do ‘golpeachment’ mais vagabundo da história mundial.

    NOTA:
    a perdurar a nossa inação, ‘nois’ não mais teremos ‘amanhã’!
    Complexo assim!

    Mãos à obra!
    Hasta la Victoria Siempre!

  6. Carlos disse:

    Há tempos se gritava “ley de medios!”, como um alerta para que o problema das comunicações fosse atacado de alguma maneira. O que tivemos? “Mídia técnica”… Mesmo pessoas com formação superior e de classe média alta são conduzidas como gado pelo sistema GAFE -globo, abril, folha, estadão- o que mostra a importância de uma política para este setor. Através de seus programas, a TV doutrina; através de suas notícias, a mídia engana e manipula pessoas que teriam todas as condições de pensar com a própria cabeça, se quisessem. A verdade é que uma parcela considerável da população brasileira comeria merda se o sistema GAFE dissesse que é bom. Alguns, em pratos de porcelana; outros em marmitas mesmo.

    • Rui disse:

      Sistema GAFE e ótimo para definir esta mídia oportunista, autênticos coxinhas enrustidos, disfarçados de informantes do Povo brasileiro. São verdadeiros capachos dos seus bilionários patrocinadores. Quero mais é que esta GAFE se exploda. Só assim teremos paz e decência neste país abençoado por DEUS e bonito por natureza.

  7. Amolador de Tesouras disse:

    Certo. Só estranho que venha de repórter da Folha, que esteve quietinha até agora, após dois anos de preparo do golpe. E apoio total da Folha.

    Parece que leu um blog de esquerda hoje e descobriu o mundo. E copia um capiau qualqer para criticar e culpar a esquerda!!!!!!
    Novidadeira!

    Uma coxinha com medo de perder o emprego?

    • Messias Franca de Macedo disse:

      … Porém, o libelo da jornalista não deixa de ser importante neste momento em que muitos(as) &$ muitos(as) se calam – covarde e criminosamente!
      Sem contar os milhões que aplaudem – efusivamente – a patifaria nazifascigolpista perpetrada por IMUNDOS velhacos misóginos, [quase]anencéfalos, vigaristas, antinacionalistas/entreguistas, desumanos e, por óbvio, [mega]CORRUPTOS!…

      Respeitosamente,

  8. Messias Franca de Macedo disse:

    ESTADÃO ALOPRA E PEDE QUE GOLPE SEJA MANTIDO CONTRA A VONTADE DO POVO

    Depois da desmoralização do Datafolha e da divulgação de levantamentos de opinião pública, como o do Paraná Pesquisa, que revelam que 62% dos brasileiros querem novas eleições, o jornal Estado de S. Paulo ultrapassou todos os limites do golpismo, no editorial “A maioria também se equivoca”; segundo o jornal comandado por Francisco Mesquita, Temer não conquistou a confiança da população, mas mesmo assim deve continuar – talvez porque seja este o desejo da família Mesquita; ou seja: que seja feita a vontade da minoria

    26 DE JULHO DE 2016 ÀS 08:39

    (…)

    FONTE: http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/245863/Estad%C3%A3o-alopra-e-pede-que-golpe-seja-mantido-contra-a-vontade-do-povo.htm

    • Messias Franca de Macedo disse:

      … ‘O Estadinho’ em estado comatoso!
      Editorial produzido por [mais] um folhetim [pseudo]jornalística – sobrevida mantida com ajuda de aparelhos em UTI!

  9. Luiz Carlos P. Oliveira disse:

    Para o ZARKNOV precisa “desenhar”. Ele não tem a “função cognitiva” no cérebro. Ela foi deletada pela Veja e pela Globo. Ó Zeus, dá-me paciência de Jó para conviver com tamanha burrice alheia.

  10. Luiz Carlos P. Oliveira disse:

    Tem gente que lê mil vezes um texto e não entende nada. Atrofia do hipotálamo, talvez?

  11. william disse:

    Felipe Antonio de Paula, para entender a Elite, terá que entender o que é Oligarquia, nada que uma boa pesquisa não te ajude. pesquisando saberá o impacto e o significado específico na sociologia, sua pergunta é simples, mas tem que ser desnudada por você mesmo.

  12. Amolador de Tesouras disse:

    Eleonora terá coragem de dizer que é um golpe tucano disfarçado de Temer?

  13. Borges SP disse:

    QUE É QUE TEM NO DIA 31/07 QUE NÃO ESTOU SABENDO????????????? e sou militante ou militonto como gostam de dizer os escondidinhos trouxinhas. Nem os blogs estão divulgando o dia 31/07????? que vai acontecer?

  14. Messias Franca de Macedo disse:

    … Bastaria o (ir)responsável pela gloriosa (sic) ‘Guantánamo do Paraná’ convidar as mulheres do ‘CU(nha)’ para saborearem o chá das cinco daquela confraria!
    “Meia horinha”, e ‘ellas’ voltariam ao seio das “mansões adquiridas pela exportação de produtos do ‘CU(nha)'”!
    Bom, aí, o exportador (sic) eduardo ‘CU(nha)’ delataria até “o pobre” do Michelzinho!

    Passa a régua!

    • Messias Franca de Macedo disse:

      “Meia horinha”, e ‘ellas’ voltariam ao seio das “mansões adquiridas pela exportação de carnes do ‘CU(nha)’”!

    • Messias Franca de Macedo disse:

      “Meia horinha”, e ‘ellas’ voltariam ao seio das “mansões adquiridas pela exportação de carnes do ‘CU(nha)’”!

  15. Luiz Carlos P. Oliveira disse:

    FHC coloca marcapasso no Instituto do Coração em SP no dia 09/07/2016

    FHC internado no Sírio Libanes em.abril/2015 para exames.

    Ô RUSSO DE ARAQUE, FHC não consulta pelo SUS? Ué, ele é diferente dos outros mortais?

    Criatura sem noção….

  16. serralheiro velho disse:

    Precisas e preciosas reflexões Eleonor Lucena. Meu espanto maior é saber que vieram deste pasquim despudorado paulistano. Razão que a própria razão desconhece. Novos rumos? Ou espasmos de moribundo?

  17. Vinícius disse:

    Fernando, seria bom avaliar o comportamento da Folha. Eles acalentaram o golpe, recentemente deram impressão de ter pulado do barco. Depois publicam a pesquisa adterada.
    Num sei não?! Tem algo diferente e suspeito nas idas e vindas desse jornal golpista.
    Quando a InVeja e O Bobo dão sinais naufragar, a FaLHA de SP mostra todo seu oportunismo.
    Analisa isso para nós, Fernando.

    • Messias Franca de Macedo disse:

      … Estas idas e vindas da Folha do Frias da puta têm a mesma natureza *incógnita das “indefinições” do [suposto] senador “ético” Cristovam Buarque”!
      Sim, aquele mesmo que propugnava enquanto arrivista a escola em tempo integral!
      E agora do lado dos velhacos nazifascigolpistas adeptos da surreal EMPU (‘Escola do Medieval Pensamento Único’)!

      E que país é este?!
      “A Republiqueta [das FRAUDES] do ‘CU(nha)’ do Mundo”!

  18. Messias Franca de Macedo disse:

    Triste fim do jornal impresso – ficou mesmo com a funçao de embalar peixe

    https://www.youtube.com/watch?v=tRoJACMf_kY

  19. Pedro disse:

    Achei esse artigo da Eleonora Lucena uma síntese quase perfeita da realidade. Desculpe o “quase”. Tome-o apenas como mania de comentarista.

  20. Virgilio disse:

    Uma das melhores coisas que li ultimamente sobre o golpe! Precisa na identificação da raiz dos problemas que estamos vivendo!

  21. Sérgio Rodrigues disse:

    Elite de merda e destruidora do País!…

  22. Nelson disse:

    Jean Pierre Lorraine · Works at Self-Employed
    “O que choca neste artigo é a infantilidade irracional e a superficialidade de sua autora […]”

    Não, meu chapa, não é isso que choca. O que choca é a tua “infantilidade irracional e a tua superficialidade”, apesar de toda a tua empolação exibindo nome francês e termos em inglês para se identificar.

  23. revenger disse:

    Será que a colunista agora se vê como trabalhadora de classe média e não parte da elite?

    O óbvio tava na cara de todo mundo. Vi um dono de padaria pedindo fora Dilma. Agora tá vendendo a padaria, ninguém compra nem pão, só vende cachaça.

    É bom pro pequeno empresário não haver direitos trabalhistas? Esquece-se que seus clientes são assalariados?

    E os planos de saúde. Esquecem-se que a maioria dos clientes é empregado em uma média ou grande empresa? Que, ao desempregar acaba também com plano de saúde. E que terceirizadas em sua maioria não pagam planos de saúde pros seus funcionários?

    E a indústria automobilística. Quem mais comprou carro nos últimos dez anos? Será que não percebem que a bola de neve vai chegar à todos os setores?

    E esse imundo quer aumentar a carga horária e a idade pra aposentadoria. Isso iria de alguma forma reverter o desemprego ou aumentar mais ainda?

  24. Edson do Nordeste disse:

    O CARA QUE LÊ ESSA MATÉRIA E NÃO ENTENDER, É UM ALIENADO!
    AMIGO, RASGUE SEU TÍTULO DE ELEITOR !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *