Tirem Lula, senhores, e terão Bolsonaro

datasemlula

A pesquisa publicada hoje pelo Poder360, mostra um cenário que deixa bem claro o que está diante do país.

Lula, depois da condenação de Sérgio Moro, cresceu de maneira significativa – e a metodologia de pesquisa por telefone adotada na pesquisa autoriza a dizer que, pelo seu perfil eleitoral, o número é maior – e atinge um terço do eleitorado brasileiro.

Retira-lo, portanto, da disputa eleitoral por uma manobra judicial significa colocar a eleição num quadro de ilegitimidade que, quando se considera o número de nulos e brancos, atinge mais da metade da população.

Mas é ainda pior.

cenario-2-dataSignifica, também, que Jair Bolsonaro passa a ser um risco real, pois não há nenhuma dúvida de que ele passa a ter a condição de ser mais do que o candidato da direita que saiu do armário para ser o candidato mais representativo da insatisfação com a situação do país.

Doria, como você pode ver no quadro ao lado, não mostra nenhum sinal de crescimento e continua preso no “mundo azul” das elites, as únicas que se empolgam com ele, talvez por reconhecerem na sua mediocridade a identidade perfeita com seu nível de inteligência.

Marina, que sobrevive em outras pesquisas sabe-se lá como, mostra que agora é figurante do fundo do palco e, numa hipótese de segundo turno entre Lula e Bolsonaro (ou mesmo Dória) terá um papel ainda mais constrangedor a fazer se quiser sustentar sua empáfia.

Ciro, renitente em torno de seus 5% segue como alternativa de soma.

É bom lembrar que, numa eleição onde brancos e nulos podem facilmente chegar a 20%, 40% dos votos decidem em primeiro turno.

É triste registrar a veracidade da frase que se ouviu de Lula, no lançamento do livro de juristas, sexta-feirta, no Rio: “tudo o que essa gente conseguiu foi parir Bolsonaro”.

 

 

Comentários no Facebook