Se o Facebook virar Orkut, algo virá em seu lugar

faceacesso

Tanto quanto posso – difícil em meio à continuada crise brasileira – tenho acompanhado de longe a discussão sobre as mudanças de política do Facebook, que envolve “fake news”, direcionamento de conteúdo e, diz o “dono” da ferramenta, Mark Zuckerberg, a decisão de privilegiar redes de amigos sobre conteúdo jornalística (ou pseudojornalístico).

Em primeiro lugar, o Facebook não é – e há muito tempo – uma assembléia ampla, geral e irrestrita de usuários da internet. Com critérios obscuros e ocultos a seus participantes, ele já dirige, impulsiona ou restringe a amplitude de seu alcance.

Em parte, assumidamente, cobrando para “impulsionar” publicações o que, claro, só pode ser feito por quem tenha: a) interesse promocional (comercial ou político) e b) dinheiro. Promover um único  post do Tijolaço custaria – consultei agora – R$ 540, para apenas 200 mil pessoas, publico semelhante ao que se tem aqui nos bons dias.

De outra forma, o  programa de Mark Zuckerberg controla as “curtidas” da página. Quando era “pequeno”, mais de 1,5 mil pessoas curtiam aqui a cada semana. Depois que passou dos 70 mil, foi minguando, quando a lógica seria, mesmo com taxas menores de crescimento, subirem mais rápido os números absolutos.

Há certa “lenda” na dependência ao Facebook  da internet. Amigos, frequentemente, me escrevem vibrando por um post ter tido “x” curtidas ou compartilhamentos. É importante, claro, para o alcance do que escrevo. Embora ajude muito, o tráfego originado do “face” anda na mesma faixa do que registra o gráfico publicado hoje pela Folha.

O Facebook, cujas origens são antigas, desde os tempos dos BBS e, depois, do ICQ, teve como diferencial ser, ao mesmo tempo, um mecanismo de comunicação entre indivíduos (a evolução dos “chats”) e de expressão pública (a dos blogs), onde os usuários publicam amplamente sem a necessidade de uma estrutura, de uma plataforma pessoal.

O passo adiante que a plataforma deu foi exatamente o de romper as limitações do “grupo” e permitir que qualquer um possa “entrar” em polêmicas, concordar ou divergir, aplaudir ou “zoar”. Em tese, claro, porque a velha tendência – e cada vez mais atual – de que as comunidades se “tribalizem” e passem a ser quase de monólogos entre iguais – ou de “gritos de guerra” para os “inimigos” de outra tribo sempre foi capturada e usada pelo único sistema absolutamente cosmopolita que o mundo conhece: o do dinheiro.

Tão “novo” que Julio Cesar já dizia no seu relato sobre a conquista da Gália: Divide et impera. Dividir para reinar sempre foi a estratégia da dominação e ainda é, malgrado parte dos que se consideram livres e transformadores se fechem nos mesmos cubículos mentais, agora na versão cult de “gênero”, etnia, ismos e outras negações do diferente que transformam o diverso em “inimigo visível” enquanto Roma vai dilatando o império.

Os jornais e redes de TV, que deixaram de ser veículos de propagação para se tornarem feitores da dominação, chiam porque se esvaziam. E seus editores e comentaristas, claro, sentem que o pedestal em que foram postos vai se derretendo.

A reação da Folha, hoje, a esta polêmica é típica desse sentimento de dissolução do próprio  poder. Os males do Facebook – chamado de “câncer social” e “ameaça à democracia” não são, afinal, diferentes do que a mídia monopolista se tornou ao longo dos últimos 50 anos.

O “pequeno problema” desta estratégia de segmentação que faz o Facebook é que ela é anti-histórica. A comunicação humana, seja como meio de transporte de pessoas ou de ideias, sempre foi imperial antes de ser revolucionária. Não é possível pensar em globalização do capital sem, ao mesmo tempo, tornar cosmopolita a circulação de ideias.

Comunicação não tem o mesmo limite da propaganda, onde você define um público e terá sucesso se o alcançar. Formar um quisto pode servir a projetos políticos como o de Jair Bolsonaro, jamais a uma visão de Nação, múltipla e complexa.

O Facebook, se for adiante nos seus planos de “tribalização preferencial”, será substituído, como substituiu o Orkut. Aliás, na internet, a obsolescência chega mais rápido que em qualquer lugar tecnológico.

Os donos do mundo – mundinhos ou mundões – precisam entender que o caminho do mundo é ter cada vez menos donos.

 
contrib1

Comentários no Facebook

24 Respostas

  1. dinio disse:

    A Ratazana Folha tentando ROER o Rato Face…

  2. Jan disse:

    Do ponto de vista de um usuário de redes sociais, principalmente da geração de Millennials , a mídia tradicional conservadora tem muito pouco a oferecer. A mídia tradicional é coisa para velhos , antiquados e conservadores. Não existe no brasil uma mídia voltada para as novas gerações. Tudo que existe são emulações do espectro conservador. De assuntos que não interessam aos diferentes espectros.
    Neste sentido a blogosfera e as mídias progressistas tem um amplo espectro de audiência para crescer.

  3. Luiz Mattos disse:

    EU ESTOU NO VK,MELHOR QUE O FACE,CANSEI DE SER BLOQUEADO NO FACE,26 MESES DE FACE 16 BLOQUEIOS 3 DE 30 DIAS,MEU PERFIL LUIZ MATTOS SAIRÁ DO BLOQUEIO DIA 25,USO OUTRO COMO LUIZ FIGUEIREDO.SÃO GOLPISTAS E SIONISTAS.

  4. chapiro disse:

    Brito, viu essa coluna do Paulo Moreira Leite?

    https://www.brasil247.com/pt/blog/paulomoreiraleite/336802/Julgamento-de-Lula-deve-ser-suspenso-j%C3%A1.htm

    “Uma busca em cartórios em torno de bens da OAS, indispensáveis para a empresa enfrentar um processo de falência movido por empresários da cidade, mostrou que o 16-A faz parte do patrimônio da construtora. Em sua sentença, a juíza Luciana de Oliveira determinou, numa decisão irretocável nesses casos, que o imóvel seja penhorado em favor dos empresários de Brasília, numa segunda demonstração de que o ponto central da denuncia que levou Lula a ser condenado a 9 anos e meio de prisão — enfrentando o risco de ser impedido de disputar a presidência da República — não tem fundamento jurídico algum.”

    “Não há dúvida de que essa decisão cria aquilo que os juristas chamam de “fato superveniente”, que se sobrepõe ao que foi apurado e denunciado até aqui. A resposta coerente, num caso como este, é a suspensão do julgamento de 24 de janeiro, até que tudo possa ser esclarecido, caso apareçam recursos contestando a decisão da Juíza Luciana de Oliveira, o que é pouco provável. Caso se apresente recurso, o que depende do interesse das partes, o local adequado para exame é o Tribunal de Justiça do Distrito Federal — e não o TRF-4. “

  5. João bosco disse:

    Excelente artigo! O Facebook já me deixa desanimado há muito tempo. Seus controles de exposição das postagens são ridículos.
    Seu vaticínio tem tudo para se realizar: vai se tornar outro Orkut!

  6. Luiz Carlos P. Oliveira disse:

    Não sei se sou “quadrado” ou desligado, mas o fato é que não tenho conta no facebook, assim como nunca tive no Orkut, MSN, Instagram ou outra rede social. O que me chateia é ver que qualquer um escreve a bobagem que quiser e muitos acreditam nesses mimimis. Definitivamente estou fora dessa paranóia.

  7. H4ck0 disse:

    Orkut, facebook, msn, todos servem para encher o banco de dados do grande irmão.
    Quando você chega no norte ou qualquer pais dos 5 eyes e outros parceiros eles sabem
    tudo sobre você e sua rede de contatos. Por onde andou, se pegou taxi, se pagou com cartão de crédito, onde, etc. Para dizer o mínimo. Sem contar as operações empresariais. De quem você comprou, para quem vendeu, etc.
    Já passou da hora de estatizar as telecomunicações do Brasil.

  8. Paulo Mosanio disse:

    SE O FACEBOOK VIRAR ORKUT, SAIO, DELETO MINHAS 4 CONTAS PRÓ-LULA , EMBORA HAJA OUTROS TEMAS POR ELES. JÁ VEJO SINAIS DE FACEBOOK COM FINS DE SÓ GANHAR DINHEIRO. SEM COMENTÁRIOS.

  9. Camelo disse:

    Quem, como e porquê: Explorando o hack offshore Mossack Fonseca – The Panama Chronicles Part 2
    https://www.youtube.com/watch?v=H3UswW0SwJg

  10. Scrapy disse:

    Pouco importa. É tarde. As redes sociais a serviço das “agências de segurança” já encheu o rabo de zettabytes de informação. https://pt.wikipedia.org/wiki/Zettabyte.

    all your data belong to us

  11. Jack disse:

    Não se pode depender de terceiros para distribuir conteúdo….
    Querer que empresas de terceiros distribua conteúdo de graça…….?
    Facebook é uma empresa mega capitalista se-nho-res….
    Pelamordedeus….
    dumb dumb…
    Existem outras formas de distribuição de conteúdo , obviamente envolve custos.

  12. Elvir disse:

    Chega de pedágios.
    Estatização das rodovias já.

  13. Jorge Mendes disse:

    Facebook está censurando os perfis de esquerda tive um censurado e junto 3 fan pages(Fora Temer, Fora Aecio , Fora Alckmin)
    https://www.facebook.com/jorge.mendes.5
    https://www.facebook.com/aecionevesnao/
    https://www.facebook.com/ForaMichelTemerePMDBgolpista/
    https://www.facebook.com/foraalckmin/
    vamos boicotar e procurar o VK

  14. Erismar disse:

    Nunca tive este treco e outros cacarecos que chamam de rede social. Tenho o sentimento que mesmo assim mantenho-me bem informado… um milhão de amigos!?! só roberto carlos quer ter. A canção que quero cantar forte é a da liberdade e da justiça!
    Saiam dessa: toda rede social e mesmo a internet só que saber o que estamos pensando e quantos somos para saber como agir. Navegar na rede, não é preciso… deixar sua ficha corrida nela é “bandeira de mais meu rei” diria Raul Seixas!
    mantenho o esforço para acessar a internet com moderação… antiquado (talvez), precavido (provavelmente)!

  15. Edinho disse:

    Pois já temos o nexus.social que é descentralizado e livre sem pegar dados dos usuários pra comércio com grandes empresas. Nasceu de um ICO e tem um token ( criptomoeda chamada social ) criadores australianos.

  16. Francisco disse:

    O que me deixa embasbacado e nao termos uma ferramenta como o Facebook nativa. Temos até bilionário de mídia social, mas um dos maiores mercados de mídia social do mundo, o mercado brasileiro, não tem mídia social nativa. Nenhuma! Mercado solido, por que não o ha TV aberta sem censura no pais.

    Brasileiro tem raiva de dinheiro? Estranho…

  17. Rony Furtado disse:

    Excluí meu perfil no Facebook em novembro de 2013 e não me arrependo. Amigos de verdade eu tenho nos grupos de WhatsApp.

    Ainda sou apaixonado por redes sociais, mas não as ditas “da moda”, não tenho Facebook, Instagram e nem snapchat. Nessas redes vc tem que usar a sua imagem pra ter seguidores e isso não é legal.

    As redes sociais que tenho hoje em dia, em ordem de uso, são Google+, VK, Twitter e Pinterest. Redes que conectam pessoas pelo gosto em comum, isso realmente me seduz.

  18. Alex disse:

    Vejam só, fazia tempo que eu não lia uma reflexão inteligente aqui. Complementar a entrevista do Obama ao David Letterman por sinal. Desculpa estragar seu otimismo mas o facebook pode até caducar, mas a ideia, o algoritmo, vai continuar sendo usado. Cada vez mais usado. A não ser que aconteça uma rejeição verdadeira a ele. O problema é que os usuários “pesados” de internet não querem confrontação contínua… e essa tribalização serve, a princípio, para deixar as pessoas mais tempo conectadas. Verem mais anúncios. Porque se tu lê uma ideia muito oposta a tua, e radical, e agressiva, tu sai da internet. E isso não vende. Então pode ir tirando o cavalinho da chuva. A humanidade é uma manada estúpida e inculta. Não importa o lado, a injustiça prevalecerá.

  19. Alex disse:

    Outro comentário. Você pode achar que não é afetado pq não usa facebook. Mas isso não é verdade. A não ser que tu não use internet, não use celular nem computador, você está no sistema. Quando tu faz uma busca no google, o que aparece ali depende do teu perfil! que o google mantém por máquina e por usuário se tu tiver conta no gmail por exemplo. Whatsapp… também faz parte… até onde vai isso? quantos apps no teu celular tem acesso a suas mensagens de SMS? você sabe? então não adianta apenas não usar o face…. o controle da mídia agora é PERSONALIZADO. O que antes era uma manchete manipuladora igual para todos, agora é uma manchete para CADA LEITOR, a partir da análise do perfil da pessoa, para atingir um determinado objetivo!

  20. Alex disse:

    Quanto tempo até o google analisar suas conversas telefônicas com alguma desculpa tipo “melhorar reconhecimento de voz”? e no fundo usar isso para traçar estratégias para vender seus produtos para ti? um candidato é um produto…. uma política é um produto…

  21. Edi Passos disse:

    Já tive conta no facebook, mas abandonei faz bem uns quatro ou cinco anos. É de se admirar que ainda não tenha acabado, pois naquela época já estava sendo abandonado pelos mais jovens e se transformava rapidamente numa espécie de asilo virtual, onde velhotes frustrados e solitários (na grande maioria descasados e solteirões) se reuniam para “socializar” – leia-se: despejar “nóias” nas cabeças ocas e doentes uns dos outros -!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *