Se não há lugar para uma mídia de esquerda, porque tantos acessos?

stat

Os números daí de cima são a história dos acessos do Tijolaço  este ano, em total de visitas e em visitantes únicos (contagem que só considera um acesso por computador num intervalo de 24 horas), segundo o site Statcounter, que realiza contagem de acessos

Se é possível para uma só pessoa – ou quase, porque tenho o  inestimável auxílio de meu parceiro Miguel do Rosário nos finais de semana – ocupar um espaço destes, sem uma equipe, sem um repórter, um revisor (como faz falta, perdoem os deslizes e os saltos de palavras tão frequentes, pela falta de tempo e pelos vícios de nem reler direito os meus próprios textos), sem ninguém, nem nenhuma estrutura senão um laptop, uma mesa e uma cadeira, faz sentido não termos uma mídia progressista, na internet e fora dela?

Não faz, nem no sentido da liberdade, nem no da pluralidade de ideias e nem mesmo, sequer, do ponto de vista meramente comercial, por que há, inequivocamente, um imenso público para ela.

Mas esbarramos em algo que perversamente nos foi atribuído e que nos sufoca todas as possibilidades de crescer.

Somos os “blogs sujos”, “sustentados” pelo Governo.

Mesmo quando, como acontece com este blog, sobrevive-se das contribuições espontâneas de seus leitores e dos anúncios do Google, que qualquer site pessoal pode veicular, recebendo pelos acessos que o Google diz que você tem – e que são sempre, por isso, avaros – a ideia com que nos taxam é a de que somos favorecidos politicamente.

É claro que nenhuma padaria, mercadinho, empresa de serviços, fábrica vai desejar ficar “sob suspeita” se anunciar neste ou em outro blog semelhante. Se, por acaso, vender algo ou prestar serviços a governos, então, nem se fala.

Ninguém acha que um anúncio da empresa X em qualquer site seja uma cumplicidade entre o anunciante e o site, mas apenas o interesse de divulgar um produto, serviço ou marca.

Aqui, porém, tudo é “favorecimento”. Até uma animação que coloquei, gratuitamente, da campanha contra o consumo de crack – veja se os sites da grande imprensa veiculam algo de graça, inclusive isso-  serviu  para que O Globo dissesse que “conto” com um banner do Governo Federal.

Obvio que fico orgulhoso de ter alcançado esta marca de mais de 10 milhões de acessos totais em um mês, e mais de 5 milhões de visitantes únicos. Sou humano, e como todos tenho lá minhas 100 gramas de vaidade.

O Tijolaço que vocês ajudam a fazer, lendo e participando, chegou a um tamanho em que não pode ser mais produto do voluntarismo – um tanto quanto insano – de uma pessoa e terá de desenhar seus caminhos em 2015.

Mas há algo maior a que todos devemos nos dedicar, se trabalhamos sem vaidades desmedidas e  ambições materiais que não as de sobreviver e cumprir nossos compromissos com o povo brasileiro.

É o surgimento de uma imprensa independente, progressista, diferente de tudo o que está aí e a qual, infelizmente, ainda é nossa única fonte de informação.

Ela tem milhões de leitores em potencial.

Em potencial, porque ela não existe.

Ainda.

Comentários no Facebook