Resposta à Veja: Onde está o Brasil?Acorrentado ao poste, como aquele negro. A corrente é a mídia

vejaconstantino1

 

A revista Veja, uma espécie de toque de Midas ao inverso, que transforma em imundície tudo em que toca,  coloca em sua capa a imagem do menino negro, acorrentado a um poste por um bando de tarados do Flamengo, pergunta “Onde está o Brasil  equilibrado, rico em petróleo, educado e viável que só o Governo enxerga?”.

A Veja merece resposta.

Não para ela, que é muito mais incorrigível que o pequeno delinquente que lhe serve de carniça.

Porque ela, ao contrário dele, tem meios e modos para entender o que é civilização, enquanto ele precisa ocupar o tempo arranjando algum resto de comida para engolir, uma cola de sapateiro para cheirar em lugar do respeitável pó branco das festas da elite, e uma banca de jornal que lhe sirva de colchão de lata ou teto de zinco, se chove ou se faz sol.

A resposta à Veja é necessária para que este império de maldade e seus garbosos centuriões saibam que existe quem não lhe abaixe a cabeça e anuncie que fará tudo, tudo o que puder, enquanto a vida durar, para arrancar o Brasil das correntes com que a fina elite e seus brucutus anabolizados da mídia o amarram no poste do atraso, da submissão, da pobreza e da vil condição de uma sociedade de castas,  onde eles são a nobreza opulenta.

O Brasil, senhores de Veja, é este negrinho.

Está cheio de deformações, de cicatrizes, de desvios de conduta, de desesperança e fatalismo.

Estas marcas, nele, foram você que as fizeram, abandonando-o à sua própria sorte, vendo crescer gerações nas ruas, ignorando-os, desprezando.

Tudo estaria bem se ele estivesse lá, no gueto das favelas, tendo uma existência miserável e conformada. Ou sendo um dos muitos que, por uma força até inexplicável, conseguem se sacrificar, como seus pais se sacrificam, para ter uma pobre escola pública, um trabalho mal-pago, uns bailezinhos funk por lá mesmo,  com as devidas arrochadas da PM, os capitães de mato, negros e pardos como eles, mas a serviço dos “buana”.

Não é isso o que diz um dos “civilizados” aos quais a Veja serve de megafone, como está lá em cima?

A pobreza em que os governos que vocês apoiam, as elites que vocês representam e os interesses a que vocês servem tem, entretanto,  destes efeitos colaterais.

Porque aquele menino, como o Brasil, vê o mundo como vocês mostram, canta as músicas que vocês tocam, pensa o que vocês martelam em sua cabeça, tem os desejos que vocês glamourizam.

É foda, foda é assistir a propaganda e ver/Não dá pra ter aquilo pra você 

E o que tem pra eles, mesmo um pouquinho, vocês combatem furiosamente: uma bolsa-família, um salário mínimo menos pior, uma cota para a universidade…

Populismo, dizem vocês…

Aquele menino e as mazelas de sua vida nunca tiveram de vocês o tratamento do “Rei dos Camarotes”, aquele idiota.

Ou como o “Rei dos Tribunais”, que vocês bajulam porque, politicamente, lhes é interessante explorar seu comportamento para atacar o Governo, embora ele tenha ficado quieto diante desta monstruosidade, quando gosta tanto dos holofotes para outros temas.

Aliás, quanto ele terá contribuído para a visão do “mata e esfola”, do pré-julgamento, do “não tem lei” para quem eu ache bandido?

Vocês não fazem uma matéria sobre os monstros que andam em bando, encapuzados, de porrete na mão, para distribuir bordoadas no “lixo social”, lixo que o seu sistema de poder produz há séculos.

Aqueles que  tentam amenizar um pouco que seja isso é tratado como um primitivo, um arcaico, que não entendeu que só “o mercado” nos salvará.

Ou um “escravo”, como os médicos que aceitaram ir tratar dos negrinhos da periferia ou do interior, onde os coxinhas da Veja não querem ir.

O mercado do qual o menino terá – se tiver – a xêpa.

E ele tem direito a mais, porque ele brotou – feio e torto – desta terra. Não veio de fora para fazer fortuna entre nós e não ser um de nós.

O negrinho está acorrentado, Veja, e acorrentado por quem o domina.

O Brasil também, e também seu Governo que, se não se “comportar” para com os que de fato o dominam, levará mais bordoadas do que já leva, por sua insubmissão.

Acorrentado por uma cadeia mental, a mídia, uma corrente da qual vocês são um dos maiores e mais odiosos elos.

Aquele negrinho não pode ter um destino próprio, apenas o papel que lhe derem, como o Brasil não pode ter seu próprio destino, aquele que convém a vocês e não nos tira do mesmo lugar.

Esta corrente, entretanto, é podre.

Podre, podre de não se poder disfarçar o fedor que exala.

E está se esgarçando, para desespero dos que contam com ela para nos manter atados.

O “Brasil  equilibrado, rico em petróleo, educado e viável”  que vocês dizem que só o Governo enxerga, de uns anos para cá, surgiu diante do povo brasileiro, depois de décadas de fatalismo de “este país é uma merda mesmo” que vocês nos inculcaram, a nós, os negrinhos.

E ele nos atrai com tanta força que não será esta corrente imunda, de elos podres, que o deterá.

Por mais que vocês se arreganhem, como fazem os impérios em decadência, por mais que se comportem, nas bancas, como aqueles facínoras de porrete,  será inútil.

Vocês já não são a única voz, embora muitos ainda os temam e procurem, inutilmente, cair nas suas boas graças com juras de vassalagem ao que vocês representam.

O mundo de vocês é o passado, é o da escravidão, é o da aristocracia que, tão boazinha, até deixa entrar alguns negrinhos na cozinha, desde que se comportem e não façam sujeira.

É o passado, porque o futuro tem uma força tão grande, tão imensa, tão inexorável que, logo, vocês penderão de um poste.

Não, fiquem calmos, não estou sugerindo enforcamentos, como foi o do Mussolini…

Apenas penderão como um elo roto de um poste velho e carcomido, que não tem mais luz , nem serventia.

 

Comentários no Facebook

29 Respostas

  1. Felix disse:

    Bom. Se nem a Mírian Leitão aguenta esse fulano, imagine o que se pode esperar.
    http://revistaforum.com.br/blog/2013/11/miriam-leitao-rodrigo-constantino-e-reinaldo-azevedo-emburrecem-o-pais/

  2. Luciano Mendonça disse:

    Prêmio Barão de Itararé pra você, Fernando B(G)rito, pela voz contra as incompreensões do mundo.
    Numa quadra da História em que o Papa clama pela prevalência da sentimento de humanidade (aleluia!) em detrimento do “sentimento” do “mercado” (dinheiro) essa revista ruma retumbante para o fosso mais abissal da intolerância, do “aparthaid” social.
    Esse ato de selvageria com esse adolescente – um João de Santo Cristo no faroeste urbano do Rio – remete aos tempos em que a Ku Klux Klan mandava no Alabama, Misouri, Mississipi, enfim, em parte dos EEUU.
    Os da “Zóia” não entendem que não estão sós. O tempo deles passou. estão obsoletos. O gueto é a maioria, que não tinha voz nem vez. Agora, os tempos são outros nas ruas, nos aeroportos, nas praias, na internet. Viva o Brasil!

  3. vilasboas disse:

    Obrigada, querido Fernando Brito. Meu coração derreteu-se com o fogo de seu artigo. É a imagem do ANJO VINGADOR com sua espada em chamas, expulsando o demônio: “SAI SATANÁS!”

  4. Allyson disse:

    Muito, muito boa a reflexão. Brito sempre certeiro.

  5. edward disse:

    Tudo isto – como este texto e capa da Veja – faz parte da propaganda política diária, batida e intensa, contra o governo. E pensar que a presidenta foi processada porque apareceu em um pronunciamento oficial, na Tv, com um vestido quase vermelho, tido este fato como propaganda eleitoral.

    É triste ver que hoje usam todos os jornais e revistas, noticiários de televisão, com opiniões sempre com a mesma batida crítica, sites na internet, mensagens orquestradas nas redes sociais para serem compartilhadas. Não há um dia em que não há uma manchete que não fale em “mensalão e mensaleiro”, bordões que fazem parte de um propaganda odiosa e desesperada, buscando derrubar a democracia, isto que se tem que evidenciar – não é só o atual governo, mas acima de tudo os governos eleitos pelo povo – pois, para eles todos, o povo não tem o direito de escolher seus rumos e caminhos.

    As inverdades e os factóides são plantados, diuturnamente, de forma a trazer à população uma imagem destruída e demolida de governos progressistas, que buscam o bem estar de nossa população.

    Temos que buscar a igualdade de todos também na imprensa. E ela, hoje, infelizmente, tem um lado só.

  6. Dilmar Miranda disse:

    Fernando, li emocionado seu texto. Deve ser lido, discutido, analisado e defendido em todos espaços de educação, formal ou informal, deste nosso país; deve ser nosso editorial contra todos os editoriais brucutus dos serviçais midiáticos da casa grande; deve ser exposto como nossa declaração de princípios, escrita em letras luminosas em todas as consciências humanistas deste nosso Brasil.

  7. Mauricio disse:

    So nao concordo que o Rei do Camarote e idiota. Pra mim aquilo e ……… mesmo.

  8. JURIDICO disse:

    Ja notaram como esses fascistas so apelam para o ad hominem… Destestam ser chamados de fascistas e da direita so sabem dizer o que os da esquerda fazem de errado e nem estao ai para as diferencas socias oriendas de um sistema escravocrata… em sintese tem tem programas de governo e so sabem enrolar suas facatruas em factoides cujo pai chefe E GILMAR

  9. Mauricio disse:

    Eu nao tinha reparado, mas voce tem razao. Fhc ja esta ficando com cara de poste.

  10. Arestides Fronza disse:

    Forte. Esse post deveria ser lido pelo Bat Barbosa.

  11. ricardo silveira disse:

    Porreta! Parabéns! A indignação não é para menos.

  12. Antonio Passos disse:

    A situação é gravíssima, graças à leniência do governo com a bandalheira midiática. A classe média está sim ESQUIZOFRÊNICA, como já disse o El País. É inacreditável o que se ouve em ambiente universitário, onde supostamente estão as pessoas mais esclarecidas. A direita está fazendo a cabeça dessa classe média que tem ranço de século dezenove e não precisa de muita coisa para entrar num surto nazi-fascista.

  13. EDD disse:

    Essa não aquela mesma revista que recebeu generosos recursos do Ministro da Educação, Aloizio Mercadante, sem qualquer licitação? Não terá sido esse mesmo veículo incitador do ódio social e racial, fomentador de pogrons, que recebeu auxílio financeiro polpudo do órgão federal responsável por zelar pela educação de nossos jovens?
    Alguém pode acreditar que foi uma iniciativa isolada do Mercadante? A verdade é que tanto FHC como Lula, etc., tiveram suas carreiras alavancadas pela CIA e esses fatos estranhos só podem ser entendidos se trouxermos à memória essa dura realidade. Não significa, a meu ver, que tudo está perdido. Porém significa que temos que estar vigilantes porque a meta final dessa turma é acabar com o mínimo de autenticidade de representação em nossa democracia. É por isso que o Vaccarezza se juntou a outros robôs da rede malsinada para amputar as pernas de nossa democracia introduzindo voto distrital. Em vez de pensar em melhorar nosso sistema representativo com o financiamento público exclusivo de campanhas, o voto proporcional em lista fechada preordenada. E ainda outros avanços como acabar com o voto majoritário para o senado, preenchendo as vagas do senado por indicação dos partidos, levando em conta a proporcionalidade de votos por estados. A grande reforma que nos preparam é para transformar a política nacional num espetáculo de showbiz televisivo, totalmente manipulado pelas elites, onde, ganhe quem ganhar, o controle nunca mudará das mesmas de mãos de rapina.

  14. Benjamin Eurico Malucelli disse:

    Perfeito, Brito! Texto para ser guardado. Parabéns!

  15. Luisa disse:

    Total.

  16. Marcos Rizzatti disse:

    Fernando, parabéns, lindo seu texto, este artigo não é para ser apenas guardado, mas sim exposto e espalhado pelas Redes Sociais e ainda se alguém tiver condições de fazer cartazes gigantes desse texto e espalhar pela ruas mais movimentadas das grandes cidades e a partir dai garanto vai se espalhar pelo Brasil, é preciso URGENTEMENTE fazer parar com essa sanha NAZIFACISTA que esta se disseminando pelos meios de comunicação da grande mídia corporativista, esta mídia esta ficando muito perigosa pois no desespero de não conseguir eleger seus candidatos preferidos, prefere transformar o país num ditadura fascista para perpetuar seus STATUS QUO em detrimento do desenvolvimento do povo.
    Abraços Fernando, continue lutando, não esmoreça, só assim conseguiremos manter a DEMOCRACIA ainda viva neste País.

  17. Geraldo Bresciane disse:

    Parabéns ao Tijolaço e ao Brito. Permito-me um adendo: como acham, os conservadores que torcem pelo caos e pelo não-vai-ter-copa, que, em hipótese, vai ficar o país, caso seus desejos se realizem? Acham que herdarão um Brasil em paz, só porque o PT saiu do poder (toc, toc, toc…)? Pois que esperem sentados! Se não ganharem estas eleições pelo voto e pelo jogo democrático limpo, tornarão, aí sim, o país ingovernável! Se quiserem pagar para ver…

  18. Antonio Mota disse:

    “… estaremos sempre aqui, firmes, empenhados em fazer bom jornalismo na defesa da democracia, da liberdade e do progresso do Brasil”.

    Palavras de Roberto Civita
    Revista VEJA-21/03/2007-pg.9
    Quando ele citou essas palavras, a QUADRILHA dos TRILHOS, o popular TRENSALÃO já atuava em São Paulo pelo menos á 15 anos. Como era corrupção dos Tucanos do PSDB, o Covas, o Serra e o atual ALKIMIJN, a democracia, o profissionalismo, a liberdade e a imparcialidade dos que sempre foram da thurma dos HOMENS SÉRIOS, que vão a missa aos domingos, e se comungam, o TRENSALÃO nunca foi de interesse do jornalismo da Veja, muito menos dos seus “Leitor”, afinal, eram falhas do PSDB, e não do PT.

  19. Fernando disse:

    excelente resposta a esse racismo midiático de….se tivéssemos uma regulamentação de midia essa gente toda perderia o emprego no mínimo por essas bobagens que escrevem e falam!!!

  20. Gil Caldas disse:

    Grato, Fernando Brito.

  21. Geraldo Chaves disse:

    PARABÉNS Fernando!
    De TODOS os textos que leio aqui, mais um que copiei/salvei para responder a alguns emails imbecis que continuam chegando na minha caixa postal…

  22. Marcelo disse:

    Caramba, esse texto me emocionou. Conseguiu fazer um desabafo de tudo que tem de errado no país. Só faltou dizer que o “negrinho” acorrentado ao poste é muito menos nocivo à sociedade do que o Carlinhos Cachoeira, com quem a Veja tem relações muito estreitas. Seguindo o raciocínio bárbaro dessa gente, se um assaltante merece ser acorrentado, a Veja merece ser torturada, empalada e arrastada no asfalto por 200 quilômetros !

  23. Ligia disse:

    Desde “O Ditador” de Chaplin, eu nao tinha ouvido algo mais, ao mesmo tempo, belo e necessario.

  24. Hell Back disse:

    O conservadorismo, através do neoliberalismo, está ressurgindo das cinzas da Segunda Guerra Mundial. Tá aí,seus discípulos que o digam.

  25. ROGER - BELO HORIZONTE disse:

    Fernando Brito, parabens!

    Que inspiração!!!!

  26. Fernando disse:

    Não tenho o mínimo de pena desse rapaz. Quem já foi assaltado, por uns VAGABUNDOS, perdeu bastante dinheiro, apanhou e foi humilhado como aconteceu comigo, que fui assaltado ao sair do shopping por 3 jovens sabe do que estou falando. A partir do momento em que já se tem o discernimento do que está certo e errado, tem que arcar com as consequências. Não, não acho que tenha que fazer trabalhos sociais ou de recuperação, tem que sofrer situações extremas pra aprender da pior maneira que roubar é errado.

  27. tiao disse:

    Cara,que texto maravilhoso!Parabéns!!!

  28. Luiz Carlos P. Oliveira disse:

    A Veja não sabe onde está o Brasil equilibrado e educado? Será que ela não assistiu à votação do golpechment na nossa educadíssima Câmara dos Deputados? Aqueles canalhas que disseram SIM são a cara do Brasil educado. E não precisam sair da redação desta revista podre para identificarem onde estão os brasileiros educados. Basta apenas darem uma olhada nas capas de suas revistas (sic) e saberão onde encontrar equilíbrio.
    O problema dessas revistas podres é que eles pensam que somos imbecis. Imbecis são os que gastam dinheiro para ler esses lixos midiáticos.
    Jamais gastarei um centavo com essa imprensa feita por imbecis e ignorantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *