Razões para adiar anúncio do rombo, como tudo com Temer, são falsas

rombrombnv

Tudo no Governo Temer tem a “cara do dono”: é falso, dissimulado, mentiroso, oportunista.

É assim, também, com o anúncio feito agora à tarde que que o adiamento do anúncio da revisão da meta fiscal deve-se à “avaliação é que é preciso esperar a chegada de mais dados sobre a economia e novas definições, como a negociação sobre o novo Refis, para determinar o cenário de receitas para este ano”, como está no Valor.

Não estão esperando dado algum, já têm o resultado desastroso da arrecadação de julho, já têm prévias de agosto, já sabem que o déficit acumulado em 12 meses passou de R$ 170 bilhões e também todo o cronograma de gastos governamentais até o final do ano. A única certeza que não têm é a da arrecadação extraordinária com a venda das Usinas da Cemig – R$ 11 bilhões -, que tem enormes chances de ser postergada na Justiça.

O que está por trás do atraso é “bode”, como foi o anúncio – que desde o início se apontou aqui como falso – do Imposto de Renda: o valor de R$ 159 bilhões do “rombo” deste ano já “passou” – e pode ser ainda um pouco acima – e algum pequeno contingenciamento de gastos será feito para preservar a imagem de “austeridade” governamental.  As outras medidas do “saco de maldades”, como o congelamento dos aumentos dados (por Temer mesmo) aos servidores mais graduados só contam para a meta do ano que vem, cujo realismo, depois deste remendo de 2017, já não convence ninguém.

O Prisma Fiscal -relatório do Ministério da Fazenda semelhante ao Boletim Focus, do Banco Central, já registrou hoje uma expetativa de déficit de R$ 155 bilhões, com todo o “otimismo” que o mercado tem em relação ao desempenho da economia, que não é puco. Osso deixaria uma “folga”  de apenas R$ 4 bilhões como “margem de segurança” para novas frustrações de receitas.

É muito provável que o corte nas despesas, via contingenciamento, arranje de onde tirar mais uns R$ 5 bilhões, mais ou menos – não esperem rigor, porque o corte de gastos, a partir de certo momento, é na base do “cate as moedas onde der”.

Ou, se depender de Romero Jucá, a meta passará logo a R$ 170 bilhões de déficit, porque é preciso ter uns trocados para distribuir, sobretudo no caso de que uma nova denúncia de Rodrigo Janot venha a conter “fatos novos”.

 

 

Comentários no Facebook

3 Respostas

  1. mz disse:

    é preciso esperar o custo da segunda denúncia de Janot também

  2. Jose disse:

    Em Minas Gerais o funcionalismo recebe o salário em 3 parcelas, a união em dia.
    Falta estabelecer uma limite de corte para pagamento de toda pensão, aposentadoria e salários pagos pela união aos 3 poderes. Tipo R$8.000,00, seria um ótimo valor, fica a sugestão.
    O que não faz sentido é fazer dívida, pagar juros, para pagar salários do nível que paga a união. Uma pensão completamente dispensável e sem sentido é a pensão filha solteira, já que é para cortar auxilio reclusão, aproveita e corta essa também.

  3. James Gressler disse:

    Tudo em temer é falso. Meu oftalmologista diz que não mas acho que meus olhos me
    traem quando veja a mama e insisto que é a fefe das fotos (não todas) não-publicadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *