Problema moral é deixar criança morrer

anjinho

Dois textos, nos jornais de hoje, não podem deixar de ser comparados.

A manchete do Valor. com texto de Ligia Guimarães e Catherine Vieira, informando que, segundo registros do Ministério da Saúde,  consolidados pelo Observatório da Criança e do Adolescente, a taxa de mortalidade infantil voltou a crescer em 2016, primeiro ano de governo golpista.  O número de óbitos evitáveis de crianças entre um e quatro anos, aumentou, tanto em taxa quanto em valores absolutos, após 13 anos em queda.

“A mortalidade pós-neonatal, que é a mais sensível ao desenvolvimento social, está tendo um repique. Algumas dessas causas de morte mostram aumento em 2016 e projeta aumento para anos seguintes também. Algumas são muito associadas à pobreza, por exemplo, as gastrointestinais, que vinham reduzindo fortemente, mas tem repique em 2016.”, diz Fátima Monteiro, que comanda o registro das mortes infantis.

O diagnóstico das causas aparece claramente  quando se olha o valor dos orçamentos voltados para a infância:

Levantamento feito pela Fundação Abrinq aponta que alguns programas tiveram corte nos investimentos em 2016. Um exemplo é o programa Rede Cegonha, voltado à atenção à mãe no pré-natal, parto e nascimento, e o desenvolvimento da criança até os dois primeiros anos de vida. Em 2015, foram gastos no orçamento federal só R$ 21 milhões de R$ 172 milhões previstos; no ano seguinte, o valor liquidado caiu a R$ 18,3 milhões, dos R$ 117 milhões previstos no início daquele ano. No Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), em que o governo federal repassa aos Estados recursos para garantir a alimentação na escola para alunos de todas as fases da educação pública, também encolheu o volume liquidado no Orçamento de R$ 3,7 bilhões para R$ 3,4 bilhões. “Há uma fragilização considerável das políticas sociais voltadas à criança”, diz Denise Maria Cesario, gerente executiva da Fundação Abrinq.

Sem exagero, trata-se de um infanticídio fiscal.

Mas os deputados que votaram, sem piedade, os projetos de congelamento – e redução, em valores reais – dos gastos sociais estão mais preocupados com outras questões, lembra Rainier Bragon , na Folha.

Uma comissão especial da Câmara dos Deputados deve aprovar nos próximos dias um dos projetos mais vergonhosos da atualidade, a chamada Escola Sem Partido. Capitaneado pela bancada religiosa e por toda ordem de conservadores aparentemente saídos de uma fenda ligada à Idade Média, o projeto quer fazer crer que o mundo educacional está infestado de comunistas travestidos de pedagogos, prontos a catequizar uma legião de novos Ches e derrubar o capitalismo.

Para evitar os “comunistas” que antigamente “comiam criancinhas” e que agora, na visão doentia destes imbecis,  parecem estar dispostos a transformar os infantes em gays e lésbicas, preocupa-se em vetar “qualquer ensino relativo a “ideologia de gênero, o termo ‘gênero’ ou ‘orientação sexual’.”

Nem ligam para os “anjinhos” que baixam sepultura, aos milhares.

Anjos não têm sexo, não é?

 

 

 

 


Der WhatsApp Chat ist offline

Comentários no Facebook