Petrobras supera meta e Brasil tem maior produção de petróleo da história

meta-2015-blog

Uma empresa petroleira vale pelo quanto produz, o resto é marola ou tsunami da turma das finanças.

E a Petrobras mostrou, na prática, que tudo o que seus inimigos dizem é muito menor do que ela faz.

Saíram hoje os números da produção de petróleo e gás em seus campos, ao longo de todo o ano de 2015.

É o maior de todos os tempos, “apesar da crise”. E, no petróleo, ponha crise nisso.

Foram  extraídos, na média, 2,128 milhões de barris de petróleo por dia, alta de 4,6% sobre 2014.

Somando a energia equivalente do gás natural produzido pela empresa, o volume total chega a 2,6 milhões de barris diários, 5,5% maior que no ano anterior.

Resultados que a empresa conspguiu apesar de todos os problemas que enfrentou, este ano, mostrando que a Petrobras sobra em matéria de competência operacional.

O pré-sal, que teve média de  767 mil barris por dia – mais de um terço da produção total e 56% mais que em 2014 – vai chegar, em 2016, bem perto de representar metade da produção nacional.

Em dezembro, já vieram de lá 40,1% de todo o petróleo extraído no país: 874 mil barris diários. Somado o gás, 1,09 milhão de barris equivalentes/dia.

Um ano antes, a parcela proveniente do pré-sal era de 27,4% do total.

Há uma importância especial neste dado: o petróleo do pré-sal tem custo em torno de 8 dólares o barril, antes de impostos e royalties. Isso faz dele um fator essencial para que a empresa atravesse a temporada de baixos preços no mercado internacional.

Também é esta quadra desfavorável de preços o que deve fazer com que a empresa modere a velocidade anteriormente prevista para o aumento de produção: enquanto ela durar, será contraproducente gerar excedentes exportáveis – exceto os de compensação de qualidade de óleo, para a adequação ao parque de refino.

Em outros posts, a gente vai analisar o que significam a possibilidade de venda de parte do naco que a Petrobras detém na Brakem e a especulação em torno de uma possível abertura do capital da Transpetro, que voltou ao noticiário.

A chave da questão é atravessar o período de dificuldades – as internas e, sobretudo, as mundiais, sobre as quais ela não tem controle – sem perder o foco em dois pontos essenciais: o controle de nossas jazidas e o formato de empresa múltipla de energia, sem o qual ela perde a efetividade como elemento dinamizador do desenvolvimento nacional.

 

 

Posts relacionados...

Comentários no Facebook

13 Respostas

  1. Pedro disse:

    Torço para que a petrobras cada vez mais bata recordes de produção…
    Na boa os preços dos combustíveis e gás estão muito caros para o povo,o
    nível de salário da maioria é baixo.

  2. titus disse:

    Preço do petróleo: Rússia rompe o monopólio da Wall Street
    A morte do petrodólar
    A venda de petróleo denominado em dólares é essencial para a sustentação do US dólar. Por sua vez, manter a procura por dólares dos bancos centrais do mundo como suas divisas de reservas para respaldar o comércio exterior de países como a China, Japão ou Alemanha é essencial se o dólar dos Estados Unidos tiver de permanecer a principal divisa de reserva do mundo. Esse status de principal divisa de reserva do mundo é um dos dois pilares da hegemonia americana desde o fim da II Guerra Mundial. O segundo pilar é a supremacia militar mundial.
    Guerras dos EUA financiada com dólares dos outros

    Como todos os outros países precisam adquirir dólares para comprar petróleo importado e a maior parte das outras commodities, um país como a Rússia ou a China tipicamente investem o excedente em dólares ganho pelas suas companhias em títulos do governo dos. O único outro grande candidato suficientemente grande, o Euro, desde a crise grega de 2010 é considerado como mais arriscado.

    Esse papel principal do US dólar como reserva, desde Agosto de 1971 quando o dólar desligou-se do lastro ouro, no essencial tem permitido ao governo dos EUA incorrer em défices orçamentais aparentemente infindáveis sem ter de ser preocupar acerca do aumento das taxas de juro, como se tivesse um saque a descoberto permanente em crédito no seu banco.
    http://resistir.info/peak_oil/benchmark_russo_09jan16.html

  3. Sertanejo/PE disse:

    Espero que essa produção, sirva para estabilizar os preços dos combustíveis no Brasil.

  4. Werner disse:

    O problema do preço do combustível na bomba não é de produção do petróleo, mas do refino, no qual o Brasil está muito atrasado, por dois motivos essenciais:
    1- na década perdida não se investiu nada na infraestrutura do país, e ainda, ‘eles’, na privataria, entregaram o máximo (de riquezas e infraestrutura) do que conseguiram entregar. E o fhc ainda acha que tem direito de opinar sobre qualquer coisa. Devia ter o insight do general Figueiredo que pediu para ser esquecido…
    2- quando, na década seguinte, a grande parcela da população, até então excluída do mercado de consumo, alcançou o sonho do meio de transporte/veículo próprio, aumentou exponencialmente o consumo também do combustível, e por isto há a necessidade de continuar importando a (ou de até aumentar o volume de importação da) gasolina refinada – com valor agregado – pois as refinarias novas ainda não são o suficiente.
    Fernando, por favor me corrija se eu estiver errado.

  5. Alisson Souza disse:

    Pagamos gasolina de quatro reais o litro não porque a nossa produção seja pouca, mas porque o Governo colocou para o povo os prejuízos advindos da petralhagem. Em qualquer país sério, o combustível custa barato.

    • Mark disse:

      Alisson, se “em qualquer país sério, o combustível custa barato”, temos que rever nossos conceitos de “país sério”. Preço do litro de gasolina, em dólares, dados de janeiro de 2016: Hong Kong – 1.82; Noruega – 1.61; Mônaco – 1.58; Dinamarca – 1.57; Suécia e Reino Unido – 1.49; Finlândia – 1.47; França – 1.40; Bélgica – 1.39; Alemanha – 1.37; Suíça – 1.35. Pelo seu critério, o país mais sério do mundo deve ser a VENEZUELA, onde a gasolina custa apenas 2 CENTAVOS de dólar o litro…

  6. Rafael disse:

    Fernando Brito esse número é expressivo. Tenho certeza que esse site preza pela coerência. É importante antes de divulgar esse número por esse site atentar para o fato do dito desinvestimento que a Petrobras está praticando. Está previsto US$ 15 bilhões. A venda da Gaspetro foi totalmente irregular, até criminosa. o Sr é um jornalista competente. Vejam bem Murilo Ferreira era da Vale. A Mitsui tem participação na Vale, não sei se não é majoritária a participação acionária. Coincidentemente Murilo Ferreira foi presidir o conselho de administração da Petrobras e providenciou a venda de 49% da Gaspetro por valor inferior ao avaliado. Fernando Brito isso foi criminoso. E estão todos calados. Quem colocou Murilo Ferreira na presidência do conselho de administração da Petrobras? Ele efetuou a venda e saiu do conselho. Está tudo errado. Tem falcatruas ocorrendo. E estão todos calados. Enquanto isso a Petrobras engana com notícia de recorde de produção enquanto ela está se colocando à venda. Isso é privatização da pior forma possível.
    Agora me pergunto como esse Murilo Ferreira vai para o conselho de administração da Petrobras providencia a venda de 49% da Gaspetro e sai fora logo em seguida sendo que o comprador é a Mitsui para quem Murilo Ferreira trabalhava a pouco tempo na Vale. Está tudo errado . As falcatruas continuam. Espero que a população tenha noção do que está ocorrendo na Petrobras.
    Agora a Petrobras anuncia que vai vender parte da Transpetro. Vai sobrar o que da Petrobras??? Daqui um tempo não haverá mais nada.
    Então é importante estarmos cientes que algo muito grave ocorre na Petrobras e não é em função da lava jato. É os lobos que estão na Petrobras vendendo a empresa com o argumento de fazer caixa. Tomara que haja tempo…..

  7. James Gresslrer disse:

    Com toda esta pujança e crescimento no ano do terror, tanto no pré-sal quanto no total, ficou mais fácil para os chacais do psdb ( zé à frente) venderem a PetrobraX deles aos gringos; “”a nice gift to our lovely friends””.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *