A Pátria-mãe que chora e a esperança que nunca vai se esborrachar

equilibrista

O Bêbado e a Equilibrista, dos geniais Aldir Blanc e João Bosco, virou uma espécie de “hino da anistia”, no final da noite escura da ditadura implantada em 1964, que nasceu de ideias velhas e que morreria decrépita alguns anos depois.

Chora, a nossa Pátria mãe gentil, diz a letra, a certa altura, na inesquecível voz de Elis Regina, em seu lamento sem desânimo.

40 anos depois – uma vida inteira para muitos de nós – parece que, de novo, a tarde nos desaba como um viaduto, aquele onde passavam, como Carlitos, os nossos sonhos de sermos um país justo, desenvolvido, presente no mundo como podemos ser e, sobretudo, o país de um povo feliz.

Viramos, porém,  uma jaula de ódios, nela, vamos rugindo e mostrando as garras – claro, os que as têm – sob o comando de domadores togados, que brandem a ordem do chicote e trancafia em jaulas para que obedeçam às suas vontades e “convicções”.

Nesta nova noite do Brasil, já não se tem irreverências mil, e os homens da muito escura viatura andam para lá e para cá, a procura do suspeito da vez, levando um, outro, mais outro, para que os chupem com os dentes que deixam manchas torturadas e os façam delatar, como paus-de-arara 2.0 que a mídia louva e aplaude.

Vivemos o que na juventude aprendemos a detestar naqueles tempos: as “verdades” que não se contestam, a pretensão da vigilância sobre todos, a mentalidade punitiva, aquela que diz que o castigo e a privação de liberdade são o remédio para uma vida de virtudes, que a lei não é ferramenta de direitos, mas o relho da autoridade, o chicote da punição.

Há os que dizem que isso é a moralidade, há os que dizem que isso é o novo, há os que dizem que isso é o caminho de uma nova ordem, admirável e limpa, embora dela só resulte uma nação em escombros.

O Brasil, a nossa pátria mãe gentil, arruinado e selvagem como, infelizmente, já esteve antes na história deste país.

Mas sei, sabemos todos ou só o sentimos,  que uma dor assim pungente não há de ser inutilmente.

E a esperança equilibrista, todo dia tão jovem, tão viçosa, segue na corda bamba, sempre pronta a se esborrachar, com esta turma  a balança-la até que caia.

A nossa mãe gentil – a que é a de todos, a que não morre, a que iremos sempre honrar e respeitar, ainda que dela hoje façam gato e sapato – tem que continuar, meu Brasil.

 

Comentários no Facebook

18 Respostas

  1. Adriana disse:

    Mais um texto para se juntar ao que escreveu para sua filha sobre a caneta, àquele em que conta a noite no hospital com sua mãe, ao que fala do homem deitado em seu carrinho na última noite de verão. Na verdade são muitos, mas esses três, agora quatro, são os meus preferidos.

  2. João Carlos disse:

    Clap, clap, clap.
    De pé

  3. renato arthur disse:

    Quantas pessoas choraram ao ouvir Elis cantar como só ela sabe essa música. Aldir Blanc era médico psiquiatra, essa canção em parceria com João Bosco era um libelo contra a ditadura que a Globo e os golpistas apoiavam. Em um de seus versos, “sonha com a volta do irmão do Henfil”, faz-se referência ao cartunista Henrique de Sousa Filho, o qual na época tinha um irmão, o sociólogo Betinho, em exílio político no exterior, criador da política contra a fome cujo o instituto que tinha seu nome foi fechado agora pelo governo Temer.
    Hoje temos Lula, e a pátria sonha com a volta do nosso eterno presidente. “Uma dor assim pungente, não ha de ser inutilmente, a esperança…. “

  4. Gabriel disse:

    Esse é um verdadeiro patriota. Texto perfeito, em cima de uma música perfeita. Fantástico, mestre!

  5. Helbert Fagundes disse:

    Bom dia,

    não sei o nome que se dá, mas pátria sem sapatos, sem lei, equilibrista, dos esmole e assim se vai pode ser dá o nome que quiser. Mas temos que lembrar que o maior erro é o nosso quando acompanhamos pato e ai o que acontece: Galinha morre afogado, bate panela e assim por diante. Temos que mostra isso ao povo que rico no Brasil não trabalha e só rouba o que é nosso ( ex: conhece alguma empresa do Dória e que seja de tecnologia?), portanto temos que quebrar o umbigo do pobre em adorar rico no Brasil! Só assim vamos dar certo. Outro exemplo foi de Lula em achar que poderia igualar classe, não tem como no mundo e no capitalismo!…

  6. marco disse:

    Pois todos aqueles,que se iludem e se iludiram,antes e agora,enquanto persistirem as CASTAS,serviçais pontas de lanças,das sociedades de classe,onde a classe minoritária,mandou e manda desde tempos imemoiais,vão continuar os anseios daqueles que produzem belas parábolas,ao respeito de liberdades,liberdades vãs,pois nada se obtém com ela,senão quando as maiorias ,de fato,detenham o poder.E vamos continuar a assistir esses lamentos,belos e poéticos,mas que não passam de belas poesias,desprovidas que são,de traçar os caminhos das maiorias,que somente se levantarão quando ouvirem e praticarem também,poesias do tipo,Aprendi a dizer não,ver a morte sem chorar,a morte e o destino ,tudo,estava fora de lugar,e eu venho pra CONCERTAR!

  7. Gerson disse:

    Maravilhoso texto, Fernando Brito!

  8. renato arthur disse:

    A pérola do dia do Temer. Em relação aos meus ministros investigados. “São pessoas da maior competência, prestam um serviço extraordinário”. O que se ajusta perfeitamente a um governo em que o chefe é o Temer, um gatuno comprovado que recebia propina no palácio Jaburu, só que o Janot impede a investigação por isso se cercou com os seus iguais.

  9. Lenita disse:

    Muito emocionante FB :-) Vale chorar ? …

  10. Alexandre Dutra disse:

    Bom dia, que artigo emocionante Brito, não vamos desistir, jamais!

  11. Batista disse:

    Fernando Brito catalizou nesse magistral texto o sentimento de todos os brasileiros que não se conformam e jamais se conformarão com o Brasil colônia, desigual e autocrático e que continuarão lutando sempre contra isso.
    Aplausos e mais aplausos, pois são passos que tecem a força que emergirá para derrotar de vez esse golpismo hereditário, entreguista, mesquinho e burro.

    PS: Basta ignorar esses descerebrados que escalados aqui comparecem para o plantão, visando desviar o foco e assim atrapalhar o Tijolaço, exatamente porque esse lhes incomoda com a informação transmitida que retransmitida sucessivamente será perigosa para eles, que ignorados, perdem o rumo e tornam-se o próprio anti-vírus que os silenciará, antes da extinção definitiva pela ineficiência paralisante do desprezado.

  12. augusto2 disse:

    E nesse processo de concentra$$ão que agora nos impõem de forma violenta e ‘legalizada’ , a elite ainda mais rica,continuará colonizada mentalmente amanhã.. como sempre foi.

  13. Ulan Bator disse:

    FB , perfeito, como sempre , aliás.

    Nada a comentar garoto, dissestes tudo. AVANTE !!!

  14. Nelson disse:

    Aldir Blanc: genial
    João Bosco: genial
    ElisRegina: genial
    Fernando Brito: genial

    E eu citei só esses. Não falei do Darcy Ribeiro, do Paulo Freire, do Milton Santos, do Belchior, do Chico, da …, da …., da…

    E ainda tem gente – volúvel, só pode ser isso – que tem a coragem de dizer que tem vergonha do Brasil.

  15. Itamar Perenha disse:

    A PricewatherhouseCoopers fez uma auditoria gigantesca na Petrobrás. Terminou em 2.010. Em seu relatório final, que não encontrou qualquer irregularidade nos processos internos da empresa, tornou a empresa apta à maior capitalização da História da Humanidade.
    E isso por um governo de trabalhadores para trabalhadores. A afamada Auditoria dos “gringos” não constatou qualquer desvio ou vícios dentro da empresa. Fica a pergunta: não seria conveniente a defesa do Lula trazer essa auditoria a público? Se nem a Price, com toda a sua expertise, conseguiu farejar algo errado porque a presidência da República deveria tê-lo. E aos imbecis fascistoides que perambulam feito criaturas perversas surgidas das sombras nesta página, porque Joel Renó, Henry Philippe Reischstull, a malfadada plataforma reformada pela Marítima de German Efromovich, já exibiam até naufrágio por insuficiencia técnica em manutenção, não significaria o desperdício de vidas para apropriação de granas pelos tucanos já que, segundo Barusco, a rapinagem vinha desde 1998? Canalhas globecilizados não conseguem ver isso. E o juiz já colocou uma data de corte: de 1/1/2003 em diante. Pulhas!

  16. Josew alberto saboia Holanda disse:

    Brilhante, a sua crônica de hoje Fernando Brito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *