Os intocáveis da mídia

B-ZdCy-IIAAfJCh

Um dos problemas de escrever sobre política é nos obrigar, de vez em quando, a afirmar coisas idiotamente óbvias.

Por exemplo, uma corrupção não justifica outra. Se o PSDB é corrupto, isso não justifica, obviamente, defender a corrupção no PT.

Digo isso também porque entendo que há setores interessados em jogar lama sobre toda a política.

Ora, a política é podre no mundo inteiro.

É podre nos EUA, na Europa e na Ásia.

Talvez seja um pouquinho melhor na Suécia, mas demorou alguns milhares de anos para chegar lá, e o país teve que conquistar antes um nível de igualdade e justiça social que está anos-luz do resto do mundo.

Entretanto, mesmo com todos os seus defeitos, a política é o único anteparo que nos salva da barbárie e do caos.

A obra-prima de Costa-Gravas, o filme Z, mostra uma manifestação fascista contra políticos de centro-esquerda da Grécia que não queriam a instalação de uma base de ataque nuclear norte-americana no país.

Os fascistas, tentando impedir um comício pacifista organizado pela esquerda grega, gritavam:

“Políticos, todos corruptos! Políticos, todos corruptos!”

O filme de Gravas, baseado no romance do escritor grego Vassilis Vassilikos, é baseado em fatos reais da história da Grécia.

Um político de esquerda foi assassinado, e o Procurador-Geral da República, mancomunado com um punhado de golpistas, tentava de tudo para manipular a investigação, com objetivo de desqualificar a esquerda e seus representantes.

Tentava-se dar o golpe por dentro da democracia.

Até que, por fim, não foi possível dar o golpe por dentro da democracia, por conta de um juiz de instrução que não aceitou entrar no jogo.

Foram obrigados a apelar para a velha fórmula do golpe militar básico. Com ajuda do governo americano, claro.

Muito parecido com que aconteceu no Brasil, na mesma época, os anos 60.

No Brasil, isso parece não ser o problema. Os juízes entram no jogo alegremente. Aliás, até lideram as armações. Vide o caso dos ex-presidentes do STF, Ayres Brito e Joaquim Barbosa.

Ayres Brito estreiou este fim de semana como colunista do Estadão, detonando a esquerda e louvando o conservadorismo midiático.

Nada como uma sinecura da Globo para mudar a cabeça de um cidadão!

Joaquim Barbosa, após empregar seu filho no programa do Luciano Huck, na Globo, e comprar seu apartamentozinho em Miami (para o qual abriu a Assas JB Corporation, que tem seu apartamento funcional de Brasília como sede), também aderiu à onda global.

Sobretudo, temos uma imprensa alquímica, que consegue a proeza de transformar algumas delações premiadas em verdade, outras em mentira.

Por exemplo, o presidente do DEM, Agripino Maia, foi denunciado por um “delator” por ter recebido mais de R$ 1 milhão em propina.

Mesmo depois disso, aparece no Jornal Nacional fazendo ataques “éticos” ao governo.

Nunca houve um editorial, uma campanha midiática, contra Agripino Maia.

Ele integra o rol dos “intocáveis” da mídia.

O post abaixo, do colega blogueiro Daniel Dantas Lemos, explica melhor o caso.

*

Sinal Fechado: Delações contra Agripino valem menos que contra o PT?

postado por Daniel Dantas, no blog Carta Potiguar.

Abril de 2012. O empresário paulista Alcides Barbosa está preso, em São José do Rio Preto, desde a deflagração da Operação Sinal Fechado em novembro de 2011.

Assistido por advogados pagos pelos demais envolvidos, Alcides percebe que a sua defesa, na verdade, não o defende e seu objetivo é mantê-lo encarcerado para garantir o seu silêncio.

Ciente disso e sabedor de que tem coisas a dizer que implicariam parte considerável da classe política do RN e alguns nomes de São Paulo, Alcides topa fazer um acordo de colaboração premiada com o Ministério Público.

No seu depoimento, confirma algo dito pelo empreiteiro Gilmar da Montana no dia de sua prisão: o líder do esquema, George Olímpio, deu um milhão de reais de propina para o senador José Agripino Maia, presidente nacional do Democratas. E detalha a história: o encontro se deu no apartamento do senador em Natal. O empresário José Bezerra de Araújo Júnior, o Ximbica, emprestou quatro cheques de R$ 250 mil para a transação. O objetivo era tentar garantir a manutenção do negócio de inspeção veicular para o grupo de George no futuro governo Rosalba.

Como o objetivo não foi alcançado e temendo a repercussão do caso, Agripino recebeu George e Alcides em sua casa em Brasília no início de 2010 e devolveu metade dos cheques que ainda não tinham sido descontados. Alcides não sabia se Agripino devolvera os outros quinhentos mil reais.

Pano rápido.

Segundo semestre de 2014. Foi a vez do advogado George Olímpio, apontado como líder do esquema, realizar um acordo de delação premiada com o MP. A partir do seu depoimento, confirmando o que disse Alcides, o Procurador Geral de Justiça ofereceu denúncia contra o presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira de Souza. Os dois disseram, e posteriormente o MP confirmou, que Ezequiel recebeu R$ 300 mil de George para aprovação da lei que autorizava o governo do Estado a contratar o serviço de inspeção veicular obrigatória.

Os depoimentos de George Olímpio também implicaram o senador democrata José Agripino – o MP confirmou em entrevista que remeteu à Procuradoria Geral da República informações acerca do envolvimento de políticos com foro privilegiado. Cabe à PGR investigar e denunciar senadores da República.

Pano rápido.

Operação Lava Jato. Dentre os vários delatores que já fizeram acordo para colaboração premiada com o Ministério Público Federal e a Justiça Federal, Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobras que confessou receber propinas desde 1997, estimou que o PT teria recebido US$ 200 milhões decorrente de propinas das empreiteiras.

Pano rápido.

Diante dos dois fatos citados, é comum vermos duas posturas diferenciadas. Soube de um jornalista potiguar, com programa de grande audiência no rádio, que teria dito sobre as delações contra o PT: “Ninguém vai fazer uma delação premiada e mentir. Aí tem coisa”. Aí, diante das denúncias contra Agripino e Ezequiel, o mesmo personagem afirmou que “são apenas depoimentos. Não há nenhuma prova e os dois têm uma vida limpa”.

Qual motivo existe para que, na opinião não apenas desse jornalista, o depoimento de Pedro Barusco sobre o PT ter poder de verdade, enquanto as falas de George e Alcides sobre Agripino serem considerados apenas depoimentos sem prova? Como ele poderia explicar isso – se é que poderia?

Há outro depoimento sob delação premiada na Operação Sinal Fechado. Trata-se de Marcus Vinicius Furtado da Cunha, que foi procurador do Detran. Comenta-se que tanto Marcus como George haviam gravado encontros e guardado documentos com os fins de se protegerem. Esse material, se existente, foi repassado ao Ministério Público no âmbito da delação de ambos.

As barbas de Agripino e de seus defensores deveriam ficar de molho.

Posts relacionados...

Comentários no Facebook

24 Respostas

  1. marco disse:

    antes de tudo esclareça, DD???

  2. Carlos Alberto Gasparini disse:

    Miguel fiz um comentário elogiando o Brizola e criticando o PT no post deste blog chamado ¨Mídia vai esconder o Suissalão como fez com o Banestado?. Fui censurado num evidente desrespeito à liberdade de expressão. Enfrentar o inimigo no campo dele é o caminho mais rápido para o insucesso. Bye bye Miguel você perdeu um leitor e admirador.

  3. Alício disse:

    A bicharada tomou conta do país:tucanos, veados, etc.

  4. Jandyra Abranches disse:

    Considerando a inimputabilidade a eles concedida, não sendo menores de 18 anos, devemos entender que esses tais estão enquadrados nos seguintes casos: sofrem de doença mental crônica ou transitória); têm desenvolvimento incompleto ou são oligofrênicos (desenvolvimento retardado) e que, portanto, não podem – NÃO PODEM – ser eleitos para nenhum cargo.

  5. Luciano disse:

    É o conhecido Rabo de Palha Potiguar!

  6. andre disse:

    http://br29.com.br/psdb-movimentou-us-1768-milhoes-em-conta-secreta-no-hsbc-entre-1996-e-2000/
    PSDB movimentou US$ 176,8 milhões em conta secreta no HSBC entre 1996 e 2000
    O HSBC está no centro de um vasto escândalo de fraude fiscal e lavagem de capitais e é objeto de uma investigação penal na Europa toda.
    (Por Portal Metropole)

    Duas grandes roubalheiras que comprometeram o progresso e o desenvolvimento do povo paranaense para favorecer políticos corruptos pode ser desvendado no caso Suiçalão. A quebra do Banestado e a venda do Bamerindus seguiram roteiros parecidos, favorecendo verdadeiras quadrilhas organizadas em torno da política local, estadual e nacional.

    Na verdade, os maiores ladrões do Brasil não estão nas penitenciárias e delegacias, mas soltos, nas colunas sociais.
    O Bamerindus, em 1997, presidido na época por José Eduardo de Andrade Vieira, sofria ataques sistemáticos da mídia e boatos sobre possível inadimplência. Em alguns setores e corredores palacianos dava-se como certa a “quebra do Bamerindus”. Entretanto, a realidade era outra, o banco paranaense tinha 1.241 agências, ativos de mais de 10 bilhões de reais e uma das maiores e rentáveis seguradoras do país.

    O que aconteceu para que o banco fosse entregue de mão beijada ao HSBC? Hoje, finalmente, o livro “Privataria Tucana” revela os bastidores da campanha para tirar o Bamerindus dos paranaenses: o ex-ministro das Comunicações, Sérgio Motta, havia pedido 100 milhões de reais ao banqueiro José Eduardo de Andrade Vieira como doação para a campanha de FHC. O banqueiro disse não, embora colocasse avião com piloto à disposição da campanha e fizesse outras doações em dinheiro.

    Meses depois da campanha o HSBC recebeu dinheiro do governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) – na surdinha – para comprar o Bamerindus: 431,8 milhões de reais do Banco Central foram entregues ao HSBC para reestruturar o Bamerindus e saldar dívidas de reclamações trabalhistas. Além do dinheiro, o Banco Central limpou a parte problemática da carteira imobiliária, repassada para a Caixa Econômica Federal, que por sua vez recebeu 2,5 bilhões do Proer. Ou seja, o Brasil comprou o Bamerindus para o HSBC e o Paraná perdeu um dos maiores bancos do país.
    Banestado
    Com o Banestado o escândalo foi ainda maior. O maior desvio de dinheiro na história do Paraná chega a de 19 bilhões de reais durante o governo Jaime Lerner, com a quebra do Banestado, um dos bancos mais fortes e promissores do país, com 70 anos de trabalho financiando o progresso do nosso Estado. A “quebra” do Banestado foi um processo rápido e serviu para enriquecer quadrilhas organizadas e políticos de dentro e de fora do banco.

    O Banestado foi quebrado numa espécie de “queima de arquivo” para esconder falcatruas e roubalheiras com o dinheiro público. O Doleiro Alberto Youssef preso na Operação Lava Jato nos anos que se seguiram confessou que entregava dinheiro vivo, fruto da roubalheira, ao ex-governador e deputados da sua base de apoio na Assembleia Legislativa do Estado do Paraná.

    Políticos como José Serra (PSDB) e Jorge Bornhausen (DEM) constam de relatórios da Polícia Federal que mostram a existência de ordens de pagamento e registros de movimentações financeiras do esquema de lavagem de US$ 30 bilhões por meio da agência bancárias do Banestado de Foz do Iguaçu (PR).
    Entre 1996 e 2000, a conta do PSDB recebeu US$ 176,8 milhões

    Um dos principais documentos é o dossiê AIJ 000/03, de 11 de abril de 2003, assinado pelo perito criminal da Polícia Federal Renato Rodrigues Barbosa – que chegou ao ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, com um carimbo de “confidencial”. O perito e o delegado José Francisco Castilho Neto identificaram pessoas físicas e jurídicas que estariam usando o esquema de remessa de dinheiro do Brasil para o exterior.
    O dossiê AIJ000/03 traz a indicação de José Serra, o mesmo nome do ex-ministro da Saúde e ex-presidenciável tucano. O AIJ004 aponta apenas S. Motta, que os policiais suspeitam ser o ex-ministro das Comunicações Sérgio Motta, que já morreu. **O dossiê AIJ001 mostra transações financeiras do senador Jorge Konder Bornhausen, então presidente nacional do PFL, hoje DEM, e do seu irmão Paulo Konder Bornhausen. Já o dossiê AIJ002 aponta o nome do empreiteiro Wigberto Tartuce, ex-deputado federal por Brasília.
    No caso de José Serra, há extratos fornecidos pelo banco americano JP Morgan Chase. O nome do ex-ministro, que segundo relatório dos policiais pode ser um homônimo, surge em uma ordem de pagamento internacional de US$ 15.688. O dinheiro teria saído de uma conta denominada “Tucano” e sido transferido para a conta 1050140210, da empresa Rabagi Limited, no Helm Bank de Miami, nos EUA. Serra é apontado como o remetente dos recursos. Isto seria uma indicação de que ele teria poderes para movimentar diretamente a conta Tucano. Entre 1996 e 2000, essa conta recebeu US$ 176,8 milhões, segundo a PF.

  7. fatima maria disse:

    O crápula Jose Agripino sempre foi blindado pelo noticiário.E pensar que esse sujeito queria dar uma bolacha no LULA! O jornalismo no RN é contaminado, com raríssimas exceções.Sempre protegendo a direita coronelista.

  8. João Moura disse:

    Mais uma manifestação ontem contra Beto Richa e a grande mídia continua tentando esconder o caos do governo tucano no Paraná. Veja imagens da manifestação de ontem:
    https://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20150222110614AA3etU9

  9. Ricardo disse:

    Agripino, José Aníbal (trensalão), Rodrigo Garcia (trensalão), José Serra (trensalão, privataria), Aloísio 300.000, CCC (Civitta, Caneta, Cachoeira), Alckmin (trensalão, privataria), FHC (mensalão da reeleição, privataria, proer, …), Arruda (mensalão o demo), Aécio (mensalões mineiros), etc, etc… Todos soltos, como diria Dilma.

  10. Ricardo disse:

    Abc da Impunidade.
    Agripopino, Arruda (mensalão do demo), Aloysio, Alckmin (trensalão, privataria), Aecioporto; Banestado, Bônus de volume da Globo; Cachoeira, Civitta, Caneta e Demóstenes (Organizações Cachoeira); Castelo de Areia; Estadão, Folha e Globo (PIG), José Serra (privataria, trensalão), José Aníbal (trensalão), Mensalão Tucano, Príncipe da Privataria (FHC, o Menem – ou o Fujimore – brasileiro), Proer, Privataria, Rouboanel, Sanguessugas, Sathiagraha, Sonegação Global, Trensalão…

  11. j. andrade disse:

    Não acredito que o rabo de palha tenha feito isso não. Ele é nossa galega do Alecrim.

  12. andre disse:

    http://br29.com.br/ouca-o-que-diz-jornalista-da-folha-sobre-fhc-comprou-a-reeleicao-e-pagava-propina-em-saquinhos/
    Ouça o que diz jornalista da Folha sobre FHC: “Comprou a reeleição e pagava propina em saquinhos”
    RodriguesFHC220215

    As gravações obtidas pela Folha/SP em 1997 envolvem o ministro Sérgio Motta (Comunicações) no esquema de compra de votos de deputados federais a favor da emenda da reeleição. Revelam ainda como o deputado João Maia (PFL-AC) vendeu seu voto. Nas gravações, Maia diz que recebeu R$ 200 mil para votar a favor da emenda que pode permitir a reeleição do presidente Fernando Henrique Cardoso.

    O deputado revela ainda que a barganha pelo voto previa receber R$ 200 mil do governo federal e outros R$ 200 mil do governo do Estado do Acre.

    O dinheiro usado na operação, segundo Maia, foi providenciado pelo governador do Amazonas, Amazonino Mendes (PFL), e pelo ministro Sérgio Motta (PSDB).

    AFolha revelou um esquema de compra de votos de deputados na época da votação da emenda constitucional da reeleição, em janeiro
    passado.

    Participaram do negócio, pelo menos, cinco deputados federais do Acre e dois governadores -tudo isso segundo os deputados João Maia
    e Ronivon Santiago (PFL), este último o que protagonizou as revelações de ontem.

    A história contada por João Maia confirma o conteúdo das fitas com conversas gravadas de Ronivon Santiago sobre a venda de votos a favor da reeleição.

    Os diálogos foram gravados sem que os deputados soubessem. Algumas das conversas gravadas com João Maia são posteriores às de Ronivon
    Santiago.

    Em outras gravações com Santiago também consta a acusação contra o ministro Sérgio Motta.

    Ouça com atenção:

    *** Fernando Rodrigues é o jornalista que atualmente detém a lista de envolvidos no escândalo do HSBC/Suiça e se nega a divulgar os nomes dos envolvidos ***
    Fernando brito, copie este vídeo e põe no blog.
    abraço

  13. Messias Franca de Macedo disse:

    Mais surpresas oriundas da ‘Folha’!

    Da série “Soltos, todos soltos”!

    #################################

    Jornal ‘Folha de São Paulo’

    Editorial: Coincidências suspeitas

    20/02/2015 02h00

    Coincidências acontecem, mas, quando elas se avolumam para além de um determinado nível, convertem-se em suspeitas. E “suspeito” é um adjetivo que se aplica bem ao caso judicial envolvendo o deputado estadual Barros Munhoz (PSDB), ex-presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo.
    Como ocorre com muitos políticos, o tucano viu-se acusado de ter participado de direcionamento de contrato em sua segunda passagem pela Prefeitura de Itapira (SP), de 1997 a 2004. As acusações incluíam desvio de verbas, formação de quadrilha, fraude em licitação e omissão de informações à Promotoria.
    Encaminhado ao Tribunal de Justiça (TJ) –onde são julgados deputados estaduais–, o processo de Barros Munhoz ficou sob os cuidados do desembargador Armando Sérgio Prado de Toledo. A partir de então, como mostrou reportagem desta Folha, sucederam-se fatos pouco usuais.
    Durante mais de três anos, os autos não saíram do escaninho de Toledo. Nenhum ato processual teve lugar –e os crimes foram prescrevendo. Quando o desembargador apresentou seu voto, restava somente a possibilidade de julgar o suposto desvio de verbas.
    Como relator da ação, Toledo manifestou-se contra o recebimento da denúncia, por considerar que a peça não atendia às exigências legais. O revisor, no entanto, e os demais 17 integrantes do Órgão Especial do TJ-SP discordaram dele.
    As anomalias não parariam nesse ponto. Em 2013, Francisco Falcão, então corregedor nacional de Justiça, determinou a apuração dos fatos. O desembargador Ivan Sartori, à época presidente do tribunal, abriu procedimento interno, mas logo arquivou o processo.
    Considerando que as investigações não haviam sido suficientes, Falcão pediu revisão disciplinar no âmbito do Conselho Nacional de Justiça –onde o julgamento sobre o caso também vem sendo adiado.
    Entre os argumentos que Toledo levantou em sua defesa, um chama a atenção. Ele alega que uma servidora falhou ao não alertá-lo sobre a prescrição dos delitos.
    Na hipótese benigna, a Justiça brasileira é apenas muito ruim. Na versão menos generosa, ela não só protege os poderosos mas também exibe corporativismo incompatível com as instituições republicanas.
    Para piorar, o remédio para situações como essa, o CNJ, tampouco parece estar funcionando.

    FONTE, pasme: http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2015/02/1592150-editorial-coincidencias-suspeitas.shtml

  14. Cláudio disse:

    :

    “mesmo com todos os seus defeitos, a política é o único anteparo que nos salva da barbárie e do caos.”

    Difícil acreditar que um cabra (tosco) desses seja ‘intocável’ pela míRdia. Tá faltando é alguém com coragem e respaldo econômico suficientes para levá-lo à barra dos tribunais. E daí para a gaiola (dos ‘amiguinhos’ tucanus).

    **** *************
    **** *************
    ************* ****
    ************* ****

    ************* Abaixo o PIG brasileiro — Partido da Imprensa Golpista no Brasil, na feliz definição do deputado Fernando Ferro; pig que é a míRdia que se acredita dona de mandato divino para governar.

    Lei de Mídias Já!!!! **** … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. **** … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! . . . … … … …

    “O propósito da mídia não é de informar o que acontece, mas sim de moldar a opinião pública de acordo com a vontade do poder corporativo dominante.”. Noam Chomsky.

  15. MacCain disse:

    Muito boa! Tem que trazer isso a luz do dia….alías se o Arruda falasse muito Agripino, José Jorge, Bornhausen da vida colocariam a barba de molho

  16. El Cid disse:

    Aproveitando a deixa, Fernando: a corrupção é somente com os políticos?

    Assista e reflita:

    https://vimeo.com/120325694

  17. Messias Franca de Macedo disse:

    Coordenador de campanha de Aécio é acusado de receber 1 milhão de propina

    Postado em 22 de fevereiro de 2015 às 11:09 pm

    O senador Agripino Maia (DEM-RN), coordenador da campanha de Aécio em 2014, foi acusado de receber 1 milhão de propina para lutar pela criação de uma lei que tornasse obrigatória a inspeção veicular no Rio Grande do Norte.

    Quem o acusa, no esquema de delação premiada, é o empresário George Olímpio, que seria o maior beneficiário da obrigatoriedade da inspeção.

    O Fantástico deu uma matéria sobre o tema, neste domingo. Nela, omitiu que Agripino coordenou a campanha de Aécio.

    (…)

    FONTE: http://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/coordenador-de-campanha-de-aecio-e-acusado-de-receber-1-milhao-de-propina/

  18. Tomás disse:

    Neste caso da delação sobre o Detran do RN, É claro que o filé mignon da notícia é a denúncia de que Agripino Maia teria recebido um milhão de reais em propina do esquema criminoso. Mas o que fez a Globo para distorcer toda a notícia e ainda aproveitar para fazer dentro dela uma disfarçada defesa de Agripino? Agripino tem muito valor para a Globo, é preciso defendê-lo a todo custo, ainda mais agora, depois da desgraça do seu par na defesa da ética Demóstenes Torres e do desaparecimento preventivo do outro bastião da ética oposicionista, Álvaro Dias. Agripino é sem dúvida o líder da suposta defesa da política honesta e também o principal líder do ataque sistemático e constante ao Partido dos Trabalhadores.
    O que fez então a Globo, no seu “Fantástico” do G1? Embrulhou o filé mignon da notícia e o escondeu quase ao fim de um longo texto. Pegou carne de segunda do caso e promoveu-a a filé, dedicando a ela esta manchete: “Empresário diz ter pago propina para aprovar lei no Rio Grande do Norte”. De quebra, a Globo encostou toda a carga pesada da denúncia na ex-governadora Wilma de Faria e, como já está na moda jogar culpa em morto, no falecido ex-governador Iberê, também do PSB.
    Quanto ao Agripino, a Globo fez no meio da notícia um refogado onde o dinheiro aparece como se talvez tivesse sido, se é que aconteceu de ser, para inocente campanha política (com o PT isto é crime de morte!), e não para uso pessoal; a Globo então fez e descreve contato com Agripino pelo telefone, já que ele estava na verdadeira capital social do RN, que é Miami, fazendo suas compras, que ninguém é de ferro. O tom do telefonema é de respeito e amizade, como quem diz: “senador Agripino, imagina o que estão dizendo de você, é verdade que ele foi a seu apartamento? etc. “. Em seguida, volta a falar sobre Wilma, para reavivar o primeiro objeto do artigo. É para deixar de queixo caído! Que artistas! É assim que se blinda um confrade! E os “judiciais”, ah! Vão ter que engolir esse prévio julgamento inocentatório da fantástica “opinião publicada”. Vejam a notícia:
    http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2015/02/empresario-diz-ter-pago-propina-para-aprovar-lei-no-rio-grande-do-norte.html

  19. Gilson disse:

    Agripino Maia ,Demostenes Torres,Jose R. Arruda, ESSE é o ataque cardíaco do DEM,no banco ficam o falastrão Caiado e o tal Cesar Maia.O PIG é o segmento mais corrupto do Brasil,pois é o o protetor da verdadeira bandidagem

  20. valdivino nunes de almeida disse:

    esse balha de gato que vai demora ser resolvido,ninquem pode vir acusar as pessoas sem prova e rede globo arrebenta o governo desse pais ate juntar os cacos pode ser tarde de mais estou achando o pt muito passacivo contra essa corja do PSDB, que nao partedo e uma quadrinha e mito grande , porque niquem fala sobre o bameridus e banespa, fala do rio doce, mensalao mineiro e proibido falar, o helcopio com 450 kl de cocaina com copiloto da assembleia de minas, os perrelas pai e filho e deputados do PSDB, imprensa nao toca no assunto , porque.

  21. José Silviano disse:

    Como sempre, será tudo arquivado por falta de provas. Já os casos envolvendo o PT são condenados mesmo com falta de provas.

  1. 22/02/2015

    […]  Autor: Miguel do Rosário […]

  2. 22/02/2015

    […]   […]

  3. 23/02/2015

    […] Miguel do Rosário, para O Tijolaço […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *