Os homens que mandam no Brasil

mandam

Em sua coluna de hoje, na Folha, Gustavo Patu resume, com perfeição, as duas forças que governam o país, enquanto os governos (primeiro o de Dilma e, agora, o de Temer) estrebucham:

Uma é o consórcio de policiais, procuradores e juízes reunidos em torno da Lava Jato. A outra são os economistas e tecnocratas, do Executivo, da academia e do mercado, empenhados na formulação e defesa das reformas.
A primeira conta com amplo apoio da população e a licença para matar —reputações— ao arrepio das garantias jurídicas dos suspeitos.
O poder da segunda emana da recessão devastadora, ainda por ser vencida.

“Nenhuma delas eleita pelo voto popular”, frisa ele, e eu acrescento que toda a legitimidade de que elas dispõem é o complexo de mídia e uma parcela da inteligência nacional que atira ao lixo séculos de esforço de compreensão dos processos políticos e sociais e, como num destes cultos fanáticos, brada contra o Satã da corrupção, que nos desvia do reino dos céus.

Ou os males do Brasil se reduziram à corrupção – sem dúvida, um deles – e  se anuncia, como fez ontem o Estadão, um “rombo” por ela causado de R$124 bilhões em cinco anos, mais ou menos o que os cofres públicos sangram em apenas três meses para alimentar o rentismo?

Claro que nenhum dos dois tem poder absoluto: Meirelles tem de ceder às distribuições de valores que Temer promove para ter sua maioria fisiológica; Janot precisa conter os seus mastins curitibanos, que pouco ou nada faltam para gritar “anauê”. Mas, no essencial, as maldições se resume em duas palavras malsãs: corrupção e gasto público.

Francamente, nem no tempo em que se atribuía às saúvas de seis patas os males desta terra não se via tanta simplificação, aliás totalmente compatível com o viralatismo intelectual, pois, afinal, exceto uns africanos botocudos, não haveria no mundo raça tão corrupta e pobres tão “inúteis” quanto aqui.

Patu mostra que não lhes basta terem destruído o país, é preciso seguir nesta obra:

De um lado, estabeleceu-se um moto-contínuo de prisões preventivas, delações premiadas e inquéritos que manterá a elite partidária e parcela substantiva da empresarial sob investigação por anos.
De outro, inseriu-se na Constituição dita cidadã um dispositivo draconiano que freia a expansão do gasto federal por até duas décadas; na prática, almeja-se uma redução do peso do Estado no PIB sem precedentes no mundo.

É preciso, portanto, a terra arrasada na política para que o processo de sequestro da política econômica pelos interesses se viabilize, como antes se faria numa ditadura que, nestes tempos, não pode mais acontecer cassando o direito de voto.

É preciso, sim, que o povo possa votar. E imprescindível, porém,  que não tenha em quem votar para mudar.

Comentários no Facebook