O papa papou Joãozinho

beijamao

Jorge Mario Bergoglio, o Papa Francisco, tem, ao contrário de João Dória Junior, noção do que é ser um homem de Estado.

Sabe que não há cabimento que um prefeito municipal, mesmo o de São Paulo, insistir num convite que já tinha sido recusado a um presidente da República, mesmo que este seja Michel Temer.

O Papa, avisem a Dória, é um chefe de Estado. Dória, um recém-chefete político.

Francisco foi indulgente, claro, e tolerou o que viu ser uma marquetagem barata de Dória.

Aliás, relevou até o imbecil tratamento de tu – “tu sabes que son 300 años”, numa referência à descoberta da imagem de Nossa Senhora Aparecida,  que Joãozinho lhe dirigiu.

Só em um momento Bergoglio não resistiu ao asco que, certamente, aquilo lhe provocava.

É a última cena do vídeo exibido pelo UOL, onde nitidamente ele retira a mão no momento em que Dória vai beijá-la.

Apenas compare sua reação ao receber a visita de jovens brasileiros, dar abraços e até brincar, perguntando quem era melhor, Pelé ou Maradona…

João Dória vai desfilando, mundo afora, a sua mediocridade publicitária .Vai correndo mundo com a insignificância que tem, para posar de “estadista” na Europa, no “importantíssimo” evento promovido pelo negociante educacional Gilmar Mendes para seu Instituto de Direito Público.

É um falso crianção, devidamente esticado, passeando com seu jatinho particular, esperando que os bobos, com a ajuda da mídia, achem que ele está gastando do bolso – já que abriu mão do salário de prefeito – a sua vida luxuosa.

Deveria poupar o papa de contracenar, de mau grado, com ele. Fica-lhe melhor a companhia de Soninha Francini, que aceita de passivamente as ordens do chefe, agora ex-chefe, Joãozinho.

Comentários no Facebook