Digitais para entrar na PGR. E para “vazar” da PGR, vem ao caso?

dedaojanot

Lê-se na coluna de Lauro “Erramos” Jardim que a Procuradoria Geral da República vai instalar um “controle biométrico de portaria” para garantir a segurança de Suas Excelências, os procuradores, pela bagatela de R$ 6,2 milhões.

É, mais ou menos, o custo de dez Unidades Básicas de Saúde. Ou de 50 médicos, durante um ano, no “Mais Médicos”.

E não é nada perto do dispêndio do TSE – lembra, aquele do Ministro Toffoli, que disse que não podia ter eleição se tivesse algum corte de verbas? – com a identificação biométrica dos eleitores que, pela amostra do custo de uma simples portaria de prédio onde talvez não chegue a 2 mil o número de dedões a verificar, certamente elevam-se a alguns bilhões para os mais de 100 milhões de eleitores brasileiros.

O TSE, transparente como é, claro, não divulga o valor gasto com a bugiganga. Os dedos de silicone já são uma festa nos relógios de ponto de dedão. Porque não o seriam nas urnas da biometria? Q

ue, na brilhante definição feita em 2014 pelo então presidente do TRE do Rio de Janeiro, Bernardo Garcez,  foram uma brilhante “solução para um problema inexistente“.

Embora incomparáveis com estes bilhões, os R$ 6,2 milhões do Dr. Janot são úteis para revelar ao menos uma coisa: o desprezo de Suas Excelências com a pobreza do Brasil.

Concedem-se vencimentos elevadíssimos, vá lá.

E mais toneladas de penduricalhos, o mais escandaloso deles o auxílio-moradia para quem trabalha na mesma cidade onde vive, tem imóvel próprio ali  e, até, vejam o requinte, de tendo como cônjuge outro membro do MP ou da Magistratura, receber dois “vale-aluguel”, somando quase R$ 10 mil mensais além dos cerca de R$ 30 mil “de fé”.

Agora, diz-se que esta bufunfa é para dar-lhes segurança, ameaçados que estão em razão da Lava Jato.

Por quem? Quando? Onde?

Esta turma vive num mundo irreal, num Brasil  irreal. Virou uma casta, que nada tem a ver com a “patuleia”.

São os fiscais da lei, mas lei para eles não tem a ver com bem comum e direitos do cidadão comum.

Estão muito preocupados com quem entra na PGR, mas não parecem estar nem um pouco preocupados com o que sai dali, na forma de vazamentos criminosos, para alimentar a mídia.

Para os vazamentos, não há identificação biométrica, não há digitais.

Não vem ao caso.

 

Posts relacionados...

Comentários no Facebook

7 Respostas

  1. Re disse:

    Brito, tem certeza que esse trem custa 6 milhões?! Não é possível, isso é um acinte. Na penúria em que estou, desempregada, como de resto a torcida do Corinthians, me deu até mal estar. Não pode colocar um segurança na porta? :) rs

    • L@!r [email protected]+3$ disse:

      Não pode colocar segurança na porta por dois motivos:
      1) O segurança não pertence à elite deles, logo, não seria confiável.
      2) Com o segurança, não daria pra reproduzir o escândalo do tribunal do trabalho do Juíz Lalau (eles podem ficar à vontade já que o povo acha que só tem corrupção na Petrobrás e que eles são os heróis impolutos; ainda mais com a ajuda da imprensa cínica, corrupta, demagógica e mercenária que os ajuda)

  2. Daniel disse:

    Correção, Fernando… Os juízes brasileiros SEMPRE foram uma “realeza” dentro do país

  3. Fabio disse:

    O MP nesse país é um cancer em metastase, é o verdadeiro centro de corrupção do Brasil.

  4. Marcelo Teixeira disse:

    Fernando Brito
    Se fosse para ser uma coisa séria acho que para assistir depoimentos de investigados e para ter acesso aos dados colhidos, em todo e qualquer órgão, todos, incluídos os Procuradores, assistentes, secretárias, Policiais, Juízes, Advogados e Japoneses, deveriam registrar suas patinhas no sistema Biométrico.

  5. Dinio disse:

    É o preço pago por uma população em que 50 % é ANALFABETA POLÍTICA e tem como formadores de opinião os vira-latas do PIG. Então quando votaram para dar poder de polícia ao MP, estes retardados políticos festejaram, que …”agora sim teríamos moralidade na coisa público, porque os doutos Drs. cuidariam de fiscalizar …” então agora, toda a população brasileira paga as contas de uma casta política/jurídica, que tem torcicolo crônico de tanto olhar o próprio umbigo, enquanto o resto…sifu!

  6. revenger disse:

    O magistrado é a última herança de um sistema monarquista. Apesar de ter concurso pra ingressar, depois que se entra é batata, não sai nem por crime cometido, vide caso do juíz Lalau que preso, continuou ganhando os mesmos vencimentos da ativa!

    Não são eleitos e nas mãos deles está a vida de milhares de pessoas.

    Despacham dentro de “côrtes” e usam aqueles trajes medievais. Não é à toa que, nas camadas inferiores da população, esses profissionais causem mais medo do que confiança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *