O jogo começa a virar

A farsa do mensalão está fazendo água, apavorando a mídia com a possibilidade de uma histórica e talvez definitiva derrota política.

Ela perdeu várias batalhas recentes na opinião pública, mas até o momento tinha orgulho de manter ao menos um grande trunfo: o mensalão é visto pela maioria dos brasileiros como um sujo escândalo de corrupção, que merece terminar em duras condenações.

Esse é um tipo de manipulação relativamente fácil de fazer, desde que se não tenha escrúpulos em manipular a tendência natural da população de achar que “todo político é corrupto” e que todos, portanto, são culpados, até prova em contrário.

A mídia explorou também o preconceito de classe das elites dirigentes e dos estamentos superiores contra o PT. Estamento é um termo sociológico muito usado por Raymundo Faoro para designar a elite do serviço público. Aliás, não consigo esquecer o fato de Roberto Gurgel, então procurador-geral da República, ter iniciado a sua acusação lembrando a justa denúncia de Faoro contra o histórico patrimonialismo brasileiro. Mas Gurgel inverteu a teoria de Faoro. Em seu clássico Os Donos do Poder, Faoro explica como o advento da república e a institucionalização progressiva das atividades públicas fez emergir uma nova elite: os estamentos, ou seja, a burocracia. Era o coronelismo político que tentava manter seu prestígio e poder mediante a ocupação dos cargos públicos. O patrimonialismo mais nocivo, portanto, era aquele praticado pelos servidores, em especial aqueles não filtrados pelo voto. Juízes, promotores, auditores, militares, passavam a usar seu poder, que deveria ser republicano, em prol das elites. Faoro prevê a radicalização desse tipo de patrimonialismo, e com isso, previu, de certa maneira, o golpe militar de 64, que nada mais foi que um golpe patrimonial de servidores públicos, liderados por militares. O engajamento ideológico, quase histérico, de Gurgel – e antes dele, de Antônio Fernando de Souza – no esforço para condenar, mesmo sem provas, os réus da Ação Penal 470, inscreve-se, portanto, na tradição patrimonial brasileira de usar um cargo público em tese não-político, para defender uma posição ideológica e política que interessa a determinados grupos de poder.

Por isso a mídia apostou tão alto contra os embargos infringentes. Ela já intuía que o jogo estava virando. As críticas à Ação Penal 470 emergem de todo o lado, e não apenas de setores identificados ideologicamente com o PT.

Semana passada, li uma nota dizendo que Ricardo Lewandowski, na quarta-feira à noite, após o voto de Celso de Mello, foi recebido com uma salva de palmas num restaurante em Brasília. Ele mesmo admitiu que estava estupefato, porque, até então, só apanhava.

A entrevista de Ives Gandra publicada hoje na Folha (e já comentada aqui), por sua vez, cai como uma bomba atômica no colo da grande mídia, porque Gandra é um ícone, um semideus, do conservadorismo e do antipetismo, em matéria penal, constitucional ou jurídica. Gandra é um clássico.

Vejam o título da entrevista de Gandra à Folha, publicada hoje com destaque:

ScreenHunter_2587 Sep. 22 10.57

Isso é um escândalo!

Um escândalo ainda maior que o mensalão em si, porque se o mesmo correspondeu a um grave crime de caixa 2, a Ação Penal 470, ao condenar, sem provas, uma das maiores lideranças da resistência democrática, integrou uma tentativa de golpe político. Com apoio, engajado ou pusilânime, de boa parte dos ministros do STF!

Conforme publicamos aqui, respeitado constitucionalista e agora membro do Conselho do Ministério Público, o Dr. Luiz Moreira, vai bem mais longe e acusa duramente a Ação Penal 470 de ser uma “peça de ficção”.

A sociedade brasileira está começando a reagir, portanto, com dureza, a mais essa tentativa espúria de setores da elite, aos quais seria um elogio chamar de “conservadores”, visto que eles se mostraram abaixo do conservadorismo, de atropelar o Estado Democrático de Direito para derrotar seus adversários  políticos.

Alguns jornais, como a Folha, já identificaram esse movimento de virada e estão tentando se descolar do golpismo exagerado da Globo.

A Folha de hoje dá várias matérias que podem ser consideradas “meia-culpas”. Além da entrevista com Ives Gandra, há um artigo de Fabio Wanderley Reis, no qual o cientista político de 75 anos, doutor por Harvard, faz uma denúncia gravíssima. Segundo ele, “o velho viés da Justiça respalda a hipótese de lhe ser mais fácil julgar severamente um partido com o perfil do PT do que outros”. E arremata: “Se a severidade, que alguns temem ter sido comprometida pelos embargos infringentes, vier a resultar em que se transformem em jurisprudência efetiva os padrões rigorosos exibidos até agora, teremos avançado por linhas tortas”.

Ou seja, com sua linguagem acadêmica, Reis também denuncia severamente a manipulação da Justiça em detrimento de alguns partidos.

E não termina aí. A Ombudsman da Folha, Suzana Singer, tenta descolar o jornal do clima de derrotismo sombrio no qual mergulharam a maioria dos grandes jornais. Singer apela, contudo, para uma falsa simetria e termina com um orientalismo de R$ 1,99 ao afirmar que a verdade está “em algum lugar no meio do caminho”.

Nem sempre, Suzana.

Salomão ensinava que fazer justiça não é cortar o bebê pela metade.

Comentários no Facebook

40 Respostas

  1. luka disse:

    Está apavorando a mídia, mas não só. A falsa pizza caiu na boca do povo. Juntou-se a convicção do povo de que todo politico é corrupto com o trabalho da imprensa para consolidar este pensamento. O que me preocupa não é o que a imprensa pensa mas o que começa a se espalhar pelo popular que antes se concentrava nos coxinhas.

  2. renato disse:

    Ufa, como é dificil vencer o poder dos ridos e brancos neste país…
    Isto abre uma enorme brecha para Dirceu levar a outros tribunais
    sua apelação.
    Eu votei em Lula, que chamou Dirceu que foi julgado, então eu
    sou culpado….quero munha prisão, nem sei porque, mas quero.

  3. Jose Saguy disse:

    Esses renomados juristas, quiseram dizer que as coisas estão invertidas, ou seja: A banana é que está comendo o macaco!

  4. Dudu Cartucho disse:

    Gandra na Falha.
    JP Cunha deu uma aula de coragem no Estragão.
    Os ventos estão mudando.
    ‘ a história vai cobrar caro ( a papagaiada ) do stf’ JP Cunha.

  5. Orlando Bernardes disse:

    O que está acontecendo é que já que viram que não conseguiram pegar o Dirceu e o PT, vamos agora acabar com esta estória de ” domínio do fato “, pois sendo assim, como vamos livrar nossos clientes tucanos, quando estes vierem a ser julgados? O ” domínio do fato ” era só para pegar o PT, mas não serve para os tucanos. Por que este Sr. Ives Gandra não discordou desta ” tese com turbante de Carmem Miranda ” ( royalties para o PHA ), antes???? Só agora???? ahahahahh

    • airton disse:

      Orlando, essa é a questão. Agora que o “mensalão” já deu o que tinha que dar, estão já partindo para o amaciamento do mensalão mineiro que, evidentemente, da forma que está indo, não vai dar um minuto de Jornal nacional.

  6. Pedro disse:

    Não estou pensando em vingança. Não estou mesmo, mesmo porque nem isso “eles” merecem, mas que o título da matéria, na Folha, “Dirceu foi condenado sem provas”, faz a gente pensar em como a justiça, que não pode condenar sem provas, terá que tratar a turma que condenou, sem provas, é sempre bom que se repita, Dirceu e os outros. Ignorância das leis, ou crime?

  7. Pedro disse:

    Se o Dirceu não é criminoso, difícil é não considerar que os que o condenaram não sejam.

    • Abel disse:

      Criminoso é querer manipular a população do país contra um governo eleito, como “O Globo” fez antes, durante, e depois de 1964. Deveriam ser duramente punidos como traidores da pátria e vendidos que são.

  8. Pedro disse:

    A entrevista do Gandra iniciou uma outra história. Este domingo será lembrado como uma derrota da classe dominante, esta que pensa que o mundo está a seu serviço, que é como pensa um sociólogo bem conhecido, que chegou até, com a vontade manipulada do povo, a ser presidente.

  9. Geni de Sousa Oliveira disse:

    Sou Mineiro e em 2014 quero votar em ZÉ DIRCEU em MG. Pois ele é mineiro.

  10. Paulo Paiva disse:

    Você tem razão Marcio, para alívio do FHC, Alckmin, Serra, Aécio & Cia (lista de furnas, privataria tucana, Metrô de S. Paulo)…. os maiores canalhas deste país

  11. guto disse:

    DILMA TEM QUE PARAR DE QUERER IGUALAR OS DESIGUAIS,ISSO É BURRICE,E FAVORECE GOLPE E A OPOSIÇAO REAÇA,ESSA TURMA DE JUIZES,AUDITORES,PROCURADORES ETC..DA CUPULA TEM QUE RECEBER SUBSIDIOS RELEVANTE.DILMA ACORDA DESSA INGENUIDADE.NAO É A TOA QUE ESSAS CARREIRAS DE ESTADOS SAO BAJULADAS PELA OPOSIÇAO.

  12. Maria Olimpia disse:

    Não há mentira que sempre dure! Excelente texto! Reverter este quadro o quanto antes é fundamental, para o bem do próprio país! O “mentirão” está sendo desmontado todos os dias!

  13. luiza valdorf disse:

    Tapei o nariz e abri a Folha, depois de ler o site conversaafiada do PHA. Lá li a matéria do cientista Fábio Wanderley Reis, da coluna da ombusdiman do jornal e a maravilhosa entrevista do Yves Granda Martins. Realmente os ventos começam a inflar as velas das caravelas progressistas. Lembrem os pessimistas que, além da nova composição do STF, da repercussão bombástica do pensamento do respeitável jurista Yves Granda que certamente terá no ambiente da justiça brasileira, os processos contra os demotucanalhas estão aí para serem julgados. Agora temos um profissional decente na Procuradoria Geral da República e não mais aquela excrecência chamada Gurgel. Em 2014, estaremos colhendo mais uma vitória nas urnas, para felicidade do Brasil e de seu maravilhoso povo.

  14. Abel disse:

    Tem gente aí em cima, do Faceburro, citando a musa inspiradora do Instituto Millenium, Ayn Rand. Dessa turma, obviamente, não se pode esperar que citem Gramsci – ou mesmo o nosso Darcy Ribeiro. É a turma do “estado mínimo”, aquele que diz que ao Estado só deve competir basicamente o exercício da segurança – contra a canalha que tentar se revoltar contra seus patrões, naturalmente. Saúde? Educação? Tudo tem que ser privado, pois o Estado, segundo a dona Ayn Rand, não tem competência para nada disso. Haja…

  15. adilson matos disse:

    Diante de todos esses acontecimentos relatados na excelente matéria me chama atenção alguns pontos tais como o poder do estamento, a questão ideológica da mídia e uma possível reviravolta da ética sobre o despotismo. Todavia fico a pensar sobre a repercussão desses fatos sobre a percepção politica de alguns brasileiros desprovidos de tempo, e de insuficiência de aportes teóricos para pensar criticamente tal situação … pra não falar de outros “contratempos”

  16. airton disse:

    O ministro Celso de Melo, com Barbosa e outros, era endeusado pela midia (e pelos idiotas que acreditam na Globo) até o momento que, demonstrando todo seu conhecimento da lei e justiça, deu seu voto a favor dos Embargos. A partir dai passou a ser satanizado. Essa oposição e pequenininha mesmo!

  17. Thelma Oliveira disse:

    Achei esse artigo interessante e ajudou a compreender mais sobre a atitude de agora
    dos conservadores.
    http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2013/09/23/gandra-defendeu-a-globo-a-folha/

  18. Jorge Graciano disse:

    Com a exeção de alguns blogueios abnegados que se esgoelavam contra a ação 470 e alguns juristas,a classe jurídica em geral se omitiu em relaçào ao dito mensalào.Omissào causada pelo medo em funçào do poder,pricipalmente midiático, dos que estavam por trás do golpe.Quando o golpe fez água pela legalidade do ministro Lewandowski e pelo voto garantista do ministro Celso Melo começarm a aparecer as discordâncias,tipo,vou abandonar o navio que ele está afundando.Na verdade ficou evidenciado o ódio nutrido por parte abastadada da população contra o governo petista.Isso não é conservadorismo é pior,é rancor,é preconceito social,tão nefasto como o racismo.A sociedade mais uma vez se mostou manipulada consciente,consciente pelo modismo anti PT.Não querem enxergar a evoluçào do país nesses últimos anos.Também pudera a mídia nào deixa.

  19. NUNO PORTO DE SANTOS disse:

    O ministro presidente afigura-se, cada vez mais, como um “Mussum de toga”. ele pode até ser culto, mas, de judicatura entende MUITO pouco. Além de parcial, é pusilânime…
    Mas, o que me preocupa, e atentem para isso, é que, naquele STF existem 5 juizes que decidem contra a SUA lei, o Regimento Interno. Pode?

  20. swamy santos disse:

    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=tq15GeVliVI#t=170

    Vídeo esclarecedor. São apenas 27 minutos de VERDADE sobre o Mentirão.

  21. Paulo César disse:

    Então, se um Ministro da Justiça, pago com dinheiro público, cria fatos em beneficiamento de uma classe e causando prejuízo a um cidadão (qualquer um) brasileiro, cerceando a defesa, prejudicando o contraditório e analisando com excesso de rigor por absoluta falta de provas, em tese, está cometendo um crime contra a própria Constituição, a que deveria está defendendo com vigor, então deve ser investigado, processado, e se for o caso, condenado e expulso da Corte, para que fique de exemplo a seus pares, e para o futuro do BRASIL.

    • É isso, Paulo César, os ministros do stf (todos os que condenaram sem provas) têm que ser todos cassados e processados, as penas revogadas e outro julgamento realizado, para que a JUSTIÇA se faça, mas isso ainda é só um delírio dos que sonham um dia derrotar a míidia gorda e a elite bandidas deste nosso Brasil!

  22. Político sério e competente,Cid Gomes,é maior do que seu patido PSB,que está mais para PS(d)B,Cid é político de respeito e está fazendo um grande gesto!

  23. o Dudu traíra capriles vai se arrepender amargamente das jogadas que tá fazendo.

  24. Parabéns, Fernando Brito! O Brasil é e tem que ser maior do que esses que rastejam na eterna subserviência!

  25. Jr Netto disse:

    ” disposição brasileira de assumir um papel de destaque e questionamento da ordem internacional”

    Cortando 30% do orçamento do Itamaraty?

    O discurso da presidenta é prova da política externa errática de seu governo, que marca um ponto de inflexão na política externa de prestígio e assertividade do governo Lula. O governo Dilma se caracteriza pelo desprestígio do Itamaraty, apesar de todo o trabalho realizado por esse ministério(eleições para a FAO, OMC, por exemplo)e dos diplomatas, como se pôde perceber pela quebra da hierarquia no episódio do senador boliviano.

    O ex-ministro Patriota foi vítima da pouca importância que o governo Dilma confere, até o momento, à política externa brasileira, vamos torcer para que o novo ministro consiga corrigir essa situação.

  26. A hipocrisia de alguns políticos transcende. Esta jovem quando este à frente do Ministério do Meio Ambiente no governo Lula, os projetos não andavam. Chegou ao ponto do presidente Lula demiti-la por incapacidade de administrar aquele ministério.

  27. Perfeito. Nada a acrescentar.

  28. o Dudu traíra capriles vai se arrepender amargamente das jogadas que tá fazendo.

  29. Marcus Belo disse:

    Quem QUER ser lagartixa nunca chegará a jacaré.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *