O Globo diz que sapos e rãs são “répteis”. E faz “jornalismo científico”…

jacafrog

É impressionante como o zika vírus virou  um processo de terror carnavalesco, em lugar de ser tratado como um problema sério de saúde pública.

Palpites de todo o lado e uma absoluta ignorância de que procedimentos médico-biológicos têm padrões que não se resolvem em cima da perna.

Faz-se um auê sobre se uma eventual vacina vai ser testada em 18 meses e se isso é pouco ou é muito tempo . Ora, isso é só uma especulação, com base nos tempos-padrão de experimentos vacinais, que não são brincadeiras de “Professor Pardal”.

Já andou ocorrendo o mesmo com um suposto medicamento que “curaria” o câncer e que querem forçar a liberação sem que haja conclusões científicas sobre o assunto.

Vale publicar qualquer tolice “pitoresca”.

Daí a gente vê surgir barbaridades feito a de O Globo de hoje (posto o link aqui, na esperança de que já tenham corrigido) que coloca sapos e rãs na classe dos répteis, que é onde “moram” cobras, tartarugas, jacarés e lagartos.

Os pobres anfíbios são objeto de uma bobagem que vem do lixo despejado pelas agências de notícias sobre o fato de estarem sendo vendidos a peso de ouro  para combater o mosquito.

Sapos de estimação são tão eficientes contra o mosquito quanto uma simpatia qualquer, é óbvio.

É assim que o jornalismo vai pro brejo.

Comentários no Facebook