O Bloco da Bufunfa não vai brincar no carnaval. Entenda

bamba

Na segunda feira, quando ainda durante o pregão da Bolsa, aqui se chamou a atenção para o fato de que o “céu de brigadeiro” no qual parecia voar o mercado de capitais tinha se enevoado, houve gente que achou exagero e um dos comentarista que só vêm aqui para xingar disse que eu seria uma “tia fofoqueira”, porque em um instante tudo ia voltar ao normal.

Evidente que subir e descer é parte da natureza do mercado de ações e não é porque subiram que vão subir mais, nem porque a queda deverá ser seguida por queda maior, ao contrário. Descolado como está o mercado de ações do valor patrimonial das empresas – e  portanto, em grau expressivo, de seu desempenho econômico, nem mesmo seus resultados, senão em momentos esporádicos, passam a ser necessariamente a tendência de bolsa.

Mas nos momentos de terremoto nas bolsas, a lógica muda. As quedas fortes vão acionando, sucessivamente os “stop-loss”, patamares de cotação em que detonam a ordem de vender para “limitar prejuízos” e, vendendo, acentuam a queda. Como essa turma não é boba, em geral já tem, para aquela ou outra ação uma ordem de compra preparada para adquirir barato, já perto do que acham será o “fundo do poço”, porque mesmo pequenos “respiros de alta” podem compensar os prejuízos que fixaram como toleráveis.

Mas este é o mundo dos operadores e dos “analistas técnicos” – que é uma turma que vive usando as descobertas de um matemático do século 12, Leonardo Fibonacci, para fixar, a partir de  sequências variáveis, os pontos de reversão das curvas. São como aquele matemático que previa os números com maiores e menores possibilidades de saírem na Loto, lembram?

Não é o mesmo mundo dos investidores, os grandes, que são fundos, bancos e tesourarias de empresas, Estes miram os ganhos, como aqueles, mas prezam antes a segurança. Não topam perder 10% em uma semana, mesmo que tenham ganho 15% no mês anterior. Passam a mão no dinheiro e vão para onde flutuem menos seus ativos, no que se chama, em “mercadês”, de aversão ao risco.

Isso tem mais significação – embora guarde estreita relação – do que a bolsa ter caído mil ou quinhentos pontos. Em números: os investimentos estrangeiros, mais forte motor de nossa bolsa, zeraram no ano de uma maneira vertiginosa.

Entraram na Bovespa R$ 9 bi de dinheiro externo em janeiro. Nos nove dias de fevereiro, até aqui, saíram outros tantos – senão mais, a ver os números de hoje.

Embora num ativo de curto prazo e liquidez quase imediata, a decisão de entrar ou sair do mercado não é tão veloz e forma, ao contrário das cotações, tendências mais sólidas.

Em determinado momento do dia, hoje,  as perdas da Bolsa de Nova York foram as piores desde o crash de 2008, Adiante, temos uma segunda e terça com gangorra lá e a bolsa fechada aqui.

Definitivamente, em seus camarotes e festanças, o Bloco da Bufunfa passará o Carnaval roendo os dedos.

 

contrib1

Comentários no Facebook

8 Respostas

  1. renato arthur disse:

    Dinheiro aplicado na bolsa em especial da Bovespa você estará nas mãos do mercado da especulação, percebi isto com ações da Petrobras, não tem nada haver com os ativos da empresa e sim com a manipulação, semelhante ao que faz a mídia, no Brasil é a lei do jerson, nesse terreno pantanoso é melhor cair fora

  2. renato arthur disse:

    O mundo ocidental gerido pelo neoliberalismo só levou ao empobrecimento, estamos as vésperas de vermos 2 grandes mudanças, a China se tornar a maior economia mundial, e a mudança da referência monetária com a substituição do dólar como padrão global.

  3. Homem das Borgas disse:

    Grande Fernando, magistral como sempre !!! Quanto às marionetes da direitalha ( que mesmo levando na bunda defendem os ricaços por não poderem viver sem as migalhas que lhes são legadas ) esqueça-os, são tão burros, verdadeiras bestas, que não merecem sequer menção.

    Gostei da alusão ao Fibonacci, tem gente que só conhece o de Prision Break, alguns nem este.

    Por fim, não se pode esquecer que o Lula está fora do páreo definitivamente, graças as artimanhas dos CANALHAS edson fachin e fux, então a parada fica com Ciro, único viável se não quisermos entregar o poder ao consórcio psdb/mdb/dem.

    Allez Legionnaires !!!!

  4. Guilherme disse:

    Fibonacci ou não, o povo toma no Rabacci enquanto está só preocupado com carnaval. Algo tão absurdo que sai até das Bandas de Bollinger. Semana pós-carnaval ameaça de mudança na previdência em pauta…ah, é, é?

  5. José Ricardo Romero disse:

    A especulação com papéis que nada tem a ver com mercadorias e seu real valor no mercado, provoca a acumulação de dinheiro sem lastro, que não vale nada porque não é real, não tem correspondência com produtos e o trabalho que os transforma. Todo fantasma precisa de um lençol para aparecer. O lençol corresponde ao marketing do dinheiro transformado em mercadoria e essa gritaria insana das bolsas de valores. Quando o lençol fica curto se percebe que não há gambitos por baixo dele. Inicia-se então um “terremoto” nas bolsa, crises monetárias, devidamente projetadas pelo 1% com todas as salvaguardas possíveis onde estes nada vão perder e os prejuízos vai se diluir entre muitos, que por sua vez já ganharam bastante, até tudo ser devidamente reajustado e para que possam seguir em frente. Não se iludam, ou o capitalismo acaba com o planeta ou os povos acabam com o capitalismo.

  6. mario disse:

    Jeca Neto. Correto.
    E Não querem a unificação das Coreias

  7. Rodolfo disse:

    Que a prisão de Lula é questão de pouco tempo, quase ninguém duvida. Mas fico pensando o seguinte: supondo que não fosse Lula, mas Aécio na mira, e a decisão de remeter ao plenário fosse tomada, qual seria a análise? Sendo Fachin quem (se acha que) é seria a mesma análise q seria feita? Que Lula é perseguido descaradamente, tenho certeza. Mas há uma outra forma de entender a decisão de Fachin que não seja essa estratégia? O plenário do STF terminar de rever a decisão de prender após condenação em segunda instância não é muito mais importante do que uma “turma” do STF? Se fosse Aécio sendo remetido para uma turma mais favorável a ele, seria o mesmo entendimento ou Fachin seria mais um novo herói de ocasião para a esquerda? E Fachin ter feito isso não pode ser tb uma forma de pressionar a Carmen Lúcia a colocar em pauta ao passar a decisão para ela? Por que só o Reinaldo Azevedo pode ser antipetista de carteirinha e ao mesmo tempo defender Lula contra essa condenação sem provas? Acho que se ganharia muito mais em profundidade de análise se fossem aventadas as diversas possibilidades, mesmo que ao final se opte pela que se ache mais adequada (opinião).

  8. marco disse:

    Pois a única LÓGICA do CAPITAL,seja ele especulativo ou não,é a TAXA MÉDIA DE LUCRO.O resto é ENGANA TROUXA E OS DEDICADOS AO ‘ECONOMÊS “!Que existem para fazer propaganda dos BURGUESES.Muito semelhantes aos JORNALISTAS,publicitários e propagandistas da DITADURA BURGUESA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *