O antagonista e a anta coadjuvante

jaws

Depois que vi o filme Tubarão, do Spielberg, ainda no Cine Brasil, que hoje é uma loja de eletroeletrônicos, passei um bom tempo sem entrar no mar de Imbé.

Esse tipo de filme, que era uma novidade na época, mexia com a nossa imaginação.

Acho que o primeiro longa-metragem do gênero filme-catástrofe foi Aeroporto, de 1970, que tinha no elenco Burt Lancaster e Jacqueline Bisset.

Cinema catástrofe é um gênero cinematográfico que mistura três elementos principais: enredo apocalíptico, apelo melodramático e cenas de ação, de preferência com efeitos especiais que enfatizem o clima de tensão.

A gente torcia pelos protagonistas, como se fossem nossos verdadeiros heróis. A gente odiava os antagonistas, fossem eles: tubarões, incêndios, serpentes gigantes, monstros, piranhas ou um vulcão.

O mais odioso, no entanto, era atitude daqueles personagens secundários que atrapalhavam a ação de combate ao verdadeiro problema.

Esses coadjuvantes, que a partir de agora vamos tratar por “coxinhas”, eram sempre pessoas gananciosas que temiam perder poder, dinheiro e prestígio. Mesmo que a causa fosse algo que pudesse matar a todos. O coxinha sempre reluta em ver o real perigo, pois só consegue ver diante dos olhos os seus próprios interesses.

Com alguma habilidade, eles confundiam a opinião pública, destorciam os fatos e acabavam conseguindo criar uma onda de ódio contra, justamente, quem poderia salvar a todos.

A maior parte do filme ficava nessa tensão.

Em, “O Tubarão”, o policial que tenta alertar a todos do perigo, diz o quanto o inimigo é ardiloso e como se deve fazer para destruí-lo. Ele é chamado de neurótico e chega a ser destituído do cargo.

Grande parte da população fica contra o personagem principal, dizem impropérios, xingam e sentem muita raiva. Até que o tubarão começa a fazer suas vítimas.

Em alguns filmes-catástrofe o protagonista consegue salvar muita gente.

Normalmente, os coxinhas aparecem no final do filme sendo engolidos pelo vulcão ou tubarão ou serpente gigante.
Eles têm olhos arregalados e cara de pavor.

Mas é tarde. Tarde para amar.

Comentários no Facebook