Nossa resposta aos xingamentos

dilma

Se uma coisa de útil pode sair do lamentável episódio dos xingamentos à nossa presidenta da República é a lição que a periferia de São Paulo, através de suas vozes mais respeitadas, estão dando aos grã-finos mal-educados das áreas nobres da cidade.

Primeiro foi Sergio Vaz, poeta querido nas quebradas mais violentas da capital, convidando a presidenta a vir à sua região, que será recebida com beijos e abraços. E agora temos Luiz Caversan, um jornalista experiente e bem sucedido, mas que não esqueceu as lições que aprendeu na zona leste, pedindo desculpas à presidenta pela grosseria de seus conterrâneos da parte rica da cidade.

É uma lição que todo brasileiro, a partir de agora, tem de guardar carinhosamente em seu coração: educação não se aprende apenas na escola.

Educação não é apenas saber quem foi Pedro Álvares Cabral.

Educação é, sobretudo, respeitar outro ser humano. Esta é a educação essencial, a única que, no longo prazo, permite a um povo se desenvolver em paz.

O grupo que xingou a presidenta, os ricaços ancien regime que envergonharam o Brasil diante de bilhões de pessoas, incluindo aí milhões de crianças, mostrou seu mau hálito insuportável.

E a periferia paulistana experimenta agora uma doce e pacífica vingança, a de mostrar ao Brasil uma coisa que muita gente já sabia. Dilma é presidente da república há três anos e meio. Pode-se criticá-la o quanto quiser, mas ela foi eleita pelo povo e, como tal, merece o respeito devido aos milhões de votos que recebeu.

Quem tem mais responsabilidade pelos problemas do Brasil? Dilma, que com 20 anos era torturada por lutar contra a ditadura, ou a elite mal-educada, truculenta, opressora, que implantou uma ditadura para melhor sugar o sangue do povo?

Quem tem mais culpa? A presidente que mais investiu em programas sociais, em infra-estrutura, em mobilidade urbana, em educação e saúde; ou uma elite que sonega impostos, que corrompe os parlamentos, e que financia o que há de pior em nossa política?

A elite paulistana cometeu um erro de proporções bíblicas. Em sua arrogância ilimitada, achou que estava numa festinha privê dos Jardins. Não estava. O mundo inteiro testemunhou o seu espírito mesquinho, antidemocrático, chauvinista, violento.

Agora sabemos com quem estamos lidando. E iremos responder com humildade e respeito, as virtudes que as periferias aprenderam a valorizar, porque são essenciais ao convívio humano.

O “vai tomar no cu” talvez tenha sido o canto do cisne de uma elite inescrupulosa. Botou os pingos nos is. Criou uma polarização política que ainda não estava clara.

A partir de agora sabemos o que fazer:

1) Impor uma lei de herança tão forte como a que existe nos EUA e na Europa, e calar a boca desses mauricinhos babacas.

2) Fazer uma lei de mídia tão severa como a que existe nos EUA e Europa, para quebrar a espinha dorsal de uma mídia que mamou nas tetas da ditadura e que tem um DNA golpista, antidemocrático e ancien regime. Uma mídia que só defende os mauricinhos sem educação da ala VIP do Itaú.

Agora sabemos quem somos e quem vocês são.

Vocês nos mandaram tomar no cu. Não vamos responder com xingamentos.

Vamos te ensinar como se briga de verdade numa democracia.

Vamos responder como a gente, o povo das periferias do mundo, sempre fez quando vocês, da elite truculenta, foram obrigados a aceitar, de má vontade, um regime democrático.

Vamos responder com mais leis a favor dos pobres, mais programas sociais e salários mais altos.

Enquanto vocês falam palavrões, nós educaremos nossos filhos e usaremos a sua falta de educação como referência de um Brasil atrasado, de um Brasil sem respeito, de um Brasil que, através de muita luta, estamos conseguindo deixar para trás.

Comentários no Facebook