Nasce uma nova classe: a lumpenburguesia!

ScreenHunter_5767 May. 10 11.44
(Grupo protesta na chegada de convidados ao casamento do médico Roberto Kalil com Claudia Cozer. – Michel Filho / Agência O Globo)

Um dia alguém tem de escrever contos e romances sobre nossa época!

Fazer filmes e seriados!

Não será a Globo, com certeza, que irá fazê-lo, porque ela será personagem principal.

Eu arrisco aqui alguns conceitos que podem ajudar os futuros intérpretes desses tempos sombrios.

Antigamente, os marxistas falavam em lumpemproletariado, para se referir às franjas mais ignorantes e ociosas da classe trabalhadora, um segmento com tendência a uma anarquia autodestrutiva, e que não ajudava a sua própria classe nas lutas contra a burguesia.

A palavra vem do alemão, Lumpenproletariat, e significa “seção degradada e desprezível do proletariado”, de lump ‘pessoa desprezível’ e lumpen ‘trapo, farrapo’ + proletariat ‘proletariado’.

Também se usava a expressão “lumpesinato”, para se referir aos setores degenerados do campesinato.

Se Marx fosse vivo, e observasse o cenário hoje, poderia inventar o termo (se é que inventou e eu não sei) lumpenburguesia: as franjas degeneradas e desprezíveis da própria burguesia.

Afinal, não são apenas conservadores. São positivamente idiotas.

Aquelas pessoas portando faixas pedindo intervenção militar, em pleno 2015, são representantes desta lumpenburguesia.

Suponho que toda sociedade burguesa deva possuir a sua cota de lumpenburguesia, mas receio que, em alguns momentos históricos, estes setores saiam do controle.

No caso do Brasil, a mistura de analfabetismo político generalizado com uma mídia tão concentrada quanto reacionária, fez com que a lumpenburguesia assumisse a liderança de toda uma classe.

A burguesia, que já foi uma classe revolucionária que depois virou conservadora, mas sempre liderada por um setor culto, hoje é guiada por indivíduos que acreditam na Veja e acham que Lulinha é dono da Friboi. Não é chute. Há pesquisa da USP confirmando esse triste fenômeno.

Por isso as eleições de 2014 foram tão nervosas, porque corremos o risco de sermos governados por esses malucos, que vão às ruas protestar contra a corrupção e depois votam em… Aécio.

A lumpenburguesia nada mais é do que o exército de zumbis formado pela mídia. São aqueles que acreditam em tudo que a Globo divulga, apesar de que hoje já se tornaram tão fanáticos que acham que até mesmo a “Globo é petista”.

Mas a Globo lhes trata com um carinho de mãe, condescendentemente. Sabe que seus exageros advêm do excesso de consumo das drogas midiáticas que ela mesmo, a Vênus, lhes oferece diariamente.

Os professores de São Paulo põem 30 mil pessoas protestando contra o governador. A Globo não dá nada, ou não dá destaque nenhum.

Já uma manifestação de meia dúzia de coxinhas na porta do casamento “do médico de Lula e Dilma” vale uma extensa matéria, cheia de fotos, vídeos e entrevistas com vários representantes.

Uma manifestação bizarra, de franjas mal educadas da burguesia, xingando os convidados, batendo panela.

Trabalhadores fazem protestos o tempo inteiro, Brasil à fora, e não são ouvidos.

Já um punhado de lunáticos de barriga cheia e cérebro vazio, viram capa de jornal.

Como dizia um dos pioneiros do jornalismo americano, Joseph Pulitzer: “Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma.”

*

Reproduzo abaixo a matéria, para registro histórico.

Grupo protesta no casamento do médico de Lula e Dilma, em São Paulo

Cúpula do poder marcou presença na cerimônia em bairro nobre da capital paulista; Dilma e Alckmin sentaram na mesma mesa

POR JULIANNA GRANJEIA, O GLOBO
09/05/2015 21:56 / ATUALIZADO 09/05/2015 22:56

SÃO PAULO — Prestigiado por políticos da cúpula do poder e também da oposição, o casamento do cardiologista Roberto Kalil com a endocrinologista Claudia Cozer, na noite deste sábado, teve protesto e panelaço na entrada de convidados. O ato foi promovido por um grupo de aproximadamente 30 pessoas no Itaim, bairro de classe alta da capital paulista, onde ocorria o casório.

Com uma lista estrelada de padrinhos que incluiu a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), além do senador José Serra (PSDB-SP), a cerimônia contou com a presença de vários integrantes da cúpula petista, como o ministro da Casa Civil Aloizio Mercadante, o ministro da Justiça José Eduardo Cardozo e o presidente do PT, Rui Falcão. Segundo interlocutores, a presidente sentou na mesma mesa que o ex-presidente Lula, o presidente da Câmara Eduardo Cunha, o senador José Serra (PSDB-SP) e o governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB).

Quando Dilma chegou, moradores de prédios no entorno do restaurante onde a festa ocorria reforçaram o barulho da rua, por alguns minutos. O esquema de segurança na entrada impediu que manifestantes se aproximassem do salão ou afetassem a festa para 400 convidados, que vinha sendo preparada há seis meses. O salão do Leopolldo, local do casório, foi palco há uma pouco mais de uma semana de outra união, do empresário Roberto Justus com Ana Paula Siebert.

O presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha chega ao casamento com a esposa. – Michel Filho / Agência O Globo
Na noite deste sábado, grades foram colocadas na rua para organizar a passagem de veículos com convidados. A checagem na lista de presença era realizada carro por carro, ainda distante do salão. A cerimônia começou com uma hora de atraso. Convidados consultados pelo GLOBO relataram que dentro da festa era possível ouvir o barulho do protesto.

O cartorário Adriano Canteli, de 30 anos, saiu do bar onde estava próximo ao local do casamento, para protestar.

— Xinga o Lula “pra” gente (sic*), fala para ele devolver nosso dinheiro — disse ao senador José Serra, quando ele chegou ao casamento.

— Não sei quem é, mas se está aqui não presta. É tudo da mesma laia — gritou uma das manifestantes que vaiava os convidados.

O empresário Eduan Pinheiro, de 34 anos, disse ser membro do movimento “Acorda Brasil”. Ele afirmou ter sido convocado pela rede social para protestar na portaria da festa. Integrantes do grupo “Vem pra rua” estenderam quatro faixas em protesto.

A hoteleira Selene Salomão, 49 anos, levava um cartaz contra “o apoio do governo brasileiro ao venezuelano Nicolás Maduro”, e dizia ter sido candidata a vereadora na última eleição em São Lourenço, no interior de Minas Gerais, pelo PSOL, legenda ligada à esquerda.

— Era o único partido que fazia oposição ao prefeito — justificou.

O noivo Roberto Kalil é médico pessoal de Dilma, Lula e Serra. Há tempos, ele possui pacientes na cúpula do poder brasileiro. Em seu primeiro casamento, em 1989, entre os padrinhos estavam o deputado Paulo Maluf e o ex-presidente militar João Figueiredo.

A presidente deixou o casamento por volta das 22h45, e seguiu direto para Brasília, onde vai passar o domingo com a mãe e a filha.

Comentários no Facebook

19 Respostas

  1. Madi disse:

    Acho que muitos desta classe que é clássico esta mais para um bando de Lumpemproletariado que quer ser alquma coisa e acaba se comportando como a Lumpenbourgeoisie . Ignorantes, Reacionaríssimos em ambos os casos.

  2. Antonio disse:

    “Tornaram tão fanáticos que acham que até mesmo a “Globo é petista”.
    Por incrível que isso possa parecer, mais eu já ouvi um anti petista falar essa aberração.
    “Globo Petista”

    • Edi Passos disse:

      Verdade, no facisbook tá cheio de “gênios” que “há anos não assistem a Globo” porque ela é PeTralha. São os zumbis da Veja, da Época, da própria Globo e assemelhados!

  3. Carlos Salgado disse:

    Esse pessoal não é propriamente burguesia.

    São a Pequena Burguesia ou Burguesia Gestora, já são “lumpens” da elite desde que o mundo é mundo.

    A diferença é que dentro da etapa financeira do capitalismo tomaram uma importância política que pouco a pouco vai passando por cima da burguesia antiga, dona exclusiva do poder político das nações.

    Há mais caroço neste angu, o despreparo político deles não é só o que nos afasta.

    Na medida em que os trabalhadores se emancipam econômica e politicamente eles perdem poder de exclusividade, e ganham concorrentes na sua corrida pseudo-meritocrática.
    Estes sujeitos estão em crise profunda e anunciando a nova crise da luta de classes: Gestores e Trabalhadores.

    Há uma grande crise entre um mundo solidário e um mundo competitivo.
    Vencê-los passa por convencer seus filhos, irmãos, maridos, esposas de que o mundo solidário é melhor e mais civilizado do que o competitivo.

    Trabalho de paciência, amor, resistividade e persistência.
    Sigamos em luta, para combater o bom combate!

    • antonio carlos - MT disse:

      “São” a Pequena Burguesia, é pra matar o prof. Pasquale.
      Escola lulista de analfabetismo formando suas fileiras.

  4. Jorge disse:

    Os lúmpens são, tal como sempre ocorrem, os chamados perdas colaterais, os radicais sempre oferecidos e tomados como sacrifício por aqueles que deles fazem uso para se mostrarem e serem vendidos como “os mais preparados” para darem novo rumo ao país.

    Não aei por que mas, já ouvi esta história!

  5. João Padilha disse:

    Parabens lula/dilma, vc fez que minha mulher, depois de 30 anos casados, se deu ao luxo de pegar uma panela na mão……

  6. maria arcângla disse:

    Ridículo – uma coisa da qual se pode rir. Se fosse apenas ridículo eu teria pena, uma enorme pena. Mas é também trágico, ver essa “burguesia” repetindo chavões como vaquinhas de presépio de uma mídia covarde e de uma direita inqualificável.

  7. Fernando disse:

    Parabéns Miguel, e obrigado.
    A Luz Ilumina as Trévas e a razão domina a paixão… seu texto é histórico!

  8. Dinio disse:

    Há um tempo já, eu denominei esta “turma” de “Ganços Globais”…pois engolem toda a ração mediática que a Globo produz. A diferença entre estas “aves” Brasileiras e as Francesas, é que os pobres ganços Franceses recebem a ração forçadamente goela abaixo, através de um funil (manual) ou do tubo de uma máquina com pressão que literalmente injeta a ração nos ganços, para que seus fígados engordem rápido e estupidamente e dele se produza o famoso patê da burguesia o “foie grass” ! Já as
    “aves” Brasileiras engolem de bom grado a ração global, e o que é pior piam…grasnam por “impitim” e agora deram de bater panela…até em casamento. Como diria o filósofo…-“santa inguinorança !”

    https://www.youtube.com/watch?v=27RFnNuzD8U

  9. L Souza disse:

    Os lumpenburgueses são asquerosos, não por serem contra ao PT e os pobres, mas por agirem como hipócritas prepotentes, que só reagem contra o que ameça a sua zona de conforto independenteme do que a esteja bancando.

  10. ricardo silveira disse:

    Esses coxinhas lembram os pobres famintos nos portões das festas para as quais não foram convidados. A diferença é que estão muito bem alimentados, graças aos que são vaiados.

  11. Tomás disse:

    Trinta pessoas – que podem muito bem ter sido contratadas por alguma emissora de televisão para gerar uma nota negativa em meio a uma notícia de casamento – Trinta pessoas, que se transformam em notícia mais importante que a própria notícia. É como falam alguns boçais em comentários pelos jornais afora: “Não vamos deixar eles sairem de casa sem receber panelaço!” – Para mim, já está na hora de mandar o Polícia Federal descobrir quem são essas trinta pessoas e fichá-las devidamente, pondo-as em observação permanente para surpreender algum passo em falso seu. Não são manifestantes de nada. Não são nem como torcedores de futebol. Talvez sejam subversivos de direita, e não se sabe em que grau de ação ou periculodade. E qualquer país civilizado do mundo estariam sob vigia. Podem ser um perigo para a integridade dos mandatários e uma ameaça à segurança nacional.

    • VLO disse:

      Concordo, acho que deviam ser presos. Estão ultrapassando todos os limites e não se pode aceitar que as pessoas sejam agredidas a toda hora. Além disso, os noivos tiveram sua festa perturbada por esses ridículos de panela na mão. Nenhum desses covardes desgraçados bateu panela quando FHC quebrou o país, privatizou nossas estatais a preço de banana, comprou votos para aprovar a reeleição, chamou os aposentados de vagabundos etc. Nem batem agora contra a surra que Richa mandou dar nos professores ou contra a situação de penúria d’água que Alckimin provocou em SP.

  12. janio ieso disse:

    Acredito que toda esta PATIFARIA, que REDE ESGOSTO DE TELEVISÃO cairá sobre ela mesma.Não

    Acredito sinceramente que toda esta PATIFARIA, que a REDE ESGOTO DE TELEVISÃO, cedo ou tarde cairá sobre ela mesma.Não Há ação que não venha uma REAÇÃO.Muitos brasileiros já acordaram desta letargia imposta pela GLOBOSTA.O próprio JN já acumula baixos índices.Na verdade a GLOBOSTA já perde audiência desde o fim do nosso inesquecível Airton Senna.A formaula um hoje não passa de uma pelada de várzea.

    aão que

  13. Guilherme disse:

    Lumpenburguesia = coxinhas recheadas com cérebro de vira-latas.

  14. José Luis Pereira disse:

    Texto brilhante de Fernando Brito a contrastar com o texto d’O Globo, que é ruim pra cacete. (Será que não tem ninguém naquele cabaré que saiba escrever?)

  1. 11/05/2015

    […] desprezível’ e lumpen ‘trapo, farrapo’ + proletariat ‘proletariado’. Brito fala da lumpenburguesia, “as franjas degeneradas e desprezíveis da própria burguesia”. Eu mesmo conheço alguns que […]

  2. 11/05/2015

    […] do Rosário, via Tijolaço em […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *