Moro sugere à Petrobras pagar por “deduragem”

morocompra1

Sérgio Moro, que já não se acanha com nada que poderia ser constrangedor a um juiz com comportamento austero, foi a um evento promovido pela Petrobras que é, como se sabe, parte em muitos de seus processos.

E, chegando lá, perdeu definitivamente a compostura e sugeriu que a empresa pague – é isso mesmo, pague! – aos funcionários que se dispuserem  a serem delatores.

“Talvez fosse o caso de pensar em incentivos à atuação dos denunciantes, inclusive compensação financeira, desde que apresentada informação verdadeira, relevante, que através dela seja desbaratado esquema de corrupção. Ninguém deve enriquecer com isso, mas o incentivo deve ser oferecido para tirar as pessoas da zona de conforto”.

É o “Bolsa Dedo Duro”, cujo potencial de injustiça e intriga qualquer um que tenha tido a experiência de trabalhar em qualquer empresa ou instituição é, certamente, capaz de avaliar.

Imagine só todo funcionário colocado diante da possibilidade de “ganhar algum” dedurando um colega ou um chefe?

Vamos ter ninhos de arapongas em toda parte.

E o que acontecerá com o funcionário que quiser se aproveitar do PID – Programa de Incentivo ao Denunciante – e não tiver provas do que denuncia? Seria demitido ou protegido?

As empresas vão ficar iguais às delegacias de política – todas com uma “folha” de “dedos duros”, os famosos “X-9” – que convivem com o esquema escabroso dos alcaguetes profissionais, sempre montando armadilhas, num ambiente abjeto de bisbilhotagem.

A seguirmos a linha de pensamento do Dr. Moro, logo teremos pais pagando aos filhos para vigiarem os telefonemas das mães e filhas recebendo das mães  para controlarem o comportamento dos pais.

Afinal, se “dedo duro” é algo tão bom, porque não ter um em casa?

Comentários no Facebook

29 Respostas

  1. The Snitch System disse:

    E o estado policial fascista ampliado.
    Quem for delatado será enviado para o KAPO com uma coercitiva.

  2. alvaro disse:

    talvez seja a experiência, sabedoria e prática de ganhar um ‘por fora’, que o diga o Tacla Durán.

  3. Jose disse:

    Nessa linha, Tacla Duran ganharia uma baba para entregar um juiz Fascista, bandido, responsável pela quebra da Petrobras, do Rio de Janeiro e também do Brasil, a mando dos americanos.

  4. Rui disse:

    Enquanto isto nas convencoes do partido do Moro o clima é de velório. Vai faltar vela pra tanto morto. Morreram todos de overdose de traicao ao pais e a democracia. Derrubar o PT e se juntar a Temer custou a vida daquele PSDB que ja nao era la aquelas coisas. So me resta rir, mas rir muito.kkkkkkkk

  5. Luiz Carlos P. Oliveira disse:

    Afinal, quem é essa figura parda conhecida como DD?

  6. Luiz Carlos P. Oliveira disse:

    Se for o cara que investe no Minha Casa, Minha Vida aí a coisa vai ficar feia pro juizeco do teto.

    • Fabiano Franca disse:

      É Duis Dinacio? Ou Dilma Doussef? Devem estar ganhando tempo pra arrumar alguém do PT com essas iniciais…Ou uma lista falsa esquecida numa gaveta com iniiciais dessa alcunha de alguém ligado ao PT….O desespero tá grande…Tic Tac.Tic Tac

  7. Rafa disse:

    O Brasil afunda todos os dias e vai reciclando os absurdos sem nunca sair do lugar. Nenhuma ação concreta do lado da esquerda. Somente Lula como um gigante no horizonte. Mas com tanta vilania acumulada e assimilada ao DNA da elite e da classe média, parece que as esperanças de mudança são mínimas.

  8. Policarpo disse:

    Moro é o simbolo da contra-revolução arrivista pela qual estamos passando e de que na verdade nunca nos livramos. Ao contrário dos revolucionários que lutam para modificar o mundo, o contra-revolucionário quer se fazer a cara e o focinho de um mundo que persiste e insiste teimosamente em não morrer. Como dizia nosso melhor interprete “são todos arrivistas e viveram a melhor parte da vida tiranizados pela paixão de ganhar dinheiro, seja como for. Os que formam direitamente a grande sociedade, são os médicos ricos, os advogados afreguesados, os tabeliães, os políticos, os altos funcionários e os acumuladores de empregos públicos. Por mais que se esforcem, por mais que queiram, semelhantes homens, atarefados dia e noite, nos escritórios, nas repartições, nos tribunais, nos cartórios, na indústria política, não podem ter o repouso de espírito, o ócio mental necessário à contemplação desinteressada e à meditação carinhosa das altas cousas. Limitam-se a pousar sobre elas um olhar ligeiro e apressado; e a preocupação de manter os empregos e fazer render os cartórios, tirar-lhes-á o sossego de espírito para apreciar as grandes manifestações da inteligência humana e da natureza. Pode ser definida a feição geral da sociedade com a palavra — medíocre. Vem-lhe isto não de uma incapacidade nativa, mas do contínuo tormento de cavar dinheiro, por meio de empregos e favores governamentais, do sentimento de insegurança de sua própria situação. Uma tão vulgar preocupação pauta toda a vida intelectual da sociedade, de modo que, nas salas, nos salões, nas festas, o tema geral dos comensais é a política; são as combinações de senatorias, de governanças, de províncias e quejandos. A política não é aí uma grande cogitação de guiar os nossos destinos; porém uma vulgar especulação de cargos e propinas. Sendo assim, todas as manifestações de cultura dessa sociedade são inferiores. “A gente” desse mundo “gosta de raciocinar por aforismos. Sobre todas as cousas, eles têm etiquetadas uma coleção deles. A falta de generosidade e a sua inquietude pelo dia de amanhã ferem logo a quem examina a sociedade daquele país, mesmo perfunctoriamente.Tudo lá é conforme a moda. Poderia ainda falar nas suas festas íntimas, nos seus casamentos, nos seus batizados, nas suas datas familiares; mas, por hoje, basta o que vai dito, e é o bastante para mostrar de que maneira [essa] aristocracia é incapaz de representar o papel normal das aristocracias: criar o gosto, afinar a civilização, suscitar e amparar grandes obras. Se falei aqui em aristocracia, foi abusando da retórica. O meu intento é designar com tão altissonante palavra, não uma classe estável que detenha o domínio da sociedade, e a represente constantemente; mas os efêmeros que, por instantes, representam esse papel naquele interessante país. Explicado este ponto, posso ir adiante nas minhas breves “notas” sobre o país.”

  9. Luiz Carlos P. Oliveira disse:

    Uma sujestão: oferecer dinheiro aos ex-funcionários do Banestado, aos funcionários do escritório do Zocolotto, aos funcionários de certa mansão em Paraty e aos atuais funcionários da Mossak para que falem tudo o que sabem. Acho que cairia o TETO. Se é que me entendem…

    • Fabiano Franca disse:

      Verdade…afinal…o peixe não apodreçe pela cabeça!!!!Que os funcionários desses órgãos e escritórios recebam uma gratificação para entregar os podres das cabeças….têm medo do quê?

  10. Alexandra Cabral disse:

    Entre os ex-funcionários encontra-se a ex-funcionária do ex-Banestado, señora de Don Carlos Fernandes, el procurador MPF/PR que há desafiado o dep. Paulo Pimenta/RS para um duelo nas urnas em 2018. Olé!

  11. cunha e silva disse:

    Pai fundador do PSDB regional de Curitiba , cresceu nesse ambiente político . Esse tipo de coisa tá no sangue e é normal para ele , imaginem o que ele passa para justiça federal americana , é normal . Pra mim é agente duplo .um sem noção com orientação .

  12. Bronco Capiau disse:

    “SUJESTÃO”!!!!!!

    Não acredito !!!!!! Kkkk

    O PhD em tudo, o maio QI das galáxias, o homem que entende de tudo, o gênio, o herdeiro intelectual de Einstein, Newton, Hawkings e outros super cérebros, aquele que do alto de sua sapiência e único com autoriedade para classificar pobres mortais, que não tiveram a fortuna de nascerem com tamanha erudição, de burros, ignorantes e idiotas praticando esta escorregada no português !!! Kk

    Qualquer outro tijolófilo tem esta prerrogativa, menos vc Oliveira…

    Tsc,tsc

    E aproveitando, cade o link com matéria sobre o atentado na Somália que vc disse ter lido neste Tijolaço !!

    Continuo aguardando…

    Acho que vou pegar uma cadeira…

    Kkkkkkkkkkkkkkk

    • Sergio disse:

      Capiau Venha Chupar Meu Pau
      Sua mãe, sua mulherzinha e você vão dar muito cu esse final de semana? Elas são adeptas do surubão ? Elas também têm um tesão pelo Lulão ? Elas, como você, gostam de chupar paus ?
      Você e suas amiguinhas só comentam quando aparece o nome do Lulão?
      Tô chegando perto de você CORNO FILHO DA PUTA.
      Se atente. Tá avisada , viu xibunguinha?
      Só vou lhe responder com esse texto. Todos comentários.
      Pederasta!
      Vagabunda!
      Fica preparada mulherzinha!

  13. Antonio disse:

    Não me espanto mais com esse sujeito, mas com nossa sociedade que vê tudo isso acontecer naturalmente. Que povo é esse?

  14. J Andrade disse:

    Pegando a dica do juiz camicia nera, qué que tu acha, Moro, se a gente der uma grana preta pro Zucolotto abrir o bico?

  15. Lins disse:

    Eu sugiro acabar com os mega salários do judiciário, do MP e demais. Distribuir o orçamento para o povo mais pobre em uma conta corrente.

  16. Patrice L disse:

    Não me causa espanto. Nesse artigo laudatório do influente jornal Washington Post, feito há alguns anos atrás, o primeiro-amigo Zucolotto diz que adora fumar charutos com o juiz, que esse último procurava uma grande causa para atuar (e não é que com a ajuda do primeiro-cachorro Youssef ele achou!) e que ele fez curso na metrópole (lições de deduragem e guantánamos, provavelmente) e muito admirava o sistema americano.

  17. Arnaldo Bandeira disse:

    Esse Juiz é o que há de mais abjeto que alguém possa ser. É inacreditável que um Juiz que possa ser tão escroto quanto esse cara.

  18. Sidnei Oliveira disse:

    Pessoal da APAE de Curitiba,tbm…. é uma oportunidade de denunciar advogada sem vergonha e ganhar um por fora !!!!!….. Denunciem vamos desmascarar de fez esse casal!!!!!

  19. Gonzáles disse:

    O que Moro está sugerindo é que Tacla Duran seja recompensado ….

    • Gonzáles disse:

      Afinal das contas, ele acusou, DD, o promotor Pozzobon, e o sócio de sua esposa, Carlos Zucolloto, qual seria a recompensa de Tacla Duran ?

  20. Dilma Coelho disse:

    Esse juizinho é uma vergonha. A que ponto chegou… Pobre e infeliz mouro, ainda não percebeu que está no fim. Disfarsa e vai para MIAMI. Juiz que não se preza, fica mandando recadinho, não bastasse as fotos ridículas ao lado de bandidos. Quantos juristas já o criticaram, rejeitaram, foi humilhado em Portugal, suas sujeiras já foram descobertas, perdeu a credibilidade, foge de ouvir o Tácla Duran, Tchau juizinho você é um zero a esquerda.
    FORA MORO!!!

  21. Maria Rita disse:

    Delação, denúncia. Denunciar crime ou criminoso. Qual crime? Como identificar um crime segundo o evangelho de S. Dallagnol, que não obriga a apresentar provas. Temos as evidências. De quê? Como saber que são de fato evidências. Deixa prá lá. Temos a intuição do caro Moro Watson (é crime porque eu quero que seja, ou é crime porque está oculto ou escondido na consciência do criminoso). Como saber? Perguntando aos universitários do Sílvio Santos, futuros concurseiros do MPF. Deixando de lado a ironia, percebemos que os crimes de lavagem de dinheiro ou crimes de colarinho branco dependem da ótica de quem paga e está interessado nas investigações. Como exemplo, temos o fato de que as investigações da corrupção na Petrobrás vieram do Departamento de Estado norte americano, com a alegada defesa dos interesses de seus acionistas em Wall Street (o chamado crime internacional). Paremos um pouco. Assisto o filme Margin Call- Um dia antes do fim que trata da crise de 2008 e da bolha imobiliária. É imoral sob todos os pontos de vista. No entanto, os cidadãos americanos que perderam suas casas e suas ações e dinheiro de aposentadoria ou economias não foram defendidos pelo Departamento do Estado norte americano. Lá não contrataram um Moro para levantar a bandeira contra a corrupção. Por quê? Mas estão quebrando todos os países da América Central e Latina, incluindo o Brasil. Não é interessante? Aqui temos um intervencionista juizeco que atua em nome dos interesses de fora contra nossa soberania e sobrevivência digna às custas de nossas próprias riquezas. O Moro é aquele ‘brasileiro bonzinho” que a personagem da americana Kate Lyra tanto gostava. Só falta Moro, Bretas e cia vestirem suas fantasias de capitão América. Deu pra entender?!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *