Moro, nos EUA, se compara a Eliot Ness. O doutor sabe o fim da história?

moroness

No último domingo, Curitiba exibiu-se para os gringos, numa edição do programa “60 minutes”, da rede CBS.

O cidadão da república de Curitiba, Deltan Dallagnol pavoneou sua megalomania dizendo que a Lava Jato é “muito, muito maior do que o escândalo do Watergate” que derrubou o presidente norte-americano Richard Nixon.

Mas Sérgio Moro superou Deltan.

Comparou-se a Eliot Ness, o agente do Tesouro dos EUA (que não se perca pela função) que prendeu Al Capone.

Normalmente não faria isso, mas como juiz que se mete à estrela, sucumbe à vaidade e “se acha” intocável, acaba por merecer.

É que o Dr. Moro talvez não conheça o que aconteceu com Eliot Ness, o de verdade, não o Kevin Costner do filme.

O caso de Ness com Capone não foi o que levou o mafioso à cadeia.

Cheio de fama, foi ser o homem-forte da segurança na cidade de Cleveland, onde se revelou um ineficiente e cruel, chegando a atear fogo a favelas na cidade. Tentou se prefeito, não se elegeu e acabou, dizem, se metendo num acidente de automóvel, onde suspeitou-se que ele – o homem da Lei Seca – dirigia embriagado.

Foi trabalhar na segurança da Diebold, esta que fabrica nossas urnas eletrônicas, mas foi mandado embora e morreu na miséria, no ostracismo e na depressão.

A vida, Dr. Moro, não é um filme de Hollywood. E, quando parece ser, em geral termina com o cenário desmoronando.

Comentários no Facebook

36 Respostas

  1. Luiz Rogerio disse:

    Cenário desMOROnando…

  2. a.ali disse:

    Caro Fernando, engano Vosso… ele sabe que esse será o seu FIM = OSTRACISMO!!!

    • Tomás disse:

      Esse esplendor do Moro se dá completamente fora do meio acadêmico, onde os professores sabem muito bem quem ele é. Na Academia ele já encontrou quem o desmascarasse, e não tem gostado. Este é um sucesso midiático e baseado em fantasias que os apresentadores aumentam aos cumes do exagero, apenas para tentar fazer o sucesso de seus programas. No dia seguinte nenhum americano médio consegue se lembrar do que passou naquele canal e talvez um rinoceronte de Java seja mais lembrado do que um juiz do Brasil.

  3. Nikola disse:

    Brito.
    A operação Mãos Limpas deu no Berlusconi, na Itália. Quem mais corrupto????
    E a força tarefa do Galeão, ficou esquecida na História, mesmo tendo desnudado diversos crimes – a ação política era mais forte que a justiça e por isso sucumbiu. Em outras palavras. O pessoal da Força Tarefa deveria ler mais sobre história. Não que eles estejam errados em combater a corrupção. Estão errados ao politizarem esta tarefa. A História não guarda um bom lugar para quem age assim. A glória é rápida e fugidia.

  4. JOEL PALMA disse:

    Mas Moro não era o Juiz? Eliot era uma das partes. Moro mostrou claramente sua parcialidade.

    • Rei disse:

      Exatamente… Moro se comparou ao investigador do caso… mais um indício que esse juiz pavão está completamente desorientado.

      • Tomás disse:

        Para americanos, que veem o mundo inteiro como um todo complicado e não são fortes em geografia, isso não tem a menor importância… Na Suazilândia também é assim, um só homem é juiz, acusador, rei e sacerdote. Estamos bem acompanhados.

  5. Iurutaí disse:

    Arrogância e ignorância se retroalimentam e são a melhor forma de ignorar a realidade. Como mecanismo de defesa atuam no sentido de manter o indivíduo “inconsciente” de sua mediocridade. Freud explica… duro é ver toda uma Nação pagando, regiamente, para que estes seres próximos da boçalidade tenham poder sobre o nosso destino.

  6. baader disse:

    Marx e “Hegel”, para eles o mesmo que Marx e Engels. são bem ilustrados.

  7. Cunha disse:

    Vai sentir refluxo de tanto orgulho…

  8. Gilberto Rezende disse:

    Ser igual ao Eliot Ness, pelo menos, é um destino menos pior que o de outra auto-comparação que Sérgio Moro costuma se conceder…
    A de Giovanni Falcone, o juiz da operação Mani Pulite….

    http://istoe.com.br/italia-lembra-25-anos-de-ataque-que-matou-juiz-da-maos-limpas/

  9. Jo disse:

    PG corre para a mídia explicar o acordo com a JBS.
    Tem caroço podre neste angu podre.
    E ai tem essa tal operação que eles queriam fazer lá fora, Pois aqui deram
    imunidade ao grupo empresarial.
    Ou serial tudo um jogo de cena e envio de senhas.
    O que é realmente não sabemos mas o povo precisa saber.

  10. Márcio Martins disse:

    Que bosta…Ein? Pelo menos a entrevista foi na língua da metrópole ou foi algo parecida? Colonizado deve saber…

  11. José Ricardo Romero disse:

    Os sem noção e idiotas com poder. Aí mora o perigo.

  12. Valmont disse:

    Moro devia tentar um chapéu estilo Carmem Miranda. Quem sabe assim possa fazer sucesso rebolando na Broadway.

    #VERGONHAALHEIA #PQP

  13. C.Poivre disse:

    É um doente mental, um psicopata, além de boçal e babaca. Se acha acima do bem e do mal esquecendo-se que quão mais alto é o salto maior é o tombo. Só serviria mesmo como AGENTE DA CIA que é travestido de “juiz” cuja missão é PROTEGER os políticos que mais roubaram dos cofres públicos nas últimas décadas: Mineirinho, MT, Careca, Santo, Angorá, Eliseu Quadrilha, etc. Esta ida ao país-patrão é uma tentativa de reparação de danos. Vejam a intimidade e a vassalagem com a bandidagem:

    https://caviaresquerda.blogspot.com.br/2017/05/moro-deve-se-juntar-seus-amigos-temer-e.html
    https://caviaresquerda.blogspot.com.br/2017/05/a-republica-de-curitiba-ruiu.html

  14. foo disse:

    > Comparou-se a Eliot Ness, o agente do Tesouro dos EUA (que
    > não se perca pela função) que prendeu Al Capone.

    Ele se comparou mesmo? Ou foi o apresentador que fez a tal comparação?

    Se ele se comparou, é grave, pois Eliot Ness era um investigador, e não juiz.

    Mas eu não creio que ele tenha falado tamanho absurdo. A ver.

    • foo disse:

      Parece que Moro fez a comparação com o filme, mas não se comparou com Eliot Ness:

      Um dos trechos de entrevista com o próprio juiz de primeira instância da Lava Jato deixou nítido o tom de heroísmo acreditado pelos investigadores. “Como foi quando Paulo Roberto Costa [o primeiro delator] prestou depoimento em sua Corte?”. “Ah, esse foi talvez o ponto de “não retorno”. “O ponto de não retorno?”, perguntou. “Sim, era como aquele filme ‘Os Intocáveis’”, disse Sergio Moro.

      Assista à íntegra da reportagem no programa “60 minutes” da CBS, clicando aqui:

      http://www.cbsnews.com/news/brazil-operation-car-wash-involves-billions-in-bribes-scores-of-politicians/

      • Rei disse:

        Se comparou sim! Não foi o entrevistador… foi Moro!
        Moro cita o trecho no filme em que se chega ao ponto de “não retorno”… como destacado na entrevista… quem chegou nesse ponto no filme foi Eliot Ness:

        Judge Sergio Moro: Oh that was the point of no return maybe.
        Anderson Cooper: The point of no return?
        Judge Sergio Moro: Yes, it was like that movie, “The Untouchables.”

        [From the “The Untouchables”]
        Sean Connery: If you walk through this door now, you’re walking into a world of trouble and there’s no turning back. You understand?
        Kevin Costner (as Elliot Ness): [cocking shotgun] Yes, I do.

        Esse trecho do filme destacado na entrevista deixa claro que Moro se colocou no papel de Eliot Niess ao cruzar o ponto de “não retorno”… o bonzão deveria ter cruzado esse ponto enquanto investigava o Banestado.

        Por que um juiz cruzaria algum ponto de “não retorno”??? Que ponto é esse??? Nos outros casos que ele investigou ele não cruzou esse ponto??? Moro não falou em outras entrevistas que esse era apenas mais um dos vários que investigou, e que já teve casos mais interessantes… bom… os outros casos, pelo jeito, não tiveram “ponto de não retorno”…

        • Zenio Silva disse:

          Ele, agora, está buscando apoio internacional! Por aqui a coisa está mudando, seu amigo aécio não vem ao caso neves foi comido, e ele não pode fazer nada…

        • foo disse:

          Eis o contexto:

          Anderson Cooper: When Paulo Roberto Costa gave testimony in your court what was that moment like?
          Judge Sergio Moro: Oh that was the point of no return maybe… like that movie, “The Untouchables.”

          Parece-me que ele comparou a força tarefa da Lava-Jato com os Intocáveis, e o canal de televisão fez o resto.

          Seja como for, vale a pena entrar lá no site para comentar sobre o fato de que Moro é juiz, e não investigador; e que um juiz não deveria se identificar com o time de promotores.

          Entrem na página da entrevista e comentem! ( http://www.cbsnews.com/news/brazil-operation-car-wash-involves-billions-in-bribes-scores-of-politicians/ )

          • Rei disse:

            Moro, se fosse um juiz sério, nem deveria fazer parte desse programa… talvez ele possa dar entrevistas após encerramento da Lava-Jato ou depois de se aposentar…

            Como ele compara pessoas que ainda nem apresentaram suas defesas a criminosos como Al Capone??? Ainda mais se tratando de um julgamento polêmico, que até agora não apresentou provas concretas contra o maior alvo e ignorou provas concretas contra políticos aliados.

            A comparação com Al Capone é proposital, não pelo fato de Al Capone ser um criminoso famoso mas por ele ter sido condenado por um crime “menor” de sonegação fiscal… pois ele conseguia apagar as provas de seus verdadeiros crimes. Uma vez condenado, perdeu poder.
            Moro acha que Lula é culpado e a ausência de provas seria por que ele é um “gênio do crime”, como Al Capone… e por isso deve ser condenado por um crime menor… como pedalinho ou reforma no Triplex… o problema é que enquanto Moro tenta pegar Lula…os verdadeiros Al Capones estão fazendo a festa.

            Uma semana de grampo com Aécio mostrou o nível dos políticos que Moro defende… corrupção, ameaça de assassinato, ligação com ministros do STF, ligação com jornalistas…

  15. Gengiva disse:

    Pois entao. Se Moro se acha mesmo Eliot Ness, quem sera o juiz? Pois Eliot Ness era policial, nao juiz.

  16. Carlos disse:

    E, pelo visto com esta história de pedalinhos, barco de lata e shampoo, os Intocáveis de Curitiba saíram dos EUA com ordens expressas de arranjar qualquer coisa contra o ex-operário que insiste em não abaixar a cabeça para as vontade de Tio Sam.

  17. Tomás disse:

    Moro e sua trupe em temporada pelos picadeiros americanos… O sucesso de seus espetáculos por lá signifa a consagração, para quem votou fervorosamente no Aécio… Quais os números que lá apresentaram? Salientaram o quanto os EUA lucraram com suas atividades por aqui? Foram interrompidos com emocionadas palmas? Falaram no pré-sal, na redução de importância da Petrobras, no fim do programa nuclear de submarinos do Brasil, na destruição das grandes empresas de engenharia do país, nos milhões de desempregados diretos e indiretos que suas ações causaram? Na limitação obrigatória de investimentos por vinte anos, que obriga o país a passar todo este tempo sem poder realizar nada para se desenvolver? Certamente quando terminaram foram levados nos braços em delírio pelos cruéis açambarcadores estadunidenses. Mas com a ressalva de que até eles não admiram gente que trabalhe contra os interesses de seu próprio país. Ninguém no mundo gosta deste tipo de gente.

  18. renato arthur disse:

    Moro se acha, acredita que veio ao mundo para obras Messiânicas. Aquelas descritas na Bíblia, ele vai redimir o mundo. Mas na minha concepção ele está mais para o inspetor Clouseau que no filme tenta recuperar o diamante roubado da sensual Princesa Dala e fica obcecado para capturar o ladrão da jóia. O que o hilariante inspetor não sabe é que o ladrão, conhecido por ‘O Fantasma’ está mais perto do que ele imagina: é o amante de sua esposa. Na real ele nunca “enxerga grande coisa” não sabe de Aécio, nem Temer ele só tem olhos para o Lula.
    O economista Luiz Gonzaga Belluzzio diz Sérgio Moro, por exemplo, nem sabe o que está fazendo. O Moro é o que nos anos 1920 ainda se chamava idiot savant, uma expressão psiquiátrica, para falar do sábio idiota, aquele que só conhece a área dele e não consegue fazer uma relação entre a área dele e as demais. Ele está encharcado dessas convicções, foi ensinado assim, estudou lá, percebe-se claramente que não tem uma cultura mais ampla. Aliás, isso faz falta entre operadores de direito e de economia. A gente sempre precisa achar que a gente sabe menos do que acha que sabe.

  19. Jose fernandes disse:

    Kkkk se não saísse aqui no blog achava que era piada desse engodo com nome moro

  20. Luiz disse:

    Moro foi treinado em FBI dos EUA.

  21. Nina disse:

    Nem perco o meu tempo falando desse juiz megalomaníaco. Triste!

  22. Jotage disse:

    Vindo do Moro, com QI baixíssimo, deve ter confundido os Intocáveis com o monstro do lago Ness. E com este que ele se parece.Quando a coisa esquenta ele some.

  23. Guilherme disse:

    CBS – Coxinha Broadcasting System

  24. Bruno Real disse:

    Caro Fernando Brito…
    Observe esta frase de seu texto: “…e acabou, dizem, se metendo num acidente de automóvel,…”
    DIZEM???
    São inúmeros posts teus aqui atacando os delatores que DIZEM absurdos sobre Fulano e Cicrano, mas você mesmo usou do mesmo recurso para atacar Eliot Ness.
    Me pareceu fofoca.

  25. Henrique de Oliveira disse:

    O começo , meio e fim de Moro vai ser sim como um filme de Hollywood , e igualzinho a desse Eliot , um filme que ninguém vai ver de tão insignificante.

  26. Gustavo Barbosa disse:

    Do Eliott Ness o ignorante Moro só conhece o que viu no filme que passou na Tela Quente, depois de sua novela preferida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *