Moro grampeou Lula e Dilma hoje, veja a data. E solta as fitas como retaliação pela perda da “presa”

grava

Foi mandado direto para a Globo.

Agindo como um moleque contrariado, o juiz Sérgio Moro divulgou o grampo telefônico feito sobre o ex-presidente Lula (ou será que Moro grampeou foi a Presidenta Dilma Rousseff).

Retaliação evidente contra o fato de ter sido tirada de suas garras a “presa” que já contava ter abatido.

Ficou evidente a sua intenção de contaminar politicamente a nomeação de Lula, que nem mesmo denunciado é em qualquer ação penal.

Moro tornou-se um homem sem limites, incompatível com as funções de juiz.

Interceptações telefônicas autorizadas – ele mesmo autoriza, misturando as funções de juiz e policial – em investigações sobre eventuais ilícitos não autorizam sua extensão para outros assuntos, inclusive os de natureza política.

Ainda mais porque não tem nenhuma “armação”, porque a data da transcrição é de hoje, o que indica que o telefonema é de hoje ou de ontem.

Portanto, com a nomeação já decidida e pública.

(ATENÇÃO: ACABO DE TER A CONFIRMAÇÃO QUE O GRAMPO FOI FEITO SOBRE UM TELEFONEMA DE HOJE, COM TODO O PAÍS CIENTE DA NOMEAÇÃO DE LULA)

Do conhecimento de todos os jornais.

Truque primário para fazer escândalo.

Coordenado com a manifestação golpista diante do Palácio.

Moro não preside (ou presidia) um inquérito, mas uma caçada midiática.

É um agente de polícia política.

Moro é um DOPS.

Mas o Brasil não é mais uma ditadura.

PS. O outro trecho da gravação apontado como “interferência” é espantoso. Lula diz que espera que o novo ministro da Justiça “tenha pulso”. Deveria dizer “espero que ele não tenha pulso”? A monstruosidade de Moro é essa: tornar crime ter opinião.

Comentários no Facebook