Moro age como um bandido e monta operação política em afronta ao Supremo

grava2

Às 11:30, todos os jornais publicaram a decisão de nomear Dilma.

Às 13 horas, foi feito o telefonema grampeado por ordem de Sérgio Moro, cuja transcrição foi entregue à Globo para dar a impressão que ambos conspiravam para bloquear a Justiça.

Se algo houve ali foi a precaução contra um ato desesperado de um louco que enverga a toga de juiz.

E que é transtornado o suficiente para mandar prender alguém que já está publicamente designado para o Ministério e, portanto, fora do alcance de suas garras.

E que não hesita, em ato de vingança, em divulgar uma escuta feita duas ou três horas antes para, ardilosamente, transformar em suspeita a Presidenta da República.

Até agora, na covarde imprensa brasileira, cúmplice deste aventureiro, não houve um jornal, que eu visse, que tenha tido a dignidade de informar que o grampo – já de si um absurdo – foi feito DEPOIS de publicizada a nomeação e, portanto, após a tomada de decisão.

Sérgio Moro praticou um ato de banditismo político.

Usou de suas franquias- já muito excedidas em mandar grampear quem nem sequer tem uma denúncia formal e invadir, na escuta, assuntos de natureza política – para produzir confusão política e contestar o ato presidencial.

Por conta de um grampo jamais provado – o áudio nunca apareceu – sobre o ministro Gilmar Mendes,  o então presidente Lula demitiu o chefe da Polícia Federal, no qual este estaria falando com o “honestíssimo” promotor e senador Demóstenes Torres.

O diretor da Polícia Federal, desta vez, vai ficar?

Ou fazer escuta da Presidenta da República e mandar para a Globo pode?

PS. Alguém ainda tem dúvidas sobre o que escrevi hoje cedo sobre a artilharia golpista?

Comentários no Facebook