A hora de defender a Petrobras, por Pedro Celestino, do Clube de Engenharia (I)

getlul

A partir da correta decisão do Governo federal em 2010, de mudar o regime de exploração do Pré- Sal, quando se atribuiu à Petrobrás a condição de operadora única, com percentual mínimo de 30% de participação nos blocos, a empresa passou a ser alvo de sistemática campanha para desqualificá-la e desvalorizá-la. Artigos como o publicado no jornal Valor em 22 de janeiro último, sob o título “A hora da verdade – reinventar a Petrobras” têm esse propósito, para que o Pré-Sal possa ser capturado pelas petrolíferas privadas mundiais. Basta observar a euforia do CEO da Shell diante da notícia que o Governo estaria disposto a flexibilizar as regras de exploração do Pré-Sal.

Os articulistas, dois ex-membros do Conselho de Administração da Petrobras, ambos representando acionistas minoritários predominantemente estrangeiros, qualificam a situação da empresa como dramática. Seus problemas teriam começado há mais de dez anos, mas a “insustentabilidade” só ficou evidente aos primeiros sinais de queda dos preços do petróleo.Apontam quatro problemas: 1) política de preços suicida; 2) plano de investimentos
“megalomaníaco”; 3) estrutura ideológica de protecionismo (conteúdo nacional); 4) aparelhamento
de parcelas da companhia.

Os articulistas não levam em conta a importância estratégica da Petrobras para o desenvolvimento do Brasil, desde a sua criação em 1953. Esquecem que, ao longo do tempo, contrariando os críticos, a empresa descobriu óleo e gás em escala crescente e capacitou-se a refinar todo o petróleo consumido no país. E que, em seu entorno, constituiu-se um expressivo contingente de fornecedores, projetistas, empreiteiros e montadores, gerando centenas de
milhares de empregos.

Por isso, criticam a política de preços. Almejam, sem dizê-lo, que eles estejam sempre alinhados aos preços internacionais para maximizar lucros, e não aos custos de produção, como deve ser em uma empresa estatal, para que os derivados, indispensáveis às atividades econômicas, tenham preços módicos. Não obstante, têm razão em criticar o congelamento de preços imposto pelo Governo federal à empresa, apesar de por ela alertado das indesejáveis conseqüências, pois a importação de combustíveis a preços maiores que os praticados no mercado interno causou-lhe grande prejuízo, além de desorganizar a produção de etanol no país.

A “megalomania” a que se referem possibilitou à empresa reverter a trajetória declinante iniciada após a quebra do monopólio em 1997. Os vultosos investimentos realizados após janeiro de 2003 criaram centenas de milhares de postos de trabalho em toda a ampla cadeia produtiva do setor deóleo e gás, possibilitaram o desenvolvimento de conhecimentos científicos, geraram novastecnologias, criaram mais oportunidades para as empresas de engenharia nacionais e estrangeiras aqui instaladas. Devolveram à Petrobrás seu papel histórico, o de ser um dos principais esteios do desenvolvimento econômico, social e tecnológico autônomo de nosso País.Produziram extraordinários resultados entre 2003 e 2013, atestados por rigorosas auditorias, atendendo às normas da SEC norte-americana (não nos esqueçamos que as ações da empresa são, desde a abertura do monopólio, negociadas em New York).

Quando investem contra a “estrutura ideológica de protecionismo”, os articulistas deixam clara sua posição contrária à exigência de percentuais crescentes de conteúdo nacional nas encomendas feitas pela Petrobrás. O argumento é simplório: produzir no Brasil é mais caro que no exterior. Não consideram a grande oportunidade trazida pelo Pré-Sal. Construir essas unidades no Brasil trará significativo aumento em nossa capacitação naval no setor petrolífero mundial, que se voltará inescapavelmente para aquelas lâminas d’ água, que são a última fronteira geológica prospectiva para hidrocarbonetos no planeta.

Amanhã: Por que a Petrobras deve? Porque tem petróleo para tirar.

(*) Pedro Celestino é Presidente do Clube de Engenharia.

 

Posts relacionados...

Comentários no Facebook

21 Respostas

  1. titus disse:

    So um exemplo, na segunda guerra a alemanha comprava de portugal terra(uranio) de uma especifica area, o mineiros portugueses pensaram para que carregar essa terra desse lugar quando podemos carregar a terra de um lugar bem mais facil e mais perto entao e ai decidiram partir do mais facil, no fim dessa empreitada os alemaes pagaram com dinheiro falso!
    porque os brasileiros imaginam que os extrangeiros querem o subsolo brasileiro exemplo as mineradoras e as petroleiras, no minerio de ferro estao o niobio em diferentes quantidades,
    quando e maior e separado para ser vendido como niobio em menor quantidade e vendido como minerio de ferro no entanto vai somente para especificos paises e ninguem acha isso interessante?

  2. Messias Franca de Macedo disse:

    A ECONOMIA OU O GOLPE!

    … Agora há pouco retornando para o meu triplex [Risos], parei para arrancar – com regozijo – alguns cartazes fascistas anunciando a patacoada golpista programada para o próximo dia 13.
    Próximo a um poste de iluminação pública havia um rapaz numa bicicleta.
    Ele falou:
    “O senhor é contra este movimento?”
    Um tanto apoquentado, eu respondi afirmativamente.
    Ele retrucou:
    “Mas, eu estou desempregado. Tenho família, e aluguel para pagar! Durante o governo Lula a vida da minha família estava boa, agora não…”
    Eu tentei explicar para o jovem que a presidente Dilma Rousseff ainda não teve sequer um dia de sossego, os golpistas, diuturnamente, boicotam o governo dela, de forma impiedosa, irresponsável e criminosa.
    Concluí dizendo:
    “vamos torcer para que o governo da presidente Dilma Rousseff possa se recuperar, e termos a retomada do desenvolvimento com geração de emprego e renda.”
    Ao me despedir, desejando-lhe felicidades, imediatamente pensei no que disse o Roberto Requião em entrevista recente concedida ao jornalista Paulo Henrique Amorim.
    Em síntese, o senador resumiu: “A solução está na resolução da equação ‘É a Economia , estúpido’!
    Ao chegar em casa leio um texto deveras elucidativo.
    Dileto(a) leitor(a), confira o texto lapidar e histórico

      • Luiza disse:

        Por falar nisso….Do GGN /noticia/o-papel-dos-eua-na-desestabilizacao-do-brasil
        O Papel dos EUA na desestabilização do Brasil -Do Vermelho.org
        Pepe Escobar: A luta é de vida ou morte; porque Lula é Brics
        Traduzido pelo Coletivo Vila Vudu

        “Brics” é a sigla mais amaldiçoada no eixo Avenida Beltway [onde ficam várias instituições do governo dos EUA em Washington]-Wall Street, e por razão de peso: a consolidação do Brics é o único projeto orgânico, de alcance global, com potencial para afrouxar a garra que o Excepcionalistão mantém apertada no pescoço da chamada “comunidade internacional”.

        Pepe Escobar*, no Russia Today

        Assim sendo, não é surpresa que as três potências chaves do Brics estejam sendo atacadas simultaneamente, em várias frentes, já faz algum tempo. Contra a Rússia, a questão é a Ucrânia e a Síria, a guerra do preço do petróleo, o ataque furioso contra o rublo e a demonização ininterrupta da tal “agressão russa”. Contra a China, a coisa é uma dita “agressão chinesa” no Mar do Sul da China e o (fracassado) ataque às Bolsas de Xangai/Shenzhen.

        O Brasil é o elo mais fraco dessas três potências emergências crucialmente importantes. Já no final de 2014 era visível que os suspeitos de sempre fariam qualquer coisa para desestabilizar a sétima maior economia do mundo, visando a uma boa velha ‘mudança de regime’. Para tanto criaram um coquetel político-conceitual tóxico (“ingovernabilidade”), a ser usado para jogar de cara na lama toda a economia brasileira.

        Há incontáveis razões para o golpe, dentre elas: a consolidação do Banco de Desenvolvimento do Brics; o impulso concertado entre os países Brics para negociarem nas respectivas moedas, deixando de lado o dólar norte-americano e visando a construir outra moeda global de reserva que tome o lugar do dólar; a construção de um cabo submarino gigante de telecomunicações por fibra ótica que conecta Brasil e Europa, além do cabo Brics, que une a América do Sul ao Leste da Ásia – ambos fora de qualquer controle pelos EUA.

        E acima de tudo, como sempre, o desejo pervertido obcecado do Excepcionalistão: privatizar a imensa riqueza natural do Brasil. Mais uma vez, é o petróleo.

        Peguem esse Lula, ou…

        WikiLeaks já expôs há muito tempo, em 2009, o quanto o Big Oil estava ativo no Brasil, tentando modificar, servindo-se de todos os meios de extorsão, uma lei proposta pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, conhecido também como Lula, que estabelece que a estatal Petrobrás (lucrativa) será a única operadora de todas as bacias de petróleo no mar, da mais importante descoberta de petróleo desse jovem século 21: as reservas de petróleo do pré-sal.

        Lula não só deixou à distância o Big Oil – especialmente ExxonMobil e Chevron –, mas também abriu a exploração do petróleo no Brasil à Sinopec chinesa – parte da parceria estratégica Brasil-China (Brics dentro de Brics).

        O inferno não conhece fúria maior que a do Excepcionalistão descartado. Como a Máfia, o Excepcionalistão nunca esquece; mais dia menos dia Lula teria de pagar, como Putin tem de pagar por ter-se livrado dos oligarcas cleptocratas amigos dos EUA.

        A bola começou a rolar quando Edward Snowden revelou que a Agência de Segurança Nacional dos EUA (ing. NSA) andava espionando a presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, e vários altos funcionários da Petrobrás. Continuou com o fato de que a Polícia Federal do Brasil coopera, recebe treinamento e/ou são controladas de perto por ambos, o FBI e a CIA (sobretudo na esfera do antiterrorismo). E prosseguiu via os dois anos de investigações da Operação Lava Jato, que revelou vasta rede de corrupção que envolve atores dentro da Petrobrás, as maiores empresas construtoras brasileiras e políticos do partido governante Partido dos Trabalhadores.

        A rede de corrupção parece ser real – mas com “provas” quase sempre exclusivamente orais, sem nenhum tipo de comprovação documental, e obtidas de trapaceiros conhecidos e/ou neomentirosos seriais que acusam qualquer um de qualquer coisa em troca de redução na própria pena.

        Mas para os Procuradores encarregados da Operação Lava Jato, o verdadeiro negócio sempre foi, desde o início, como envolver Lula em fosse o que fosse.

        Entra o neo-Elliott Ness tropical

        Chega-se assim à encenação espetacularizada, à moda Hollywood, na 6ª-feira passada em São Paulo, que disparou ondas de choque por todo o planeta. Lula “detido”, interrogado, humilhado em público (comentei esses eventos em”Terremoto no Brasil”).

        O Plano A na blitz à moda Hollywood contra Lula era ambicioso movimento para subir as apostas; não só se pavimentaria o caminho para o impeachment da presidenta Dilma Rousseff (que seria declarada “culpada por associação”), como, também, já se neutralizaria Lula, impedindo-o de candidatar-se à presidência em 2018. E não havia Plano B.

        Como não seria difícil prever que aconteceria – e acontece muito nas ‘montagens’ do FBI – toda a ‘operação’ saiu pela culatra.

        Lula, em discurso-aula, master class em matéria de discurso político, reproduzido ao vivo por todo o país pela internet, não só se consagrou como mártir de uma conspiração ignóbil, mas, mais que isso, energizou suas tropas de massa. Até respeitáveis vozes conservadoras condenaram o show à moda Hollywood, de um ministro da Suprema Corte a um ex-ministro da Justiça, que serviu a governo anterior aos do Partido dos Trabalhadores, além do conhecido professor e economista Bresser Pereira (um dos fundadores do PSDB, que nasceu como partido da social-democracia do Brasil, mas virou a casaca e é hoje defensor das políticas neoliberais do Excepcionalistão e lidera a oposição de direita).

        Bresser disse claramente que a Suprema Corte deveria intervir na Operação Lava Jato para impedir novos abusos. Os advogados de Lula, por sua vez, requereram à Suprema Corte que detalhasse a jurisprudência que embasaria as acusações assacadas contra Lula. Mais que isso, um advogado que teve papel de destaque na blitz hollywoodiana disse que Lula respondeu a tudo que lhe foi perguntado durante o interrogatório de quase quatro horas, sem piscar – eram as mesmas perguntas que já lhe haviam sido feitas antes.

        O professor e advogado Celso Bandeira de Mello, por sua vez, foi diretamente ao ponto: as classes médias altas no Brasil – nas quais se reúnem quantidades estupefacientes de arrogância, ignorância e preconceito, e cujo maior sonho de toda uma vida é alcançar um apartamento em Miami – estão apavoradas, mortas de medo de que Lula volte a concorrer à presidência – e vença – em 2018.

        E isso nos leva afinal ao juiz mandante e carrasco executor de toda a cena: Sergio Moro, protagonista de “Operação Lava Jato”.

        Ninguém em sã consciência dirá que Moro teve carreira acadêmica da qual alguém se orgulharia. Não é de modo nenhum teoricista peso pesado. Formou-se advogado em 1995 numa universidade medíocre de um dos estados do sul do Brasil e fez algumas viagens aos EUA, uma das quais paga pelo Departamento de Estado, para aprender sobre lavagem de dinheiro.

        Como já comentei, a chef-d’oeuvre da produção intelectual de Moro é artigo antigo, de 2004, publicado numa revista obscura, nos idos de 2004 (“Considerações sobre Mãos Limpas”, revista CEJ, n. 26, julho-Set. 2004), no qual claramente prega a “subversão autoritária da ordem judicial para alcançar alvos específicos” e o uso dos veículos de mídia para envenenar a atmosfera política.

        Quer dizer, o juiz Moro literalmente transpôs a famosa operação da Justiça italiana de 1990 Mani Pulite (“Mãos Limpas”) da Itália para o seu próprio gabinete – e pôs-se a instrumentalizar os veículos da grande mídia brasileira e o próprio judiciário, para alcançar uma espécie de “deslegitimação total” do sistema político. Mas não quer deslegitimar todo o sistema político: só quer deslegitimar o Partido dos Trabalhadores, como se as elites que povoam todo o espectro da direita no Brasil fossem querubins.

        Assim sendo, não surpreende que Moro tenha contado com a companhia solidária, enquanto se desenrolava a Operação Lava Jato, do oligopólio midiático da família Marinho – o império midiático O Globo –, verdadeiro ninho de reacionários, nenhum deles particularmente inteligente, que mantiveram íntimas relações com a ditadura militar que, no Brasil, durou mais de 20 anos.

        Não por acaso, o grupo Globo foi informado sobre a “prisão” hollywoodiana que Moro aplicaria ao presidente Lula antes de a operação começar, e pode providenciar cobertura que efetivamente tudo encobriu, ao estilo CNN.

        Moro é visto por muitos no Brasil como um sub Elliot Ness nativo. Advogados que têm acompanhado o trabalho dele dizem que o homem cultiva a imagem de que o Partido dos Trabalhadores seria uma gangue que viveria a sanguessugar o aparelho do Estado, com vistas a entregar tudo, em cacos, aos ‘sindicatos’.

        Segundo um desses advogados, que falou com a mídia independente no Brasil, ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Moro é cercado por um punhado de Procuradores fanáticos, com pouco ou nenhum saber jurídico, que fazem pose de Antonio di Pietro (mas sem a solidez do Procurador milanês que trabalhou na Operação Mãos Limpas).

        Ainda pior, Moro não dá sinais de preocupar-se com a evidência de que depois que o sistema político italiano implodiu, ali só prosperaram os Berlusconi. No Brasil, certamente se veria a ascensão ao poder de algum palhaço/idiota de bairro, elevado ao trono pela Rede Globo – cujas práticas oligopolistas já são bastante berlusconianas.

        Pinochets digitais

        Pode-se dizer que a blitz à moda Hollywood contra Lula guarda semelhanças diretas com a primeira tentativa de golpe de Estado no Chile, em 1973, que testou as águas em termos de resposta popular, antes do golpe real. No remix brasileiro, jornalistas globais fazem as vezes de Pinochets digitais. Mas as ruas em São Paulo já mostram graffiti que dizem “Não vai ter golpe” e “Golpe militar – nunca mais.”

        Sim, porque tudo, nesse episódio tem a ver com um golpe branco – sob a forma de impeachment da presidenta Rousseff e com Lula atrás das grades. Mas velhos vícios (militares) são duros de matar: vários jornalistas próximos da Rede Globo e ativos agora na Internet já ‘conclamaram’ os militares a tomar as ruas e “neutralizar” as milícias populares. E isso é só o começo. A direita brasileira está organizando manifestações para o próximo domingo, exigindo – e o que mais exigiriam? – o impeachment da presidenta.

        A Operação Lava Jato teve o mérito de investigar a corrupção, a colusão e o tráfico de influência no Brasil, país no qual tradicionalmente a corrupção corre solta. Mas todos, todos os políticos e todos os partidos políticos teriam de ser investigados – inclusive e sobretudo – porque em todos os casos esses são corruptos conhecidos há muito tempo! – os representantes das elites comprador brasileiras. A Operação Lava Jato não opera igualmente contra todos. Porque o projeto político aliado aos Procuradores do juiz Moro absolutamente não está interessado em fazer “justiça”; a única coisa que interessa a eles é perpetuar uma crise política viciosa, como meio para fazer fracassar a 7ª maior economia do mundo, para, com isso, alcançarem seu Santo Graal: ou aquela velha suja ‘mudança de regime’, ou algum golpe branco.

        Mas 2016 não é 1973. Hoje já se sabe quem, no mundo, é doido por golpes para mudar regimes.

        *Jornalista brasileiro, vive em São Paulo, Hong Kong e Paris, mas publica exclusivamente em inglês. Mantém coluna no Asia Times Online; é também analista de política de blogs e sites como: Sputnik, Tom Dispatch, Information Clearing House, Rede Voltaire e outros; é correspondente/articulista das redes Russia Today e Al-Jazeera.

  3. Messias Franca de Macedo disse:

    ENSAIO SOBRE A DEPRESSÃO

    Inacreditável:
    a profundidade da sordidez abjeta e a covardia deste títere (ir)responsável pela festiva (sic) ‘Guantánamo do Paraná’!
    Criminalizar os presentes que o [eterno] presidente Lula recebeu durante os oito anos de mandato.
    Mandato conferido democraticamente pelo verdadeiro, sapiente, impávido e honesto povo trabalhador brasileiro!
    Mais uma molecagem surreal!
    Psicopatia militante!
    E a patacoada criminosa perpetrada em seguida ao momento em que “o juiz do ‘braZ$&l’” [somente rindo!] se avistou com o almofadinha “cheiroso” DEMoTucano [mega]corrupto João Dória Jr. “do ‘Picolé de Chuchu’ do MERENDÃO” em evento realizado no antro da LIDE…

    RESCALDO:
    aprofunda-nos um sentimento repulsivo de depressão crônica!
    Quiçá, um atalho para a corja fascista, definitivamente, assaltar o poder tão cobiçado!…

    Vade retro Satanás!

    Perdão ao Satanás!

  4. Lenita disse:

    Palavra de Ordem numero Um para a manifestacao do dia 18 : O PRE SAL E NOSSO !!! A soberania do Brasil, a educacao e a saude dos brasileiros nao estao a venda ! FORA TIO SAM !!! VETA, DILMA !!

  5. titus disse:

    O artigo 136 do Título V, “Da defesa do estado e das instituições democráticas” faculta ao presidente da República, sem, nas primeiras 24 horas necessitar de autorização do Congresso Nacional decretar o “estado de defesa”, durante a vigência do qual, dentre outras medidas que garantam a continuidade do governo eleito, podem até ser presos os que conspiram contra as instituições democráticas.

    • titus disse:

      Exemplo Governador de sao paulo nas manifestacoes de domingo, e outros patifes!

    • Luiza disse:

      Tutus, os yankees conseguiram transformar o páis num puteiro…
      Defesa do estado e das instituições democráticas é artigo de pouco valor nos dias atuais…Olha só quem caiu prá dentro no golpe e sem nenhuma vergonha e cerimônia: A OAB de São Paulo encaminhou uma nota à imprensa apoiando as manifestações que ocorrerão amanhã (domingo, 13). A entidade pediu que as manifestações respeitem as diferenças e mantenham o “ânimo democrático e o comportamento pacífico”.
      Na carta, a Ordem falou sobre o “direito do cidadão externar sua indignação com o atual momento da vida institucional do país, com as sucessivas denúncias de corrupção, desmandos no trato da coisa pública e na prevalência contínua de interesses privados em debates, na tomada de decisões e nas ocupações dos espaços públicos, além do gravíssimo quadro recessivo de nossa economia com aumento de desemprego, inflação elevada, queda da atividade empresarial e do PIB do país”.
      O Conselho Secional da OAB paulista decidiu levar a posição favorável à abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff ao Colégio de Presidentes do Conselho Federal da OAB.
      nota completa em http://jornalggn/noticia/oab-sp-apoia-manifestacoes-pro-impeachment

      • titus disse:

        Eles podem se manifestar mas estao incluidos na conspiracao contra as instituições democráticas. visto que a responsabilidade da OAB e a preservacao da constituicao o que eles estao rasgando…..

        • Luiza disse:

          Sei não, Titus…
          A coisa está feia e ainda acho que a Dilma está muito devagar no quesito segurança e reação.
          Se Dilma não der um cavalo-de-pau na sua estratégia…
          Dei uma passada no caf e lá tem um post de título “Dilma, muda para não cair – Demonstrar à sociedade, ao Congresso e ao STF que pode governar até 2018!” em que o PHA desenvolve uma tese de reação. Achei muito interessante, mas…conhecendo o poder de reação da Dilma e seu republicanismo, sei não… prá não dizer o pior – que ela vai deixar tudo do jeito que está, sem tirar nem por.
          Dê uma olhada lá. É uma tese ousada pacas mas acho que ele tem bastante razão em muitas coisas que expõem..
          Se a coisa é ir pro tudo ou nada, então por que não dar uma radicalizada geral e apostar prá ver? É truco, titus !!
          Eu já começo a pensar aqui como seria isso..

  6. Valdeci Elias disse:

    Será Dilma , uma lutadora de Jiu Jitsu ?

    Sou praticante de Karate Shotokan , e fico tentando analisar que tipo de lutadora é Dilma.
    Quem pratica arte marcial, sabe a importância da distancia entre os lutadores. Se você não quer apanhar é só manter distancia , más em compensação não conseguirá aplicar nenhum golpe. A verdade é que quando você diminui a distância pra atacar , se torna vulnerável ao adversário . Esse tipo de lutador, que só fica fugindo e mantendo distância , é punido no Karate.
    Outro tipo é o que luta com emoção, vai pra cima do adversário , sempre encurtando a distância , pra poder aplicar os golpes. Salientando que , que quando faz isso se expõe ao adversário. Por isso geralmente a luta é rápida. Ou ganha ou perde rápido. É a luta mais bonita de se ver. Por isso, ao assistir um campeonato de karate, veja a categoria preta 20/30 anos. Vai ter muito desses lutadores.
    Tem outro tipo, que eu acho o mais perigoso. ele não toma a iniciativa, más também não foge. Ele espera o adversário atacar, pra atacar antes. Não é contra-ataque . No karate chamamos Deai, o adversário se aproxima diminuindo a distância, e antes que ele de o golpe, você da primeiro. Enquanto o adversário gasta energia pra se aproximar, você gasta só no golpe. Esse tipo de lutador é encontrado com mais frequência, nas categorias mais velhas. As lutas são chatas, paradas e decididas em um golpe fulminante.
    Dilma não consegue manter distância pra não apanhar. Não vai pra cima pra finalizar. Nem usa Deai ,pra atacar quando é atacada. Por isso cheguei a conclusão que ela não é karateca.
    Más ela pode ser boxeadora. Existe um tipo de boxeador, que apanha pra cansar o adversário. em uma luta de 8 rounds, ele passa 7 só apanhando. No ultimo o adversário está tão cansado, que não consegue se defender de um cruzado fulminante e é nocauteado.
    Meu medo é que ela seja lutadora de Jiu Jitsu. Pois pode ser que ela vença por submission. Será que ela vai vencer sem fechar a Globo, sem punir os funcionário públicos que usam o Estado pra fins pessoais e políticos, sem expor os políticos de outros partidos envolvidos em corrupção ? O boxeador que apanha a luta toda, nocauteia o adversário no fim, deixando o olho roxo,quebrando queixo etc.O lutador de jiu jitsu fica na posição de chave de braço, perna ou pescoço , más não finaliza porque o adversário entrega a tolha antes.
    Cansei de ver lutas onde o lutador de jiu jitsu vence todo quebrado, e o adversário perde intacto . Imagina Lula vencer a eleição em 2018, enquanto seus familiares foram perseguidos, Petistas foram presos, militantes de camisa vermelha apanharam na rua. Os Marinhos e a FIESP vão curtir a derrota na mansão em Paraty, Moro e o pessoal da Lava-jato vão fazer palestras e escrever livros enquanto recebem prêmios da mídia. Alguém de fora não vai acreditar que o PT ganhou, e a oposição perdeu .

    PS. Pra mim Fidel Castro seria um lutar que iria pra cima do adversário. Já Hugo Chaves seria um lutador de Deai, que aproveitaria as falhas do adversário( Moro nunca sairia impune se tenta-se prender Lula na Venezuela).

    • Lenita disse:

      Gostei dessas analogias, muito interessantes. Vendo a fala da Dilma ontem senti como sempre sua fibra e determinacao. Tb fico tentando advinhar, junto com meu companheiro faixa preta, qual seria a tatica/estrategia da Dilma nessa hora fatidica?Saberemos logo; a partida avanca para os golpes finais.

  7. Messias Franca de Macedo disse:

    [Da série “Mais um amigão do Alckmin, do FHC, do (S)erra do ‘Aécio Furnas’ et caterva blindado para o ‘vazamento do esquecimento’ da (mega)corrupção”!]

    ENTENDA MAIS UM EXEMPLO DE ESTRATÉGIA DO ‘MODUS OPERANDI’ MAFIOSO DO *PIMG

    *PIMG (Partido da Imprensa Mafiosa &$ Golpista)

    Desde sempre o segmento superior da página principal do portal uol/folha costuma trazer manchetes espalhafatosas atacando o governo da presidente Dilma Rousseff, o [eterno] presidente Lula e o PT.
    No meio da mesma página os assuntos reservados dizem respeito a esporte, entretenimento [notas relacionadas às novelas chinfrins e ao BBB ambos do Projac, ‘barracos’ e frivolidades envolvendo celebridades, gastronomia, turismo e etcétera do gênero]…
    Dileto(a) (e)leitor(a), agora, pasme:
    ninguém de sã consciência imaginaria que na atual quadra de denúncias acerca do tema corrupção fosse encontrada a seguinte notícia cuja manchete foi ‘vazada’ quase que para o rodapé da referida página principal do nebuloso portal uol/folha – e postado de madrugada [provavelmente, a manchete não irá resistir a 24 horas até ser “incinerada no Inferno do Esquecimento”]…

    ***

    Ex-ministro de FHC vira réu por lavagem de dinheiro em processo desmembrado do mensalão

    Carlos Eduardo Cherem
    Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte 12/03/201600h10

    O ex-ministro das Comunicações no primeiro mandato do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e candidato derrotado ao governo de Minas Gerais nas eleições de 2014, Pimenta da Veiga, virou réu em processo pelo crime de lavagem de dinheiro em processo desmembrado da Ação Penal 470, o mensalão do PT. Se condenado, Pimenta da Veiga estará sujeito a uma pena que pode ir de 3 até 10 anos de prisão.
    Um dos fundadores do PSDB em 1988…
    (…)

    FONTE: http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2016/03/12/ex-ministro-de-fhc-vira-reu-por-lavagem-de-dinheiro-em-processo-desmembrado-do-mensalao.htm

  8. Assim Falou Golbery disse:

    concordo. Sem grandes estatais que permitam roubar-se bilhões acho também que ninguém vai querer mais querer assumir qualquer cargo público e até será o fim dos partidos políticos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *