Governo tenta impor urgência para votar reforma trabalhista

tvcamararef

Numa manobra que revoltou não só a oposição como parte da base aliada, o Governo pediu a decretação de regime de urgência na votação da reforma trabalhista, como forma de tentar aprová-la (só exige maioria simples) e compensar o desgaste da derrota anunciada da reforma previdenciária.

Se aprovado, serão dispensados os prazos de vista e também  para apresentação de emendas ao substitutivo apresentado pelo relator, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN).

São modificados ou suprimidos cerca de 100 pontos da Consolidação das Leis do Trabalho, reduz multas e indenizações trabalhistas.

É a correria, da qual tratarei adiante, para fazer o mal ao trabalhador e agradar ao mercado que o sustenta.

A votação, já que não pode ser clandestina, o será, se conseguirem, às carreiras.

O Governo Temer tornou-se um perigo a cada dia.

Comentários no Facebook