Fidélix e a excreção que se reproduziu

excret

Aquele senhor de bigodes de ébano que fazia, nos debates presidenciais, tabelinha com o Pastor Everaldo, presidente do partido de Jair Bolsonaro, deveria recorrer da sentença que o condenou pela declaração – tão óbvia quanto abjeta – de que “aparelho excretor não reproduz”.

O que Levy Fidélix fala e faz é a prova evidente que, sim, se reproduz.

Fidélix estrelou, hoje, um insólito  I Fórum Nacional da Direita e Conservadorismo do Brasil, no Hotel Bourbon, em Moema, São Paulo.

Os delírios deste tipo de espertos, feito Fidélix, que antes eram inofensivos “aerotrens”, agora são os de perseguição e de extermínio de  esquerdistas que, naturalmente,  são adeptos do Estado, da lavagem cerebral, da devassidão de costumes,

Marcelo Auler, em seu blog, descreve a estrutura do encontro e seus ícones: Moro, Dallagnol, a intervenção militar.

O Brasil, de fato, está imerso no que o aparelho excretor mental produziu.

Leia o post de Marcelo Auler.

Comentários no Facebook