Esqueceram o dinheiro, vão atrás de Lula e preparam o lobista “delator”

vejtempos

Enquanto não se teve um fiapo para usá-la politicamente contra o Governo, a Operação Zelotes, que investiga – ou deveria investigar – a anulação fraudulenta de créditos em impostos devidos à União – estimados, apenas os maiores deles, em R$ 19 bilhões – ela andou quieta, vagarosa e discreta aos olhos da grande mídia.

Ninguém se escandalizou com a presença, entre os supostos beneficiários, de megaempresas como a RBS, projeção gaúcha e catarinense da Rede Globo, o  grupo Gerdau, a Ford, a Mitsubishi; os bancos Bradesco, Santander, Safra e Bank Boston.

De repente, por conta de um pagamento feito por uma das empresas que atuaria para estes grupos, quatro anos depois de ter sido aprovada a MP que as beneficiaria, feito à firma de um dos filhos do ex-presidente Lula,

acendeu um ardor indescritível na mídia e, segundo os jornais, na Polícia Federal, no Ministério Público e na Receita Federal.

Esqueceram-se, rapidamente, dos bilhões sonegados.

As menções a “um café” e “duas bonecas” numa anotação de um lobista que se referiria ao ex-Ministro Gilberto Carvalho são motivo de pedidos de quebra de sigilo bancário dele e de sua filha, a qual não se sabe porque foi metida na história.

Mas a declaração do mesmo lobista, Alexandre Paes dos Santos, dadas a Rubens Valente, da Folha, de que agenciou encontros com Aécio Neves e Eduardo Campos não são notícia.

Obvio que isso não torna Aécio ou tornaria Campos, se estivesse vivo, criminosos. Nem mesmo suspeitos.

Como ficou “resolvida” a questão do mesmo lobista pagar um motorista particular para um alto assessor de Pedro Malan: o assessor demitiu-se, alegando a necessidade de fazer uma cirurgia e tudo ficou cicatrizado.

Também esqueceu-se a informação de que o tal lobista foi processado por calúnia por outro filho de Lula, Fábio Luís (o tão investigado Lulinha), junto com a Veja e o autor da reportagem do tipo “mente-desmente” que ilustra o post, em outubro e novembro de 2006.

Processados e condenados pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, em sentença de segunda instância.

Está evidente que se prepara a cama para que algum dos envolvidos no surrupio de milhões (ou bilhões) da Receita apareça como “bom ladrão” através de delações.

Tal como Alberto Youssef, Alexandre Paes dos Santos é velho conhecido da Polícia, ao menos desde 1999.

Da Polícia e da Veja, que se valeu dele para atingir o filho de Lula, em 2006, cinco anos depois de tê-lo chamado de achacador, em matéria assinada nada menos que pelo todo-poderoso Policarpo Júnior na edição de 24/10/2001.

Como se vê, está aberta a nova temporada de banditismo, agora para atingir a família de Lula.

PS. A apuração da história deste lobista deve-se à memória implacável da leitora Celeste, que deu a dica de que Alexandre já tinha sido processado pelo filho de Lula.

Posts relacionados...

Comentários no Facebook

30 Respostas

  1. jõao disse:

    http://www.netcina.com.br/2015/10/pesquisa-cnt-mostra-que-292-aprova-o-governo-dilma.html
    Pesquisa CNT mostra que 29,2% aprova o governo Dilma
    28 de outubro de 2015

    Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT), em conjunto com a MDA Pesquisa, divulgado nesta terça-feira (27) que o governo da presidente Dilma Rousseff (PT) melhorou na opinião dos brasileiros.

    Dois fatores podem ser considerados positivos.

    Primeiro o fato da avaliação, que vinha despencando a cada pesquisa, agora ficou praticamente estável entre julho e outubro, tendo um pequena melhora, com 70% dos entrevistados avaliaram negativamente o governo petista. Na última pesquisa divulgada em 21 de julho, o percentual negativo foi de 70,9%. A margem de erro de 2,2 pontos

  2. Francisco de Assis disse:

    Parece que está apontando na área uma banda podre na Receita Federal, que é quem pediu para fazer devassas contra familiares e assessor de Lula.
    Porque é muito estranho que após Lula criticar incisivamente a política econômica de Joaquim Levy, aparecem alguns senhores da Receita, órgão subordinado a Levy, perseguindo familiares e assessores de Lula.
    O senhor Joaquim Levy tem que ser convocado para dar explicações sobre isso.

  3. Celso Carvalho disse:

    O pau que o Janot mencionou ao Aécio que é o mesmo que dá em Chico e Francisco não está funcionando. Precisamos arrumar um “pau de dar em doido” para arrumar o sanatório geral que está estabelecido no MP, PF e judiciário.

  4. Avelino disse:

    Oi Fernando
    Reforço o pedido de outros leitores.
    Corte esse troll Padilha.Ele não acrescenta em nada, os temas trabalhados.
    Saudações

  5. renato arthur disse:

    Ao autorizar busca e apreensão na empresa Touchdown, de Luis Claudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, a juíza Célia Regina Ody Bernardes determinou que fossem apreendidos de correspondências a “utensílios domésticos de grande valor”. A substituta na 10ª Vara Federal do Distrito Federal listou ainda joias, obras de arte, dinheiro em espécie, cheques, smartphones e computadores. Os procuradores jamais visitaram a sede de nenhuma grande empresa listadas na operação Zelotes (RBS, Banco Santander….) mas procuram vestígios na família do Lula, como faziam tempos atrás com o irmão do Lula Vavá. que morava e mora em uma casa humilde onde até escutas foram instaladas. Cujo o maior bem era uma criação de 110 canários belgas cujo os ratos dizimaram.

  6. renato arthur disse:

    Enquanto investigam familiares do Lula por improbidade o Tribunal Justiça de Minas abriu licitação p/ compra de 96 kg de filé mignon Friboi, 50 kg de filé de salmão e 96 kg de carne de sol. Isso e mais 600 kg de arroz e 32 kg de feijão carioca são alguns dos ingredientes vai adquirir com dinheiro público para o “lanche” dos juízes e desembargadores da Corte no próximo ano.Os números dos alimentos “de primeira” constam do edital publicado nesta segunda-feira, 26/10, que prevê a contratação, por 12 meses, de seis lotes de alimentos, incluindo bolos, frutas, pães de queijo e refrigerantes, para “a confecção de lanches para os desembargadores, juízes, tribunais do júri e eventos institucionais”. Total de 1,7 milhões p/ contribuinte pagar.

  7. Messias Franca de Macedo disse:

    Camisa de força nestes energúmenos!

    E BOMBA!
    Vamos denunciar este “juiz” DEMoTucano dos Infernos da CIA para todas as instâncias internacionais

    ###################

    Moro escreveu texto de juíza que determinou buscas na empresa de Lulinha?

    Por conspícuo e impávido jornalista Miguel do Rosário

    28/10/2015

    É o fundo do poço do golpismo judicial, o herdeiro do golpismo militar de 64.

    ***

    Do Facebook de Laerte Braga.

    Os advogados de defesa dos réus na Operação Lava Jato notaram que a decisão da juíza Célia Regina Ody Bernardes, que determinou as buscas na empresa do filho de Lula, traz trechos idênticos aos usados pelo juiz Sérgio Moro em suas decisões. São várias as cópias de partes das decisões de Moro. Isso significa com clareza que o texto da juíza foi feito por Moro e assinado por ela.
    (…)

    FONTE [LÍMPIDA!]: http://www.ocafezinho.com/2015/10/28/moro-escreveu-texto-de-juiza-que-determinou-buscas-na-empresa-de-lula/

  8. renato arthur disse:

    Por que o MP solicitou `a juíza Célia Regina Ody Bernardes, cujos parentes são políticos do PSDB de SC, a inclusão das empresas TOUCHDOWN e LFT, e a empresa de Luis Claudio da Silva sendo que o relatório da Polícia Federal de 164 páginas “não faz qualquer referência a Luis Cláudio ou à TOUCHDOWN e LFT. Das 4 manifestações produzidas pelo MPF no processo, 3 trataram das empresas de Luis Cláudio” . Da RBS, Gerdau, Santader etc, nem passam perto, nem fazem uma única averiguação. Tudo isso usando as prerrogativas funcionais do Estado com o dinheiro do contribuinte fazendo politicagem das mais rasteiras. Esse abuso tem que ser denunciado, sob pena de qualquer cidadão não alinhados a política de certos procuradores serem alvos de investigação policial.

  9. Mary Rose disse:

    No filme La Dictadura Perfecta, sátira sobre o poder da plutocracia midiática no México (v. Netflix), chama-se esse truque de “la caja china” (caixa chinesa). Os donos da mídia monopolista lançam factoides para fazer cortina de fumaça sobre os verdadeiros escândalos envolvendo os seus aliados.
    Assistam ao filme para ver retratada com graça toda a malandragem dos fazedores de sombras da nossa caverna.

  10. klaus disse:

    O material apreendido na ‘empresa’ do filhote de Lula é nitroglicerina pura.
    Por isso essa caganeira toda em reaver documentos e computadores que podem não somente comprovar a maracutaia como revelar desdobramentos mais tenebrosos, afinal, foram várias MPs, logo, prováveis várias ‘vendas’ .
    Calma, filhote.
    Quem não deve não teme. Mais do que você deve querer essa investigação às claras para mostrar para os brasileiros e em especial os crédulos tijolecos eu não há nada de errado nas suas promissoras três empresas e assim honrar a belíssima reputação de seu pai, que injustamente é chamado de Pixuleco.
    Caçulinha, teu Pai é um Herói, ‘vitória na guerra, filho!’

  11. Daniel disse:

    É…só resta a resposta do povo…ir às ruas…NÃO esses convites…e sim uma GRANDE CONVOCAÇÃO NACIONAL…onde TODA a sociedade e instituições democráticas estejam presentes…do contrário o PIG , MPF,PR e Judiciário…continuará a armação do GOLPE Paraguaio…e como ficamos? …o tempo está se esgotando…ACORDA PT

    • Irion disse:

      Pior é que o povo paga os (régios) salários desses funcionários da PF, do MPF e do Judiciário para eles atuarem com parcialidade a favor do golpismo ianque, que está querendo botar a mão no petróleo brasileiro. Esses vendilhões da Pátria deveriam receber seus salários DIRETAMENTE de seus patrões do hemisfério norte. Atuação “pública” movida a puro desvio de finalidade. Deveríamos sim ir para as ruas, se não vão nos roubar o direito de eleger os governantes, e de esses governarem A FAVOR DO POVO.

  12. Gronba disse:

    Amigos

    Todos esses descalabros a que assistimos devem-se a um problema conjunto: DILMA-PT! A traidora.
    Não faz absolutamente nada para barrar tudo isso e além de nos afundar cada vez mais, enche cada vez MAIS a burra dos adversários com o nosso dinheiro suado, os bancos e a globo zombam de nós. Com a grande ajuda, é claro, do pt.
    Tenho vergonha de ter votado todos esses anos neste covardes.
    Só salva o Lula, que dilma vai deixar o zé prender antes do natal.

  13. C.Paoliello disse:

    Vc acertou em cheio ao qualificar de banditismo as ações parcialíssimas e condenáveis destes obcecados perseguidores do Presidente Lula. Não há diferença nenhuma entre o que eles fazem e o que praticam criminosos contumazes.

  14. Heitor disse:

    O “juiz” Moro escreveu o texto da juíza que determinou buscas na empresa do filho de Lula. Isso é abuso de poder.
    Esse cara tomou de assalto o judiciário deste país.
    Não adianta apelar para o CNJ ou pra o STF. São cúmplices ou covardes.
    Tem que apelar direto para uma Corte Superior da ONU.
    Tem que espalhar pela comunidade progressista do mundo afora.
    Denunciar.
    Expor esta mazela.

    http://www.ocafezinho.com/2015/10/28/moro-escreveu-texto-de-juiza-que-determinou-buscas-na-empresa-de-lula/

  15. Antonio Luiz disse:

    O Judiciário, MPF e PF fazem “justiça com as próprias mãos”, cientes de sua ideologia e interesses pessoais e corporativos, e pouco se lixam com a verdadeira JUSTIÇA e com o sentido de NAÇÃO. Estão no lugar certo, para quem quer andar errado. Não pararão e irão até os finalmente de seus intentos e daqueles aos quais são teleguiados. Disto tudo, concluir-se-á ao final o “Adeus ao Brasil Cordial”. Tenho pena dos ingênuos e cordeiros, mas aos homens conscientes e que se indignam com a INJUSTIÇA, talvez, só restará a alternativa que a própria “(in)justiça” pratica: COM AS PRÓPRIAS MÃOS! Ou alguém acha que largarão o osso por convencimento?

  16. Heitor disse:

    Antes investigados, agora bancos e mídia celebram mudança de foco da Zelotes.
    A Globo a manipula porque tem as mãos sujas.

    http://www.vermelho.org.br/noticia/272084-1

  17. C.Paoliello disse:

    Frente Brasil Popular (ainda existe?) poderia atuar para unir as forças progressistas. Dessa desunião tem se aproveitado a extrema-direita para introduzir emendas de interesse da plutocracia em todas as votações.

    http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2015/10/sem-unidade-politica-esquerda-corre-o-risco-de-perder-o-trem-da-historia-no-congresso-1402.html

  18. renato arthur disse:

    Gilberto de Carvalho pergunta ” Quem vai restituir a honra dos meus filhos”” Alô STF o que vocês tem a dizer? Ao cidadão como pai tem o direito de saber.
    Reajo hoje com a indignação de quem serve ao país há 19 anos com a honestidade que recebi dos meus pais e com o desejo central de mudar a vida dos pobres deste país. Reajo com a dor de um pai que vê seus filhos expostos à execração pública sem que nenhum fato, nenhuma acusação formal tenha sido contra eles apresentada”.
    Este é Brasil que a justiça nos oferece!

    • klaus disse:

      Ninguém vai ao Pai sem passar pelo Filho.
      Bela tragédia á la petralha…. queme vai entregar quem?
      Eu avisei…. tantas palestras, tantas consultorias e assessorias só podia ser para lavagem de dinheiro…eu avisei.
      Preparem os corações porque isso é só o início da Operação Caça Família Petralhas.

    • Alisson Souza disse:

      O fantasma de Celso Daniel.

  19. marco disse:

    Mais ou menos no campo DINHEIRO,hoje me deparei com um quadro inusitado.Um conhecido meu,grande pessoa por informações de muitos,já que o conheci há pouco,me apresentou um outro senhor que descobri,dito por ele,ser um dos fundadores do PT.O meu conhecido,também PT,afirmou que tinha botado fora,a bandeira do seu partido,ao que o outro apoiou.Afirmou em seguida,que ele sendo fundador do PT,não podia conviver com pessoas do tipo JOSÉ DIRCEU,alegando que o mesmo,após divulgação pela imprensa e PF e M.P.e Judiciário,TUDO A MESMA SOPA,que nas contas de Dirceu apareceram 28 milhões de reais,fruto segundo os delatores,de consultoria dadas,ligadas AS DENÚNCIAS CONTRA A PETROBRAS,denúncias estas criadas pela CATERVA DA MESMA SOPA,ou seja,GOLPISTAS,e estranhamente constatei embora de maneira precária,o quanto o PT está dividido e os PURITANOS desse partido,ajudam mais,os GOLPISTAS que aos próprios companheiros.Infortunadamente o PT,carece entre seus quadros,filiados MAIS INTELIGENTES.

  20. Leonel disse:

    Infelismente até a Record tá fazendo matérias perseguindo a família de Lula, tá tudo dominado!

    • Constante disse:

      Não esquente a cabeça! Isso eles já fizeram em 2002, e deu Lula. Já fizeram em 2005, e deu Lula. Inventaram o mensalão, e deu Dilma. Inventaram a lava-jato, e deu Dilma de novo. Ao contrário do que eles pensam, o povo não é burro. O povo brasileiro aprendeu que a imprensa brasileira não merece crédito. Por isso, vai dar Lula em 2018. É isso que causa o desespero dos coxinhas e desta mídia venal.

  21. Rogério Ferraz Alencar disse:

    Pois é. Por ações e omissões do PIG e do judiciário, a operação Zelotes deixou de ser investigação sobre a grossa corrupção no CARF para virar investigação sobre empresa de filho de Lula e cantina de filha de Gilberto Carvalho. Não havia ninguém do PT ligado à Zelotes, mas agora querem investigar até a presidenta Dilma. E investigação a cargo de uma juíza de primeira instância !

  22. riaj disse:

    Brito, porque não dá uma olhada na tal juíza federal que mandou fazer as tais buscas no filho do Lula é irmã do prefeito do PSDB, tucano da gema, em Blumenau-sc. Seria mera conincidência que a juíza irmã de um tucano, com ligações próximas do tal senador Beber, tomar tais medidas?

  23. andre dias disse:

    Mais do mesmo: uma Zelotes igual às outras
    Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

    Ninguém tem o direito de mostrar surpresa diante da aparição de um foco político anti-Lula e anti-Partido dos Trabalhadores na Operação Zelotes. A situação reproduz o destino político das grandes operações judiciais ocorridas no país na última década. Pode ser absurdo mas é verdade.

    Queira-se ou não, a AP 470 teve o mensalão PSDB-MG como resultado final. Ninguém precisou fugir para a Itália, pois os réus sequer foram julgados. A Lava Jato, que envolve uma investigação necessária na maior empresa brasileira, carrega uma lógica binária e estranha. Quando uma empresa dá recursos financeiros para o PT, é porque participa de um esquema de corrupção. Quando a mesma empresa, com o mesmo CPF e os mesmos executivos, oferece recursos com a mesma origem para seus adversários, nada mais faz do que oferecer contribuições eleitorais legítimas.

    É possível avaliar o que ocorre com a Zelotes a partir de um fato singelo. Desde 21 de outubro que o mais explosivo personagem surgido nas investigações da Zelotes encontra-se protegido, tornando-se incapaz de causar danos imediatos a aliados e amigos. Apanhado em companhia de um sobrinho em meio a uma trama que envolvia uma denúncia de pagamento de R$ 12 milhões de propina paga em quatro prestações pela RBS, principal grupo de comunicação do Sul do país, sócio da Globo, a acusação contra o ministro Augusto Nardes, do TCU, foi encaminhada ao Supremo Tribunal Federal.

    Na mesma época, no edifício situado em outro vértice de Praça dos Três Poderes, o Congresso recebia o parecer do TCU, cujo relator foi o mesmo Augusto Nardes, que a oposição encara como principal matéria-prima para tentar alimentar um pedido de impeachment de Dilma Rousseff. Enquanto o STF não levar o caso adiante, e não for possível avaliar o grau de veracidade das denúncias, o segredo ajudará a preservar a credibilidade de um personagem essencial da fase atual da guerra política pelo mandato da presidente, impedindo que os brasileiros possam avaliar adequadamente um protagonista que tanto pode ser inocente até que se prove o contrário — ou quem sabe um segundo Eduardo Cunha.

    Nascida de uma briga de quadrilhas de alto coturno que passaram a delatar-se mutuamente, por razões que ainda não foram esclarecidas, a Zelotes teve uma história tumultuada. Sua grandeza — apurar um esquema de R$ 20 bilhões — também era sua fraqueza. Investigava um esquema criminoso naquele ponto da sociedade brasileira em que as forças do Estado são pequenas e fracas demais, para enfrentar criminosos poderosos demais, com amigos demais, influentes demais, numa disparidade que é mais comum enxergar em áreas das grandes cidades brasileiras já dominadas pelo tráfico.

    Avanços importantes foram feitos. Coordenador das investigações, o procurador Frederico Paiva examinou, pessoalmente, 74 julgamentos em andamento ou encerrados no Conselho Administrativo de Recursos Financeiros, CARF. Esse empenho tornou possível descrever o esquema, apontar e pagamentos milionários, explicar como os interesses podiam ser defendidos — e recompensados.

    Com base em escutas telefônicas feitas com autorização judicial, ainda foi possível encontrar provas de suborno e negociações milionárias envolvendo uma fatia eclética e bilionária do PIB: grandes bancos, grandes empreiteiras, grandes montadoras de automóveis, gigantes do agro negócio.

    Não foi preciso esperar muito — e aí a sociologia brasileira cumpre seu papel — para que logo surgissem bloqueios e dificuldades, pois era um trabalho que chegava às origens do poder de Estado, ao berço, onde a democracia e o respeito à lei desaparecem e absolutamente tudo se torna dinheiro, num universo milionário e primitivo ao mesmo tempo.

    Habituada a contar histórias de mocinho e bandido, onde os papéis já estão definidos com antecedência há pelo menos uma década, a imprensa tinha muita dificuldade e nenhum interesse real em retratar uma operação onde os vilões de sempre não estavam presentes — até a terça-feira passada. A Zelotes falava das próprias empresas de comunicação mas também de seus amigos, de anunciantes, dos companheiros de festa e passeios de iate.

    Assim, depois de uma operação de busca e apreensão em Brasília, São Paulo e Ceará, realizada em março, nada ou muito pouco pode ser feito. As escutas telefônicas não puderam ser renovadas. Vinte e seis pedidos de prisão temporária foram pedidos ao juiz Ricardo Leite, da 10a. Vara Criminal de Brasília. Todos foram negados. O juiz acabou afastado por decisão da Corregedoria Nacional de Justiça e isso foi comemorado por quem queria levar a investigação adiante.

    O novo ativismo veio acompanhado de medidas que todos saudaram como positivas. Aquilo que Ricarddo Leite bloqueava a juiza Regina Célia Odyr Bernardes autorizava.

    Os últimos dias mostraram que as investigações assumiram um caráter político, de foco bem definido. O juiz Sérgio Moro fez questão de proferir comentários elogiosos a Regina Célia.

    Em ação em que pede a nulidade das ações contra as empresas de Luis Claudio Lula da Silva, seu cliente, o advogado Cristiano Zanin Martins argumenta que o filho de Lula não é mencionado uma única vez num extenso relatório da Polícia Federal sobre a Operação Zelotes.

    O advogado sugere um viés político-partidário na postura de determinados integrantes do Ministério Público Federal engajados na força-tarefa da operação: das “4 manifestações produzidas pelo MPF no processo, 3 trataram das empresas de Luiz Cláudio.” Conforme Zanin Martins, “ao contrário de outros investigados, cujas citações estão acompanhadas de descrições de supostas condutas ilícitas especificadas no tempo e no espaço, no caso de nosso cliente os pedidos formulados pelo MPF estão lastreados apenas na opinião pessoal” de dois procuradores que consideraram sem nenhum parâmetro, “muito suspeitos” os valores recebidos” por uma das empresas do filho de Luiz Inácio Lula da Silva.

    “Não tenho nada a esconder”, escreveu Gilberto Carvalho, ministro entre 2003 e 2015, chamado para depor na terça-feira e que achou necessário divulgar uma nota depois disso. Após oito anos de ministério no governo Lula, quatro no governo Dilma, Gilberto Carvalho escreve: “me orgulho de não ter acumulado bens. Não tenho medo de ser investigado e considero dever da Polícia Federal, da Receita Federal e de qualquer órgão de controle realizar a investigação que julgar necessária. Faz parte do ônus e dos deveres inerentes da vida pública.” O ministro acrescenta: “O que não vale e não pode é de maneira fantasiosa e leviana fazer interpretações ridículas de material apreendido com pessoas suspeitas e transformá-las em acusação, sem prova alguma, contra pessoas honradas e dar publicidade a tais interpretações como se verdades fossem.”

    Luiz Claudio e Gilberto Carvalho entraram na investigação em função de um caso que nada tem a ver com a apuração — a denúncia de que uma medida provisória que beneficiou grandes montadoras de automóveis foi produto de uma negociata entre as empresas e o governo Lula. É uma tese que está longe de ter sido demonstrada — seja pelo enredo, seja pelos dois personagens acusados.

    A referida MP teve apoio do conjunto das forças políticas do Congresso, com destaque especial para políticos do DEM e do PSDB. Seu padrinho ideológico era o próprio Antônio Carlos Magalhães, cacique e raposa da Bahia e também várias correntes do pensamento desenvolvimentista. Isso porque estimulava investimentos industriais fora dos polos tradicionais, contribuindo para reduzir as desigualdades regionais. Um de seus relatores foi o deputado José Carlos Aleluia, do PFL/DEM. Atual prefeito de Manaus, o então senador Artur Virgílio, tucano histórico, chegou a dizer na tribuna que se orgulhava da medida e alardeou suas responsabilidades de modo particularmente enfático. A MP foi aprovada em 2009, num momento em que o governo Lula percorria o país inteiro para reativar a economia, ameaçada pelo colapso de 2008. Salvo melhores explicações, que até agora não vieram, a presença de uma empresa de Luís Claudio numa articulação desse tipo é até uma impossibilidade administrativa. Naquele momento, Luís Claudio era auxiliar de Wanderley Luxemburgo no Palmeiras e a empresa sequer havia sido fundada, o que só ocorreu anos depois. Na condição de Secretário Geral da Presidência, Gilberto Carvalho era o responsável pela agenda pessoal de Lula. Sua hipotética participação em conversas suspeitas — que ele desmente com veemência — é uma impossibilidade geográfica. Encontrava-se em viagem pela Itália no momento em que o encontro teria ocorrido.

    Mesmo assim, vamos supor, por hipótese, que haja um fundo de verdade na versão de que uma MP que era consenso no Congresso e no governo foi comprada. Neste caso, há uma coincidência entre fatos que não têm conexão: um escritório acusado de pagar propinas no CARF teria se mobilizado para fazer uma negociata paralela. Seguindo o princípio de que uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa, base do desmembramento da Lava Jato resolvida pelo STF, seria mais razoável abrir outro inquérito, que teria condições adequadas de investigar um outro crime. Ajudar a esclarecer em vez de confundir.

    Ontem, em ofício dirigido diretamente à presidente Dilma Rousseff, a juíza Regina Celia Ody Bernardes solicitou “todos os documentos produzidos (estudos, pareceres, notas técnicas etc), inclusive registro de reuniões” que possam prestar novos esclarecimentos sobre as medidas provisórias. Segundo escreveu o repórter Rubem Valente, na Folha, “a intenção é encontrar indícios, na documentação, da atividade de lobistas que aparecem, em mensagens eletrônicas interceptadas e anotações apreendidas com ordem judicial, combinando ações e valores. As duas medidas provisórias sob investigação, segundo os ofícios da juíza, são a 471, de 2009, assinada pelo então presidente Lula, e a 627, de 2013, assinada pela presidente Dilma Rousseff. Ambas foram depois convertidas em lei.”

    O pedido para investigar Dilma, diretamente, partiu do Ministério Público. Como magistrada, Regina Celia Odyr Bernardes tinha o direito de aceitar ou rejeitar a solicitação.

    A julgar pelos últimos acontecimentos, não é difícil imaginar o que teremos por aí.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *