Eletrobras: o apagão de informações para você não ver quem leva tudo

escuroeletrobras

A privatização da Eletrobras – que o Luís  Nassif definiu, com razão, como “a maior tacada da história” privatista, começa pela guerra da informação.

A companhia contratou uma agência – a FSB, aquela que se viu enrolada na delação do marqueteiro Renato Pereira como repassadora de dinheiro a Eduardo Paes – para “vender a venda” de uma empresa que os brasileiros não fazem ideia do tamanho que tem.

Porque a imprensa, bem cevada pelos privatistas, apresenta-a como um elefante branco, falida, “caindo aos pedaços”.Um caco velho.

A Eletrobras, ao contrário, é um gigante. É dona de Furnas, é dona de Itaipu, é sócia de Belo Monte, é dona das usinas nucleares. É dona de concessões que se estendem por décadas.

É, simplesmente, a maior empresa de energia elétrica da América do Sul. com uma rede de transmissão  de alta tensão capaz que soma “apenas” uma vez e meia a volta ao mundo. É dona de usinas que geram um terço de toda a energia elétrica do Brasil, e de uma rede de distribuição que alcança um terço do território nacional (justamente o menos denso populacionalmente e, por isso, menos rentável, embora atenda quase sete milhões de famílias e empresas).

É tão importante que, ao lado da Petrobras, esteve na Carta Testamento de Vargas, ao matar-se – “A Eletrobras foi obstaculada até o desespero” – e explora um recurso público: a água e, mais recentemente, também o vento, com as usinas eólicas.

Vende um produto que ninguém pode parar de comprar: energia.

Pare e pense o caro leitor e a querida leitora qual foi a usina elétrica construída exclusivamente pelas empresas privadas – e multinacionais  – que compraram parte do sistema elétrico com Fernando Henrique Cardoso. Quase nada, não é, pois onde entraram foi com a sociedade da Eletrobras (ou da Chesf) e financiamento barato do BNDES, dinheiro estatal, portanto.

A privatização da Eletrobras é um retrocesso de 50 anos, ao tempo em que, criança, aprendíamos a marchinha de gozação feita por Vitor Simon e Fernando Martins em 1954: “Rio de Janeiro/Cidade que nos seduz/De dia falta água/De noite falta luz.

Nestes tempos, também, o “apagou a luz” era a senha para cada guri pegar quantas bolinhas de gude pudesse e “se mandar”.

É por isso que precisam manter as pessoas no escuro, para que não vejam o crime de lesa-pátria, o desvio de bilhões de reais que estão por perpetrar.

Não se deve saber que há gente graúda nesta história, como o  banqueiro José João Abdalla Filho, o “Juca Abdalla”,  dono do Banco Clássico. Nem Jorge Paulo Lehman, o dono da cerveja nacional com suas Ambev  e Inbev, que detém o controle – mesmo em minoria, como é na Eletrobras, de todos os negócios onde põe as mãos.

Isso não deve vir ao caso.

É preciso manter a atenção nos pedalinhos .

contrib1

Comentários no Facebook

15 Respostas

  1. jose magno disse:

    Apelar para quem? Para o povo? Este está nocauteado. Para as Forças Armadas? Essa deu suporte e proteção ao golpe. Apelar para Deus? Este deixou de ouvir e proteger esse Brasil há muito tempo.Se não temos a quem apelar.Esqueçamos que Brasil existe…

  2. Jaque disse:

    Deram o golpe, estacaram sangria e estão vendendo o patrimônio do povo.
    Violência brutal atrás de violência brutal.
    Turbo cassino capitalismo.

  3. Messias Franca de Macedo disse:

    A histórica entrevista do almirante Othon a Wadih Damous!
    https://www.facebook.com/damousw/videos/2032268436988657/

  4. Márcio Martins disse:

    A lei de acesso à informação ainda existe ou já a revogaram de fato?

  5. Luiz Carlos P. Oliveira disse:

    Alguém saberia responder por que todo imbecil é repetitivo? Teriam algum parentesco com papagaios que decoram meia dúzias de frases curtas, mesmo não sabendo o significado delas?

    • Bronco Capiau disse:

      Bom dia Oliveira !

      E ai, tá difício enviar me um link com materia do Tijolaço, sobte o recente atentado na Somália, que vc afirmou ter lido aqui ????

      • Rei disse:

        Vai ficar mais “DIFICIO” agora Bronco Capiau…

      • Caetano te acha burro disse:

        Ei macaco. Algum comentário sobre o tema atual desse artigo? Nenhum? O seu presidente tá vendendo a petrobras, eletrobras, pré-sal, sua mãe. Você vai continuar aí batendo palma ou tergiversando?

  6. Sergio David disse:

    Sr Carlos Brito..Espero que em seu lar não tenha faltado energia. Não somos vagabundos! Somos uma empresa de economia mista (Furnas) onde o seu preferido Bolsonaro embolsou algumas centenas de reais , é só verificar na lista de Furnas.Um militar q iria explodir a CEDAE só porque queria aumento de salário. Somos empresa com 71 subestações, 20 usinas hidrelétricas, parques eólicos em construção, 2 térmicas e 24 mil km de linha de transmissão é excelência em geração de energia .Isto só Furnas…. provavelmente vc não sabe
    o q é ausência de energia elétrica. Não nos espelhemos para julgar os outros. Realize pesquisa e veja quais foram os projetos q Bolsonaro fez para a população de nosso país.Sempre mamou nas tetas do governo…veja o crescimento de seu patrimônio. O estado sustenta Bolsonaro ; ele e outros sanguessugas da nação.

  7. Xhyko disse:

    Que barbaridade o espírito entreguista de Fernando Henrique baixou de vez nesse giverno

  8. Nelson disse:

    O complexo hidrelétrico montado no Brasil, com recursos pertencentes a toda a nação, demonstra a capacidade do povo brasileiro, o nível atingido pela engenharia brasileira. Por isso mesmo, temos toda essa onda de desmerecimento e de difamação do que é nosso. A mídia hegemônica, secundada por uma legião de vendilhões da pátria, supostos especialistas em tudo, cumpre papel fundamental na incitação do desdém pelo que já fizemos neste grande país.

    O objetivo é garantir a anuência da maioria do nosso povo, tal como ocorreu na era FHC, à doação do nosso patrimônio e riquezas a grandes corporações capitalistas, nacionais e estrangeiras, notadamente as últimas.

    Àqueles que não acreditam no que escrevi, que se sentem inclinados a aderir à onda de desdém pelo que é nosso e pela capacidade do nosso povo, sugiro a leitura de um excelente artigo escrito há mais de 16 anos, em maio de 2001, pelo cientista político César Benjamim.

    Benjamim faz um histórico da construção do sistema hidrelétrico brasileiro e demonstra que, ao invés de mico, como os vendilhões estão tentando qualificá-lo, é, sim, assim como a Petrobras, mais um grande orgulho do nosso povo.

    O artigo pode e deve ser lido em http://www.labeee.ufsc.br/antigo/arquivos/publicacoes/texto_crise_energia_Brasil.pdf.

    Sugestão ao senhor Carlos Brito: leia o artigo, aprenda, evolua e deixe de aparecer por aqui só para dar mancada, só para falar besteiras. E, de quebra, abandone o time dos vendilhões da pátria e passe a amar um pouco o seu país.

  9. Thetruth disse:

    Novo estudo mostra que o 1% mais rico, os super ricos , tem riqueza equivalente a metade da população global.
    Com estas privatarias e entreguismos do PSDB, os super ricos vão ficar ainda mais ricos e a população brasileira mais pobre.

  10. Machete disse:

    Brasil e Porto Rico sendo assaltados.

  11. Nora disse:

    Se o povo soubesse disso estaria enfurecido.

  12. Rogério disse:

    Caro Brito, muito oportuno o que você chamou de “O apagão de informações”:

    1. Eletrobras está recebendo (desde jul/17 e durante os próximos 8 anos) R$ 25 bilhões “extra-receita” a título de indenização pela antecipação das concessões, objeto da MP 579/2012.

    2. Eletrobras acumula mais de R$ 2bi de lucro em 2017.

    3. Não resta a menor dúvida que passar o controle da ELB para as mãos privadas impactará direta e rapidamente nas tarifas de energia elétrica. Por dois motivos: (1) a descotização das usinas que hoje vendem energia a R$ 40/MWh e passarão a vender por R$ 200/Mwh. (2) a substituição dos ativos a título de investimento com retorno na tarifa. Hoje a eletrobras opera e trabalha para manter ativos antigos, praticando engenharia de manutenção e esforçando-se para extrair o máximo dos ativos com sobrevida dos equipamentos. Embora exiga um corpo técnico mais numeroso e qualificado, isto garante um preço de energia mais barata à sociedade. Nenhuma empresa privada faz isso. Estes ativos são substituídos e o retorno vem diretamente na tarifa, no caso das transmissoras, na RECEITA ANUAL PERMITIDA. Ou seja: mais receita com menos pessoas. A sociedade, no entanto, pagará bem mais.
    Cabe ressaltar aqui que “qualidade de energia” e “péssimo serviço” não são argumentos de ninguém a favor da desestatização. Pelo contrário, mesmo com ativos antigos, a Eletrobras é reconhecida pela excelência na prestação de serviços. Várias unidades da empresa possuem prêmios e reconhecimentos internacionais como TPM, PQGF, ISO etc.

    4. Nenhuma empresa tocará um programa como “Luz para Todos” sem receber por isso, a não ser que tenha o próprio controle do estado.

    5. Interesses escusos estão por trás desta venda, conforme detalhado pelo Nassif. Não há discussão séria e responsável sobre o tema.

    O BRASIL NÃO PODE ACEITAR ISTO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *