Choveu pouco em São Paulo. Sim, mas o problema é maior e a Folha não quer ver

cantafolha

A Folha publica agora à noite um levantamento que, além dos erros aritméticos ( o gráfico diz que choveu 60% abaixo da média e é só fazer a conta para ver que a chuva foi 42,4% abaixo da média) que  pode acrescentar dramaticidade, deixa de lado a questão mais importante.

A de que o grave foi, claro que por causa da falta de chuvas, mas não só, a queda na vazão dos rios que abastecem o Sistema Cantareira.

A vazão afluente média dos rios que o abastecem é, nos últimos 50 anos, de 46,3 metros cúbicos por segundo.

Mas de janeiro a julho deste ano foi de meros 9,7 m³/s, ou apenas 20,9% do normal.

Em julho, reduziu-se a meros 4,17 m³/s,  ou 16,4% da média para o mês.

É evidente que a proporção em que a chuva se reduziu foi muito menor do que aquela em que baixou a vazão dos rios.

Parte disso, tecnicamente, se explica pelo déficit de absorção de água pelo solo e pelo rebaixamento do lençol que os forma.

Parte, mas não tudo.

A falta de proteção dos mananciais, o aumento do uso da água rio acima e outros fatores menores levaram à redução do volume de água e colocam o Cantareira numa situação de risco que – embora possa ser mitigada por chuvas fortes – tende a se tornar permanente.

E se o governo paulista continuar na política irresponsável que está seguindo, vai continuar por 2015 e 2016, inibindo o desenvolvimento da região metropolitana e, pior, sujeito a criar uma absoluta falta de água para milhões de paulistanos e moradores da periferia se o período de estiagem do final de 2013 e do início de 2014 se repetir.

Porque as poucas reservas que havia, agora, não existirão. E a providencial água do fundo das represas terá sido sugada.

Não se deixa, aqui, de enxergar a falta de chuvas.

Mas também não se deixa de ver que, além dela, há o retrato do fracasso de um modelo de exploração dos recursos hídricos que se preocupa em tirar cada vez mais água dos rios mas não com os rios de que tira água.

Quando a água falta, compram-se umas bombas, instalam-se mais um “mangueirões” e pronto.

O negócio é ter água – turva e nem sempre – na torneira até a eleição.

São Paulo caminha para uma catástrofe, em outubro, em novembro, em dezembro ou no ano que vem, sob o silêncio de sua elite, sobretudo a jornalística que recusa, há mais de seis meses, o retrato do desastre, por achá-lo “alarmismo” ideológico ou partidário.

E há seis meses a água, baixa, baixa, baixa em ritmo assustador.

Culpar a falta de chuva é fácil.

As elites nordestinas fizeram sempre assim com a seca.

Era de se esperar que a paulistana, com todo o seu verniz de ilustração, fizesse diferente.

Mas não faz.

Nem regra de três faz direito.

Posts relacionados...

Comentários no Facebook

14 Respostas

  1. nelson disse:

    No azul ta 533 e você fez 553. Confere?

  2. Ignez Rodrigues Gil disse:

    Governo tem

  3. ignez Rodrigues Gil disse:

    Governo tem que dar solução técnica e não resposta escapista. Ou pior, adiar o desfecho do problema.

  4. Ignez Rodrigues Gil disse:

    Governo tem que dar solução técnica e não resposta escapista. Ou pior, adiar o desfecho do problema.

  5. Daniel disse:

    Nelson, deve ter sido erro de digitação, pois a conta bate (53300/9250 = 57,62).

  6. vanilton alves disse:

    Sei o que passamos no Brasil antes dos governos Lula e Dilma. Portanto, não há imprensa nem coisa alguma que me faça mudar o voto. DILMA!

  7. Eliana disse:

    Se os tucanos investissem na construção de reservatórios
    e arborização em volta dos mananciais, não faltaria água.
    O que eles gastaram de propaganda mentirosa sobre a eficiência
    da administração da SABESP foi um horror.
    Lembram de 2010?A propaganda da Sabesp passava até no NE e AM.
    Foram bilhões do dinheiro público ,gastos com propaganda enganosa.
    Moro em JF/MG.
    Choveu muito pouco aqui tb, e os 03 reservatórios da cidade
    estão respectivamente com ,98%, 99%, e 100%.Sem risco de racionamento.
    A cidade tem uma população de 540 mil habitantes fixos, e mais de 1 milhão de população flutuante.

  8. Ricardo disse:

    a acumulação de água de um reservatório se deve a duas fontes:
    1-a chuva que cai sobre a sua área.
    2-o abastecimento de água captada de outros mananciais.
    Caso o sistema cantareira fosse dependente unicamente das chuvss ,pelos dados acima ele teria caído menos de 40 cm em seu nível.
    Como a queda foi MUITO maior, fica claro que o problema está na gestão dos mananciais.
    Estes mananciais, usando o mesmo dado apresentado,receberam a menos 40% de água ,levaria a ,senão houver outro fator (como uso em irrigação, novas captações, uso em hidrovias ou hidroelétrica…) a queda de 40% de volume e não de 80%.Esta diferença é que mostra a falta de gestão do governador de SP.

  9. Jonas Moreira disse:

    Recomendo a leitura da entrevista feita pelo Brasil Debate ao Delmar Mattes sobre o problema da água em SP.

    http://brasildebate.com.br/a-crise-do-abastecimento-de-agua-e-o-mercantilismo/

  10. Ricardo CP disse:

    Faltou dizer que, mesmo como ficou evidenciado pelos dados trazidos, a Marina Silva se alia ao Alckmin, negando completamente sua propalada ênfase na proteção ao meio ambiente.

  11. Mariza disse:

    Os paulistas com tantos exemplos, será que eles não sabem ler? ou então gostam de sofrer. O Nordeste tá maravilhoso. Foram anos de sofrimento, agora a felicidade chegou e pra ficar, não vai mais faltar água por aqui. Terminou o período de pesadelo sob o governo tucano. População de São Paulo, acordem, o PiG só pensa nele, vcs. são apenas um mero detalhe, que eles utilizam, para manter seu objetivo, ou seja, conservar sua riqueza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *