Bretas, o do duplo auxílio-moradia, aluga imóvel ao Bradesco por R$ 10 mil

bret2

É incrível a desfaçatez duplicada do juiz federal Marcelo Bretas ao defender que tanto ele quanto a mulher, também juíza, recebam mais de R$ 8.700 como auxílio moradia, para trabalharem na mesma cidade onde residem e têm, pelo menos, um bom imóvel próprio no Rio de Janeiro.

É que se depreende do processo 1016977-14.2014.8.26.0405, da 6a. Vara Cível de Osasco, São Paulo, onde é a sede do Bradesco, seu inquilino. Bretas e  Simone, sua mulher, requereram judicialmente a revisão do aluguel, de R$ 10.685,80 mil para R$ 20 mil, naquela cidade porque é lá a sede do banco, embora o imóvel fique aqui.

Bretas e a mulher perderam a ação, por dois motivos: o contrato é de 20 anos e eles perderam o prazo para revisão e a perícia indicou que o valor era absolutamente justo. Pela sentença da juíza Renata Soubhie Nogueira Borio ( aqui, em PDF),vê-se que o casal Bretas comprou o imóvel em 2002, do próprio Bradesco – segundo ela, a preço abaixo do mercado – com o  compromisso de locá-lo por 20 anos, sendo o prazo para revisão o marco de 10 anos.

Como se vê, o casal já contava, em 2002, com recursos para a compra de um “baita” imóvel, que lhe rendeu, em aluguéis, considerado o valor mencionado em contrato, valores equivalentes a R$ 2 milhões, não levando em conta a capitalização dos recebimentos feitos há 15 anos, isto é, o investimento do que receberam.

O casal judicial tem o direito de fazer negócios e de ganhar dinheiro. Mas não o de considerar moral, tendo as posses que tem, sangrar os cofres públicos com um duplo “auxílio-moradia” e muito menos dizer que negá-lo é “um ataque à magistratura”, como diz, num acesso de corporativismo, o presidente da Associação dos Juízes Federais do Rio e do Espírito Santo, Fabrício Fernandes, em  nota oficial, onde diz que criticar Bretas interessa a corruptos.

E aceitar passivamente o que fazem juízes assim ajuda aos imorais no trato com o dinheiro público.

 

contrib1

PS. O anexo, com a sentença, estava errado. Agora, corrigido.


Der WhatsApp Chat ist offline

Comentários no Facebook