A burrice da esterilização é coisa de cérebro infértil de monstros

7-1

A Folha, cada vez mais apavorada com o monstro que ajudou a criar, recorda em matéria publicada hoje que “o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) apresentou projetos e defendeu em discursos nas últimas décadas a esterilização dos pobres como meio de combater a criminalidade e a miséria”.

Ele e toda a matilha que acha que os pobres é que são o problema do Brasil e que, como problema, devem ser eliminados, até a poder de monstruosidades como a da esterilização induzida (ou mesmo forçada, como fez um juiz de Mococa, interior de São Paulo).

Além de desumanos, imbecis.

Repetem asneiras como a de que o Bolsa Família “estaria estimulando as famílias carentes a terem mais filhos”.

Os números do IBGE mostram o contrário: não apenas a taxa de natalidade está caindo como, nos 8 anos do Bolsa Família do governo Lula caiu muito mais rapidamente que sem ele, no período FHC.

Baixou de 22,23 por mil para 20,33 entre 1994 e 2002 e, no governo Lula, de 2003 a 2010, baixou para 15,12.

Caiu e, nem por isso, a criminalidade diminuiu, como não diminui com as execuções em massa de jovens pobres, cada vez mais comum.

O que não impede que as páginas de noticiário policial estejam coalhadas de boçais dizendo que o crime é resultado de “filhos demais”.

O ódio, porém, é a negação da razão e a afirmação da maldade.

Para os pobres, naturalmente, porque o próprio Bolsonaro tem cinco filhos, uma “taxa de natalidade”quase o triplo da que têm, hoje, os brasileiros.

Herodes no filho dos outros é refresco.

 

 

 

Comentários no Facebook