“Apesar da crise”, um país menos desigual. Salvo, claro, nos detalhes dos jornais

pnadnoticias

O caro leitor deve ter visto todas as matérias que, hoje, noticiam “o aumento da desigualdade social” no Brasil, usando como base a Pesquisa nacional por Amostra Domiciliar, a Pnad.

Aí em cima, numa pesquisa no Google, quem não leu pode ter uma ideia do tom usado.

E, no destaque, a exceção: o Valor.

Que, mesmo fazendo o registro da desaceleração provocada pela retração econômica, chama a atenção para o mais importante.

“O rendimento médio mensal real dos 10% mais mal remunerados no país quase dobrou em dez anos — cresceu 91% entre 2004 e 2014 — mas dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) realizada no ano passado revelam que o avanço da renda tem ocorrido em ritmo mais lento.”

Mesmo com o tom reservado – que é correto, a persistir a política contracionista (e mal sucedida) adotada com as bênçãos do “mercado” – a informação mais relevante é tratada como deveria ser: a mais relevante.

O fantástico crescimento da renda dos mais pobres, em valores reais (ali está corrigida a inflação) que, embora ainda estando em níveis vergonhosos, dificilmente se encontra neste mundo injusto.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre 2011 e 2014, os rendimentos desse grupo tiveram crescimento de 12,7%, taxa bem inferior à registrada nos três anos anteriores, de 28,9%.

Ainda assim, ao longo de uma década, os ganhos do décimo da população que menos recebe cresceram três vezes mais do que os do estrato dos 10% mais bem remunerados, cujos rendimentos aumentaram em 29,7%.

E o que são as duas coisas que mereceram o destaque da grande mídia?

giniA queda da desigualdade na Região Sudeste. O índice de Gini, que a mede, indicando com valores decrescentes (zero seria a perfeita igualdade) as disparidades de renda subiu – e apenas na região, em todas as outras baixou –  em três milésimos, de 0,483 para 0,485, de 2013 para 2014.  No Nordeste baixou seis vezes mais, 19 milésimos ( de 0,509 para 0,490 mas, claro, isso jamais será manchete.

Para compreender estes números ao longo de sua série, é bom saber que o índice, em 2002, era de 0,560 no Sudeste e de 0,600 no Nordeste. Mas isso, claro. não vem ao caso.

O outro destaque foi para o aumento do trabalho infantil.

trabalhoinfantilCertamente é muito ruim que tenha sido interrompida a sequencia de quedas que há muito tempo se vem registrando, mas o resultado é muito pouco considerável  – pode mesmo ser uma flutuação estatística  – para que se diga que aumentou, como você vê na tabela divulgada pelo IBGE, cujo conjunto pode ser obtido aqui.

É preciso considerar com muita atenção este dado, até porque a maioria do trabalho infantil agrícola se dá em atividades familiares, onde não se vai registrar “desemprego”. Outro fator importante pode ser a falta de reajuste no Bolsa-Família dentro de um quadro de aceleração inflacionária.

De toda forma, o que salta dos dados da PNAD é  o quão socialmente criminoso seria abandonar o projeto de valorização do salário – especialmente o mínimo – e  cortar a política de subvenções sociais que se pratica há mais de uma década.

Exatamente o que desejam os que “comemoram” resultados de pesquisas de indicadores sociais que lhes dêem algum gancho para dizer que vivemos um desastre, como se desastre não fosse o tempo em que eles mandavam neste país.

 

Comentários no Facebook

17 Respostas

  1. Alisson Souza disse:

    O Brasil não precisa de igualdade de renda! Precisa de igualdade de condições para todos. Com escolas de excelência, promoção de frentes de trabalho (não um programa assistencialista como o BF) e com saúde de qualidade, todos os que quisessem e se esforçasse poderiam chegar em um lugar melhor na vida.

  2. Alisson Souza disse:

    *a um lugar melhor.

  3. Iskra disse:

    FORA DE PAUTA E URGENTE !
    Ataques em Paris nesta sexta-feira mataram covardemente cerca de 60 pessoas , há feridos inclusive no Stade de France.
    O mundo ocidental vai até quando na leniência em relação ao EI ?
    A Charlie Hebdo fará as mesmas charges que fizeram em relação ao avião russo que se despedaçou no ar ?

  4. luiz mattos disse:

    A direitalha após dominar Carta Capital acredita que dominarão os sites progressistas,arriba militância.Não Passarão!

    • Alisson Souza disse:

      O próprio Fernando Brito disse que deve haver a polêmica.

    • Alisson Souza disse:

      “Não pode existir democracia quando não há polêmica. E polêmica é o elemento mais ausente na política brasileira.” (Fernando Brito)

  5. horta disse:

    Acho que vocês deveriam satirizar mais este “MAS”… colocar em todos os título ‘MAS”… “MAS”…. encher o saco destes destranbelhados.

  6. Robson disse:

    O PT foi o partido que mais ganhou eleições nacionais após a redemocratização. Isso, apesar da imprensa que está aí.

    A cada rodada da PNAD, essa imprensa que está aí divulgava a diminuição do nível de desigualdade social. Os conceitos de “nova classe média” e “bric”, que tanto ajudaram na avaliação dos governos petistas, jamais se tornariam “pop” se não fosse a mídia que está aí.

    É claro que a desigualdade foi reduzida no país no governo do PT. Todos estamos carecas de saber disso, mas a inversão de uma tendência pode significar algo relevante, daí virar notícia.

    Não acredito em imparcialidade, nem na grande mídia, nem em blogs da internet, e todos tem suas preferências. Mas acho exagerado atribuir qualquer notícia negativa a uma orquestração golpista contra o governo. Quaisquer governos, de quaisquer partidos sofrerão desgastes e apresentarão lacunas.

    Acredito que o PT (e o país) ganhariam se esse discurso de vitimização fosse atenuado. Pra mim, o ganhador das eleições de 2018 não será aquele que ganhar a competição da comparação dos passados, mas aqueles que souberem interpretar o presente e propor as melhores soluções seja para a continuidade da redução da desigualdade, seja para a retomada do crescimento. Isso tudo, com mesma imprensa que está aí há “500” anos atrás…

  7. bronco capiau disse:

    Este blog mais uma vez nos brinda com minucias e contabilidade positiva puxando sardinha, como usual, a defesa da seita liderada pelo Guru Lula o homem “do povo” o torneiro mecanico q chegou la sem muita intimidade com alguma literatura…

    Os numeros me parecem bem pifios pelo imenso potencial q o pais nos oferece com o destaque para o sacrossanto pre sal, o festejado remedio q iria eliminar todas as mazelas sociais de Pindorama.

    Na pratica, o PT virou mais do mesmo.Para governar ,aliou se a velhas raposas que ja habitavam o cerrado. Os acordos deveriam perpetuar se e assim ficamos combinados.

    Enquanto ao povo, ficamos esperando os domingos, onde a tal “festa da democracia” ,preenche o pais e vamos as urnas apertar botoezinhos!

    Depois, as mesmas caras, mesmos sobrenomes, escandalos, desperdicio de dinheiro publico, fraudes, falcatruas, discursos. leis, habeas corpus, cpi, pf, stj, stf, tse, mordomias, prebendas, propinas, desculpas…

    O povo sorri quase sem dentes acreditando q o pouco q tem ja lhe eh o suficiente.

  8. Alisson Souza disse:

    A suposta melhoria na vida dos pobres foi só uma cortina de fumaça para o enriquecimento da família de Lula..
    http://epoca.globo.com/tempo/noticia/2015/11/ainda-faltam-explicacoes-de-luis-claudio-filho-de-lula.html

  9. Joao batista disse:

    Lula 2018

  10. Sérgio Rodrigues disse:

    Haja midiotas comentando!….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *