Alexandre Garcia e a professora que lhe deu uma lição.

calma

Os leitores deste blog sabem que não gosto, quase nunca, de ser agressivo ao falar, mesmo a coisa mais justa.

Mas sou do tempo em que havia o “assim, sim, mas assim também não“, porque tem hora que a coisa passa dos limites e é preciso mesmo um bom destampatório para colocar as coisas no lugar.

Alexandre Garcia, normalmente, é uma figura que, para ouvir, é necessário apelar aos santos e à surdez, tamanha a quantidade de asneiras vaidosas que pronuncia.

Mas ontem, no final de uma boa matéria do DFTV, da Globo de Brasilia, ele deitou falação sobre as cotas para estudantes de escolas públicas, Garcia foi soltar suas pérolas, dizendo que cota era tradução de “pistolão” e dizendo que os alunos de escola pública que passaram fora das cotas  tinham conseguido fazê-lo “sem a humilhação de receber um empurrãozinho”.

Alexandre Garcia sempre gostou de falar sozinho, desde os tempos em que se exibia como dublê de porta-voz do Presidente Figueiredo e “abatedor de lebres” em revistas ditas masculinas.

Agora, com a internet, não é só ele quem pode falar.

E a professora de Matemática Flávia Helen, que trabalha com a preparação de alunos de escolas públicas para o vestibular na periferia do Distrito Federal, deu-lhe uma “enquadrada” daquelas de deixar o cidadão reduzido ao microscópico tamanho tamanho que tem.

D. Flávia, foi uma maravilha ver este cidadão “ouvindo” uns desaforos.

Comentários no Facebook