Ah, então temos o “Doutor Freitas” tucano nas empreiteiras…

freitas

Com a participação de Rubens Valente, o repórter que desvendou os segredos da Operação Banqueiro de Daniel Dantas, ficamos sabendo que a UTC, uma das empreiteiras acusadas na Operação Lava-Jato recebia visitas do “Dr. Freitas”, emissário do PSDB, em busca de contribuições eleitorais.

E as conseguia, com fartura.

A reportagem – coisa rara no Brasil – vai atrás de quem seria o operador tucano e traz-nos sua identidade: é Sérgio Freitas, ex-executivo do Banco Itaú, ” que atuou na arrecadação de recursos de campanhas de políticos do PSDB em 2010 e 2014″.

E atuou bem:  captou R$ 2,5 milhões ao comitê de Aécio Neves  e mais R$ 4,1 milhões aos comitês tucanos em São Paulo e em Minas Gerais, além de R$ 400 mil para outros candidatos tucanos, dados pela empreiteira, que doou também ao PT e a outros partidos e candidatos, entre eles Ronaldo Caiado (DEM).

Freitas havia desempenhado o mesmo papel na campanha de Serra, em 2010, época em que o esquema de Paulo Roberto Costa andava de vento em pôpa.

Para além dos fatos, a matéria revela a imensa hipocrisia do que vem sendo a cobertura desta história.

Todos (ou quase todos)  os candidatos, num sistema eleitoral corrompido pelas doações empresariais legais como é o nosso, precisam recorrer ao dinheiro das empresas, se tiveram pretensão de serem eleitos.

É evidente que a política, se depende de pessoas que sabem procurar empreiteiras para pedir dinheiro “por dentro”, se sujeita à obvia possibilidade de que se peça – para si ou para alguém – o “por fora”.

É por isso que que Reinaldo Azevedo  chama de “ideia asnal”  a de  “banir o mercado do financiamento de campanhas eleitorais”.

Porque o financiamento privado de campanhas é a grande corrupção.

O resto é o varejo dos ratinhos que tomam um aqui e outro ali, como infelizmente acontece no mundo inteiro, até no comunismo chinês.

Aliás, e a propósito, porque é que não se fala que o tal Pedro Barusco, que rapidinho se ofereceu para devolver R$ 250 milhões depositados no exterior, trabalha para André Esteves,  dono do  banco BTG Pactual, e  que se tornou habitué na campanha de Aécio Neves?

Ou será que estamos ainda no Brasil em que a moral e a lei servem para uns, mas não para outros?

Comentários no Facebook