Auler: PF ajudou produção de filme anti-Lula

chapabranca

Marcelo Auler, em seu blog, antecipa a revelação de que a Polícia Federal não apenas cedeu imagens registradas ilegalmente, mas seus agentes e veículos, aos produtores do filme laudatório à Lava Jato, produzido com financiamento misterioso. O emprego de meios públicos numa obra de propaganda política vai ficar evidenciado na resposta ao pedido de informações feito pelo deputado Paulo Pimenta (PT).

Auler mostra, também, como não se sustenta, senão como exercício de hipocrisia, a negativa de que tenha sido clandestinamente gravado, contra ordem judicial que o proibia, a abordagem ao ex-presidente Lula, no dia de sua condução coercitiva. Moro se escuda no fato de não lhe caber “censurar” filme, mas não tem explicações a dar sobre o fato de seus agentes – o que eram, ali, os policiais federais – terem feito o registro com câmera oculta.

No blog do Auler:

Oficialmente, o filme “Polícia Federal, A Lei é Para Todos” tem financiamento privado, de investidores cujo produtor, Tomislav Blazic, evita revelar. Na prática, a equipe que está produzindo para o cinema a versão oficial das primeiras 24 Fases da Operação Lava Jato, contou até com verba pública, ainda que não oficialmente. Viaturas descaracterizadas e agentes da Superintendência do Departamento de Polícia Federal do Estado do Paraná se deslocaram, durante o último carnaval, ao estado de São Paulo para colaborarem nas filmagens, segundo informações que o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) divulgará nesta terça-feira (04/04) na Câmara dos Deputados, ao encaminhar novo pedido de informações e providências ao Ministério da Justiça. Além de contar com homens da Superintendência que, com seus familiares, fizeram “pontas” nas encenações, a produção do filme recebeu apoio de outras formas. Para filmar dentro do prédio do DPF em Curitiba, os trabalhos foram suspensos no dia 18 e 19 de novembro passado, uma sexta-feira e um sábado, inclusive para entrega de passaportes.

Continue lendo no Blog do Marcelo Auler. Veja também, na coluna de Ancelmo Góis, em O Globo, como o ator Herson Capri, que recusou um papel na produção, como “uma peça de propaganda do governo do PSDB, do Plano Real e do mandato do FH, visando a 2018”.

Posts relacionados...

Comentários no Facebook

10 Respostas

  1. renato arthur disse:

    Mas apelar para quem ? Para o min. da Justiça Osmar Serraglio, para o Moro, para Globo, para o diretor da P.F. Sabemos todos que as instituições da república foram tomadas por criminosos, e como tal não há nenhum compromisso com a verdade. Resta os blogs de resistência a denunciar a bandidagem que atualmente nos governa, expor a opinião pública o nível que atingiu as instituições brasileiras, o que não é de se estranhar, visto termos um governo e um judiciário totalmente corrompido, mantido pela rede Globo, a qual é o cerne do Golpe

  2. Heitor disse:

    Para a ONU.
    E principalmente denunciar esse filme bancado pela GLOBO à mídia internacional.

  3. Irion disse:

    Podiam vincula a PFdoSDB à Ancine, já que ao menos servem para fazer filmes… E o helicóca, já instauraram ao menos o inquérito???

  4. Júlio César Novaes disse:

    O filme foi feito por causa das condução coercitiva do Lula ou a condução coercitiva do Lula foi feita por causa do filme???

    • Leo F. disse:

      Nem um, nem outro.

      Foi feito para sacramentar a operação mediante a opinião pública, pelo ponto de vista partidarizado da Procuradoria.

  5. Ana disse:

    Corretor de alfafa! Tá ficando feio demonstrar tanta ignorância!! Tá faltando alfafa nos seus negócios, golpistazinho burro???

  6. Chapiro disse:

    Brito, só uma correção, o ator Herson Capri recusou participação no filme do Plano Real, não neste da Lava Jato. Acho que o próprio Ancelmo Góis deu a notícia errada e depois consertou.
    Um abraço.

  7. Maria Rita disse:

    Tomislav Blasic. Tradução: Tome e lave o Brasil. Essa é a missão. Que ironia, hein?

  8. Joel Maciel disse:

    Este sigilo não pode ser quebrado, não?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *